Postado em: DestaquesPor:
2 de dezembro de 2020 Ultima atualização: 2 de dezembro de 2020

Rentabilidade da Vérios no Terceiro Trimestre de 2020

O terceiro trimestre foi de continuidade na recuperação nos mercados, a despeito da pandemia. A renda fixa teve um pouco de dificuldade, em função das incertezas sobre a política fiscal do país.

2 de dezembro de 2020

“Investir deve ser mais como ver a tinta secar ou assistir a grama crescer.  Se você quer adrenalina, pegue $800 e vá para Las Vegas.”
– Paul Samuelson

O ano de 2020, um dos anos mais atípicos e voláteis da história recente, encerrou mais um trimestre. O mundo ainda enfrenta os percalços da pandemia, a taxa de transmissão do vírus permanece alta e ainda vivemos o distanciamento social em muitos países.

No entanto, os principais índices do mercado financeiro apresentaram forte recuperação no terceiro trimestre, em especial os mercado desenvolvidos, impulsionados por fatores como os estímulos fiscais que foram oferecidos pelos bancos centrais; os aprendizados sobre a doença e melhor controle da pandemia em alguns países; e o otimismo com a recuperação econômica dos próximos anos, especialmente nos setores intensivos em tecnologia.

A despeito dos movimentos macroeconômicos recentes, também entendemos o ano de 2020 como um grande desafio para os investidores do ponto de vista das finanças pessoais, objetivos de investimentos, perfil de risco, bem como comportamento perante as oscilações do mercado. 

Apesar das dificuldades enfrentadas, as carteiras inteligentes da Vérios seguem apresentando retorno positivo, com risco controlado e fiéis à metodologia de diversificação otimizada.

Rentabilidade até Setembro/2020

O terceiro trimestre de 2020, como comentado, foi de continuidade na recuperação no mercado financeiro. No entanto, tal recuperação está muito concentrada nos mercados desenvolvidos, especialmente nas bolsas de valores e mais especificamente nas empresas de tecnologia. As famosas FANGs (o acrônimo para Facebook, Amazon, Netflix e Alphabet) foram as principais vencedoras da nova realidade que surge no mundo pós-pandemia.

Nesse sentido, as carteiras com diversificação em 5 classes de ativos apresentaram rentabilidade positiva, puxadas pela alta do ETF de bolsa americana, que acumula alta de +47% no ano até o final de setembro.

Contudo, lembrem-se que a rentabilidade do ETF de bolsa americana aqui no Brasil também é explicada pela alta do dólar ou, na verdade, pela queda do Real. Assim entramos na segunda parte do comentário da performance acumulada.

Os ativos brasileiros vêm apresentando performance abaixo da média dos outros países comparáveis, como México, Índia, Turquia e outros países emergentes. Especialmente quando analisado a performance da moeda, o Real acumula desvalorização de -40% no ano comparado ao dólar, sendo -3% no terceiro trimestre.

As causas estão intimamente ligadas às incertezas quanto a agenda fiscal do governo, e por consequência dúvidas sobre a sustentabilidade da dívida pública no longo prazo. 

O Brasil foi um dos países que mais cresceu sua dívida pública durante a pandemia, sem apresentar nenhum plano claro de onde sairão os recursos para financiar esses gastos.

Vale lembrar: o mercado financeiro normalmente penaliza incertezas. Incertezas trazem maior volatilidade de preços e para investir no país com essas circunstâncias, o investidor exige uma taxa de retorno mais alta.

Nesse sentido, o dólar se valorizou e os títulos de renda fixa sofreram marcação a mercado negativa, o que explica a performance negativa no trimestre das carteiras que possuem diversificação em apenas 3 classes de ativos (todas de renda fixa).

Quando isso ocorre, os papéis (principalmente do Tesouro Prefixados e IPCA) sofrem queda no preço atual e ao mesmo tempo um aumento na rentabilidade garantida daqui até o vencimento – a famosa taxa de remuneração ou taxa de retorno. Por isso, costuma ser uma boa hora para comprar mais títulos, enquanto estão com preços baixos.

 

Vérios Rentabilidade Líquida Jul-Set/2020

 

Analisando as duas categorias de carteiras inteligentes sob uma ótica dos últimos 12 meses (no próximo gráfico abaixo), ambas apresentam retorno acumulado positivo. Apesar do cenário desafiador, continuamos em linha com nossa filosofia de proteger o capital dos nossos clientes, controlar o risco e contribuir na construção de seu patrimônio, sempre com visão de longo prazo.

 

Vérios Rentabilidade Líquida 12 Meses até Set/2020

 

Mesmo com a meta da Selic tão baixa e com a marcação a mercado derrubando a renda fixa, as carteiras apresentaram rentabilidade excelente nesse período tão difícil.

Mas os dois gráficos acima são como uma “fotografia”, mostram apenas um recorte de uma janela de tempo fechada. Três meses no primeiro gráfico e doze meses no segundo. O gráfico abaixo mostra dados diários acumulados ao longo de um período total de doze meses, e nos dá uma noção melhor de como as carteiras se comportaram nesse período. 

 

Rentabilidade Vérios 12 meses até 2020-09

 

Analisando gráfico da performance ao longo do tempo, destaca-se a queda provocada pela crise da Covid-19. Em seguida, notamos a recuperação acelerada ao longo do segundo trimestre, que continuou durante a maior parte do terceiro trimestre. No fim do gráfico, vemos uma acomodação no mês de setembro, devido às grandes volatilidades do mercado local.

Quando comparado com o índice IHFA (composto pelos maiores fundos de investimentos multimercado do Brasil), nossas carteiras ainda seguem se destacando. Podemos observar o IHFA no gráfico, na linha cinza pontilhada.

As medianas das carteiras inteligentes de todos os níveis de riscos apresentam rentabilidade superior ao índice. É interessante comparar as carteiras com esse indicador para mostrar o poder da gestão passiva e metodológica, do asset allocation e da diversificação, que são os pilares da nossa metodologia de investimento. Os resultados falam por si só quando comparados aos principais expoentes da gestão ativa no Brasil.

Um milhão de dólares para caridade – ou melhor, USD 2,3 milhões

Pegando o gancho do parágrafo acima, vale recordar uma história famosa. Aquela da aposta de um milhão de dólares que Warren Buffett fez com gestores de grandes fundos de investimentos, os famoso hedge funds de Wall Street.

Como todos sabem, Buffett é um dos maiores investidores de todos tempos. Em 2007, ele lançou um desafio aos gestores de fundos ativos. Apostou que, num período de 10 anos, o índice S&P500 teria um resultado superior à média de 5 fundos de gestão ativa. Quais fundos? Quaisquer fundos, os melhores gestores do país, escolhidos a dedo por qualquer grande gestor de Wall Street. 

A gestora Protégé Partners aceitou o desafio e escolheu os fundos para a aposta. Em 2017, ao final dos dez anos, os fundos ativos dos melhores gestores escolhidos a dedo performaram algo em torno de 2,2% aa em média; contra 7% aa do índice passivo S&P500. Buffett venceu a aposta.

O dinheiro do prêmio ficou investido durante todo esse tempo e a instituição de caridade escolhida por Buffett recebeu um total de 2,27 milhões de dólares.

Aqui não queremos afirmar que essa história se aplica diretamente à realidade brasileira, à nossa bolsa de valores (ou ao nosso CDI!). Tampouco pretendemos provar que a gestão ativa é melhor que a passiva ou vice- versa.

Ao comparar com o IHFA pretendemos apenas mostrar que, na grande parte das vezes, o aspecto comportamental pode comprometer grande parte do seu patrimônio. A maioria das pessoas que fica tentando comprar e vender tentando acertar “a hora certa de investir” ou encontrar a próxima “grande oportunidade” acaba trazendo para a sua carteira mais risco, e não necessariamente mais retorno.

O que esperar da Vérios

Antes de concluir esse artigo; vale lembrar que, independentemente dos excelentes resultados apresentados aqui, a metodologia de gestão das carteiras inteligentes da Vérios foi pensada para controlar rigorosamente o risco assumido, aumentando a segurança do investimento e, dentro de cada patamar de risco escolhido, obter o melhor retorno possível.

Os modelos de alocação seguem uma metodologia clara e renomada no meio acadêmico e no mercado financeiro, com um foco no horizonte de médio e longo prazo. A prioridade é a preservação de capital, por meio do controle de risco e balanceamento dos portfólios.

Além disso, buscamos ser sempre consistentes, coerentes e transparentes, não entrando nos “investimentos da moda” que volta e meia são criados pelo mercado financeiro.

Se isso faz sentido pra você, abra uma conta faça um teste. Comece com um valor menor para ver como funciona. E bons investimentos!

Este artigo foi útil para você?
Rentabilidade da Vérios no Terceiro Trimestre de 2020
5 (100%) 14 votes

Compartilhe:
Postado em: Destaques
Por:
2 de dezembro de 2020
Ultima atualização: 2 de dezembro de 2020

Você pode gostar também…

5805549 min de leitura

Rentabilidade da Vérios no Segundo Trimestre de 2020

Se o primeiro trimestre de 2020 foi desafiador, o segundo foi de forte recuperação dos mercados, a despeito da pandemia.

Continue lendo
5146909 min de leitura

Coronavírus derruba Ibovespa e “surpreende” investidores

Esse é aquele "inesperado" que acontece de vez em quando. Veja o que fazer com seus investimentos.

Continue lendo
8875717 min de leitura

Queda da Taxa Selic: como a redução dos juros afeta seus investimentos

A meta da Selic atingiu um patamar histórico. Mais uma vez, os "influenciadores" fazem alarde e as pessoas ficam inseguras: preciso mudar minha carteira? Faz sentido investir em Tesouro Selic, se as perspectivas são de queda?

Continue lendo

Autores

Pedro é gestor de recursos credenciado pela CVM e responsável pela engenharia financeira das carteiras inteligentes na Vérios. Trabalha há anos no mercado financeiro, tendo atuado por alguns anos em uma das maiores gestoras de recursos do Brasil. É também editor no Terraço Econômico, maior portal independe de economia do país, formado em Economia pela Unicamp e com passagem na Universidade do Porto, em Portugal.

CEO da Vérios, a fintech que te ajuda a fazer investimentos inteligentes, de forma fácil, rentável e segura. Pode confiar. Felipe conta com mais de 12 anos de atuação no mercado financeiro, e em 2011 cofundou o site Comparação de Fundos, primeiro a dar transparência a mais de 15 mil fundos de investimento. É advogado pela USP e pós-graduado em Finanças Corporativas e Investment Banking pela FIA.

Comentários