3 indicadores econômicos para acompanhar seus investimentos

Juros, inflação, Ibovespa

Todos os dias o noticiário econômico traz conceitos que formam uma sopa de letrinhas em nossas cabeças, não é mesmo? Se você não é economista como eu e não trabalha no mercado financeiro, não precisa saber traduzir todas aquelas siglas e nomes na ponta da língua.

No entanto, alguns conceitos podem ter um impacto maior do que você imagina na sua vida e nos seus investimentos. É CDI pra cá, IPCA pra lá, o Ibovespa subindo e descendo… Veja a seguir quais são os três principais indicadores econômicos que você deve conhecer e ter como referência para seus investimentos (e o essencial que você precisa conhecer sobre cada um deles).

1. Juros

Selic

A taxa de juros básica do Brasil é a Selic, fixada na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) a cada 45 dias. As demais taxas de juros aplicadas no Brasil – como as taxas do seu cartão de crédito e de empréstimos para empresas, por exemplo – também estão relacionadas à Selic. Por isso, você sente no bolso as flutuações do juros.

Em janeiro de 2015, o Copom aumentou mais uma vez a taxa de juros, chegando em 12,25% ao ano. Isso significa, por exemplo, que ao fazer uma compra a crédito com juros, as parcelas serão mais altas.

Quando o juros de um país sobe, é possível alcançar um rendimento maior com o mínimo de risco possível

Agora vamos pensar em investimentos. Quando a taxa básica de juros de um país sobe, os investidores conseguem alcançar um rendimento maior com o mínimo de risco possível – por exemplo, com as Letras Financeiras do Tesouro (LFTs), tipo de título público que acompanha a Selic.

CDI

Na hora de avaliar seus investimentos, é comum comparar a rentabilidade com o CDI, que também se relaciona à Selic. O Certificado de Depósito Interbancário representa a taxa pela qual bancos e instituições financeiras emprestam dinheiro umas às outras.

Funciona assim: no final do dia, os bancos devem estar com os saldos zerados em suas tesourarias. Dessa forma alguns vão precisar obter dinheiro e outros vão emprestar dinheiro. A taxa pela qual essas transações diárias são realizadas é o que chamamos de CDI. Ela varia diariamente e tem como base a Selic.

Como os depósitos interbancários são um processo realizado diariamente e de forma segura, a taxa média diária do CDI é usada como referencial para o custo do dinheiro. Por isso, o CDI é um parâmetro utilizado para avaliar a rentabilidade de outros ativos, como fundos e LCIs.

2. Inflação (IPCA e IGP-M)

A tão temida inflação reflete o aumento do nível de preços, ou seja, o quanto um conjunto de bens e serviços ficou mais caro em um determinado período. Quando tratamos de investimentos, a inflação é um indicador que precisa ser olhado com atenção, uma vez que ela determina o ganho real da sua aplicação.

Por exemplo, se em um determinado ano os seus investimentos renderam 12% e a inflação foi de 6% no mesmo período, significa que metade dos ganhos cobriram apenas a variação dos preços (ajuste à inflação). Seu ganho real teria sido de 6%1.

A inflação precisa ser olhada com atenção, pois ela determina o ganho real da sua aplicação

Existem diversos indicadores de inflação, mas os principais são o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M).

 

IPCA

É o índice oficial de inflação do Brasil. As metas de inflação do Banco Central e todas as medidas de controle inflacionário consideram o IPCA. O índice é calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e reflete o custo das famílias que ganham entre 1 e 40 salários mínimos de diversas capitais brasileiras.

IGP-M

Quando foi criado, o índice tinha como objetivo balizar as correções monetárias de alguns títulos públicos. Hoje em dia, o índice é utilizado para a correção dos contratos de aluguel e de algumas tarifas, como energia elétrica. O índice é calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e leva em consideração outros três índices de inflação.

3. Ibovespa

O Índice Bovespa é o mais disseminado indicador do desempenho médio das ações da bolsa de valores de São Paulo, a BM&F Bovespa. Tem como objetivo medir o comportamento dos papéis principais empresas com ações negociadas na bolsa brasileira.

O Ibovespa permite comparar os rendimentos da sua carteira com a carteira considerada “de mercado”. Mas tenha cuidado com o viés do índice

No mercado de ações, existem diversos perfis de investidores, desde aquele que conhece o negócio da empresa investida, até aquele que tenta captar movimentos de curtíssimo prazo (até segundos!) dos papéis.

Para os investidores que buscam uma aplicação de longo prazo no mercado de ações, seja com um único papel ou com ações de um setor, o Ibovespa serve de termômetro, já que possibilita a comparação dos rendimentos da carteira do investidor com a carteira considerada de mercado.

Apesar da popularidade do Ibovespa, ele pode ser um pouco enviesado por ser alvo de especulação. Por isso, considere também outros índices que refletem o desempenho real das empresas na economia, como o IBrX.

1 Fizemos um arredondamento. O ganho real seria de 5,66%.

Categorias: Economia, Indicadores econômicos