Postado em: Economia, Tipos de investimentos>Ações, Tipos de investimentos>Fundos de investimento>Fundos de ações Por:
25 de setembro de 2013 Ultima atualização: 17 de agosto de 2018

A queda da OGX, contada por um fundo de investimento

25 de setembro de 2013

Desde a abertura do capital, a OGX mantinha quase 100% de suas reservas financeiras guardadas em um fundo de investimento, o OGX63. Analisando a evolução do patrimônio deste fundo, percebemos que ele conta a história da companhia. 

Fase 1: início do fundo e aporte do IPO

O OGX 63 Multimercado Crédito Privado – Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento foi criado em dezembro/2007 com dinheiro da própria companhia, proveniente do seu capital social e financiamentos privados e públicos. Ainda não existiam os recursos dos acionistas minoritários que investiram na companhia por meio da bolsa de valores.

Com a abertura de capital, as ações da OGX começaram a ser negociadas na bolsa de valores no dia 13/06/2008. Seguindo o que estava no prospecto, os recursos provenientes da venda dessas ações ingressaram no caixa da companhia no dia 17/06/2008. Entre os dias 17/06 e 02/07/2008, o fundo OGX63 recebeu aportes num valor total de pouco mais de R$ 6,44 bilhões.

Quase todo o dinheiro levantado com o IPO foi destinado ao OGX63

Do valor total, R$ 5,64 bilhões correspondem ao valor da oferta inicial e R$ 803 milhões correspondem à oferta complementar que o Banco Credit Suisse tinha direito de adquirir por ser o Coordenador Líder da oferta. Por isso podemos afirmar que quase todo o dinheiro levantado com o IPO foi destinado ao OGX63.

O ingresso dos recursos no OGX63 marca o fim do período 1 no gráfico abaixo, com o rápido salto no patrimônio do fundo.

Gráfico da evolução do patrimônio do fundo OGX 63 Multimercado Crédito Privado

Fase 2: crise de 2008 e consumo moderado dos recursos

No início da fase 2 no gráfico acima, a empresa chegou a ter mais de R$ 7,5 bilhões no fundo OGX63. Nesse momento, o projeto de operação da companhia ainda enfrentava etapas burocráticas. O consumo de caixa era irrelevante, e o patrimônio do fundo conseguia crescer, graças à rentabilidade.

A crise de 2008 atingiu o seu ápice poucos meses depois da abertura de capital. Apesar de não haver relatos de problemas operacionais na companhia, o preço da ação da OGX negociada na bolsa de valores despencou, perdendo cerca de 80% do valor.

Em 2009, o consumo de caixa da empresa começa a acelerar, porém ainda dentro do esperado pelo mercado. Ao longo de 2009 e 2010, o valor da ação se recupera, junto com a recuperação do mercado em geral. A OGX continua consumindo suas disponibilidades financeiras, mas o ritmo é considerado aceitável.

Depois terem amargurado um preço de R$ 2,50 por ação, os investidores da OGX assistem a recuperação da cotação, e o papel atinge um pico recorde de R$ 23,39. Nesse momento, a OGX ainda possuía cerca de R$ 4,8 bilhões no fundo OGX63.

Fase 3: queima de caixa e adiamento da produção

No começo de 2011, a companhia acelera os gastos e o consumo dos recursos em caixa. Os investidores começam a se questionar se a OGX vai ter fôlego financeiro para se manter em funcionamento até que a extração de petróleo comece a gerar faturamento. As receitas provenientes da venda de petróleo precisariam superar as despesas e permitir o crescimento do caixa, para que finalmente a empresa se tornasse operacional e financeiramente viável.

Em 2011, o consumo de caixa da empresa começa a acelerar e gera dúvidas sobre a sua viabilidade

Diversos atrasos para o início da produção fizeram com que o valor da ação caísse para R$ 9,09 e o caixa da empresa atingisse um perigoso patamar de menos de R$ 2 bilhões.

Fase 4: produção de petróleo

A produção da OGX começou em fevereiro de 2012, porém o mercado vinha antecipando esse acontecimento há cerca de três meses. As ações dobraram de preço em pouco mais de um semestre, chegando a R$ 18,41 por ação.

A companhia assinou também contratos de venda com a Shell. Supomos que esses contratos devem ter previsto alguns pagamentos antecipados, pois o patrimônio do fundo mostrou alguns sinais de recuperação antes mesmo do início da produção de petróleo. Em maio de 2012, o OGX63 tinha saído do patamar de R$ 1,4 bilhões e alcançado R$ 2,3 bilhões em patrimônio.

Fase 5: problemas operacionais e derrocada

A esperança de recuperação durou pouco. Nos meses seguintes a companhia enfrentou novos problemas técnicos e operacionais. A produção não crescia no ritmo esperado e prometido. Pelo contrário, a empresa estava extraindo menos petróleo do que extraiu nos primeiros meses de operação.

A companhia se viu em uma situação sem saída. Não havia caixa para continuar a produzir; sem produção não conseguia gerar caixa; com dificuldades operacionais e já cheia de dívidas, não conseguia levantar empréstimos. A situação só piora e seu principal porta-voz, Eike Batista, perde credibilidade, o que afasta ainda mais qualquer possibilidade de capitalização.

Restam menos de R$ 200 milhões no fundo OGX63 e pouquíssima perspectiva de melhoras operacionais. Na última fase, preço por ação passa a apresentar uma grande correlação com a quantidade de dinheiro em caixa – o mercado passa a considerar que as perspectivas de geração de valor são pequenas.

Este artigo foi útil para você?
A queda da OGX, contada por um fundo de investimento
5 (100%) 1 vote

25 de setembro de 2013
Ultima atualização: 17 de agosto de 2018

Você pode gostar também…

94 3 4 min de leitura

Preços-alvo de corretoras: um exército de zumbis

Com o advento do home broker, comprar e vender ações tornou-se muito fácil e barato. Qualquer pessoa pode fazê-lo. Porém, investir em ações vai muito além de comp...

Continue lendo
89 3 4 min de leitura

Como seria o Ibovespa se não houvesse tanta especulação

O Índice Bovespa ou Ibovespa é o indicador mais utilizado para medir as oscilações da Bolsa de Valores de São Paulo, porém sua metodologia de cálculo envolve ajust...

Continue lendo
54 N/A 3 min de leitura

Com juros em alta, fundos de ações valem a pena?

– Este artigo reflete a opinião do autor convidado. – O investimento em bolsa nunca fez sucesso entre os consultores financeiros. No cenário atual de elevação da ...

Continue lendo
384 17 6 min de leitura

Investimento da moda: a boa oportunidade que já passou

No dicionário, moda é o valor ou comportamento que mais se repete. É uma palavra comum na análise estatística de bases amostrais, e também nas discussões do dia a ...

Continue lendo
396 19 8 min de leitura

6 comportamentos financeiros que você deveria abandonar

Estudando o processo de tomada de decisões de investimento e experiências anteriores de nossos clientes, identificamos seis comportamentos financeiros que podem lhe cau...

Continue lendo

Autores

Um dos cofundadores da Vérios, Resende é gestor de recursos credenciado pela CVM e especialista em Data Science

CEO da Vérios, a fintech que te ajuda a fazer investimentos inteligentes, de forma fácil, rentável e segura. Pode confiar. Felipe conta com mais de 10 anos de atuação no mercado financeiro, e em 2011 cofundou o site Comparação de Fundos, primeiro a dar transparência a mais de 15 mil fundos de investimento. É advogado pela USP e pós-graduado em Finanças Corporativas e Investment Banking pela FIA.

Comentários