Postado em: Economia>Economia em 5 minutosPor:
11 de Fevereiro de 2015 Ultima atualização: 17 de agosto de 2018

Ano novo, despesas novas

11 de Fevereiro de 2015

— Relatório referente ao mês de janeiro de 2015 —

Todo começo de ano temos que nos preparar para gastos extras, como o IPVA e o IPTU, entre tantas outras contas a pagar, não é mesmo? A novidade é que, em 2015, mais alguns reajustes vieram a rebote.

Energia

Em janeiro, os empréstimos realizados em 2014 pelo governo federal para socorrer as distribuidoras de energia elétrica começam a ser repassados aos consumidores. Além disso, o esquema de bandeiras tarifárias lançado em janeiro aumenta o custo da energia quando as usinas térmicas são acionadas – o que deve perdurar por um longo tempo com a crise hídrica. Em alguns casos, o aumento da conta de luz chegou a 40%.

Combustíveis

E não é só a energia que vai pesar mais no bolso. A nova equipe econômica anunciou a volta da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (CIDE) sobre a gasolina e o diesel, o que eleva os preços dos combustíveis. Aliás, em 2014 o preço do barril de petróleo no mercado internacional caiu 48%. Isso se refletiu numa queda de 45% no preço da gasolina nos Estados Unidos no segundo semestre. Por aqui, os consumidores também viram um reajuste: pra cima.

Apenas em janeiro, inflação de 1,24%

Muita famílias já podem sentir os efeitos do chamado “pacote de maldades”. O IPCA1 de janeiro avançou 1,24% e pode ter impacto nos meses subsequentes. Apenas como base de comparação, no mesmo mês de 2014, o índice aumentou em 0,55%. A meta de inflação, definida pelo Banco Central, é de 4,5%. Se analisarmos os últimos 12 meses, temos um acumulado de 7,14%, percentual bastante superior ao teto definido pela autoridade monetária, de 6,5%.

See the Pen IPCA Janeiro 2014-15 by Vérios Investimentos (@verios) on CodePen.

Evolução da inflação medida pelo IPCA em 2015

Um peso e duas medidas

Despesas do orçamento doméstico como planos de saúde e mensalidades escolares são reajustadas de acordo com a inflação, em geral tomando o IPCA como referência. O mesmo não será aplicado para o reajuste da tabela do Imposto de Renda, que determina o limite de isenção. A presidente Dilma vetou a correção de 6,5%, aprovada pelo Congresso em dezembro, e o reajuste ficou em apenas 4,5%. Enquanto os demais gastos da população aumentam com a aceleração da inflação, o reajuste do Imposto de Renda seguiu o centro da meta.

Como falamos no Economia em 5 Minutos de dezembro, o governo se esforça para acertar as contas públicas em 2015. Por enquanto, o caminho escolhido tem sido o bolso do contribuinte.

1. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo é o índice oficial de inflação do Brasil. As metas de inflação do Banco Central e todas as medidas de controle inflacionário consideram o IPCA. O índice é calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e reflete o custo das famílias que ganham entre 1 e 40 salários mínimos de diversas capitais brasileiras.

 

Este artigo foi útil para você?
Ano novo, despesas novas
Seja o primeiro a avaliar!

Compartilhe:
11 de Fevereiro de 2015
Ultima atualização: 17 de agosto de 2018

Você pode gostar também…

22314 min de leitura

4 riscos que ameaçam a rentabilidade dos seus investimentos

Você sabe que nossas decisões de investimento não devem ser baseadas apenas em rentabilidade, não sabe? Temos que pensar em nossos objetivos, no nível de risco que t...

Continue lendo
770218 min de leitura

6 comportamentos financeiros que você deveria abandonar

Estudando o processo de tomada de decisões de investimento e experiências anteriores de nossos clientes, identificamos seis comportamentos financeiros que podem lhe cau...

Continue lendo

Autores

Economista pela Unicamp com Certificação de Gestores Anbima (CGA) e programadora nas horas vagas, Aninha foi Head de Customer Experience na Vérios e ajudou a construir nosso modelo de atendimento próximo e eficiente, que se tornou referência no mercado financeiro

Comentários