Como escolher um fundo de investimento

Difícil escolher

Você já passou por isso: precisa investir, mas não sabe qual é a melhor opção.

Você recebe uma recomendação do gerente ou consultor no seu banco, uma dica de um amigo, encontra outras sugestões na internet. Mas… como saber se essas dicas são boas? Quais são as informações que você deve conferir antes de decidir?

O objetivo deste guia é ensinar rapidamente 6 conceitos que você precisa entender antes de investir. E mostrar que as informações estão disponíveis gratuitamente – você só precisa saber o que está procurando. Ele foi montado utilizando 6 artigos curtos da Vérios, que ensinam a avaliar cada um dos 6 conceitos.

  1. horizonte de investimento
  2. rentabilidade (absoluta e relativa)
  3. consistência
  4. risco (e duas medidas de risco)
  5. custos 
  6. liquidez

Antes de começar!

Primeiro, é importante saber que existem outros caminhos para investir. Fundos são apenas uma gota num oceano de possibilidades. Para este artigo, vamos trabalhar com a hipótese de que você já decidiu investir em fundos – e aí descobriu que dentro dessa gota existe também uma infinidade de opções.

Sim, são hoje mais de 14 mil fundos de investimento no Brasil. Mas não se desespere! Escolher pode parecer difícil, mas não é tão complicado.

Defina um objetivo 

O primeiro passo para qualquer investimento é decidir o seu objetivo. Qual é a finalidade desse dinheiro? Isso é muito importante, pois tem impacto direto sobre como você deverá encarar vários dos outros indicadores. 

Se você ainda não tem nenhum objetivo claro, saiba que todo mundo deve ter pelo menos dois objetivos em mente:

  • uma reserva para emergências
  • uma reserva para a aposentadoria

Cada uma delas tem um perfil de investimento diferente.

Emergência

Os especialistas recomendam que a reserva de emergência seja suficiente para pagar todas as suas contas por um período de 4 a 6 meses. 

Esse dinheiro você vai usar para não se endividar em caso de imprevistos, como a perda do emprego ou uma emergência médica. Por isso, ele precisa ficar em um investimento conservador: com baixo risco e alta liquidez. Assim, você pode sacar rapidamente quanto precisar, sem prejuízos.

Aposentadoria

A reserva para aposentadoria tem características muito diferentes, pois vai ser utilizada somente no longo prazo. Mesmo para quem tem previdência social e/ou privada, ela pode ser um complemento importante para manter seu padrão de vida. 

Nessa reserva, a liquidez não é tão importante. O foco principal é obter uma boa rentabilidade de longo prazo, dentro de um perfil de risco com o qual você fique confortável. 

Vamos começar as escolhas

Para acompanhar os artigos que compõem esse guia, escolha apenas um desses objetivos, e tente identificar quais características um investimento deve ter para ser adequado ao objetivo escolhido. Depois, você pode reler o guia pensando em outros objetivos. 

Preparado? Pegue uma folha de papel e anote o objetivo escolhido. Depois, a cada conceito aprendido, anote no mesmo papel as características que você quer encontrar em um fundo.

Mãos à obra!

  1. Definindo o prazo dos seus investimentos
  2. Rentabilidade absoluta e relativa 
  3. Consistência 
  4. Risco e volatilidade 
  5. Custos ou taxas dos fundos de investimento
  6. Liquidez 

Boa leitura!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+

Felipe é cofundador e CEO da Vérios. Atuou por 7 anos como agente de investimento credenciado pela CVM e Ancord e cofundou o site Comparação de Fundos, primeiro a dar transparência a mais de 15 mil de fundos de investimento. Felipe é advogado pela USP e especialista pós-graduado em Finanças Corporativas e Investment Banking pela FIA.