Comprar ou alugar um imóvel? Aqui está o que você deve considerar

comprar-ou-alugar-imovel

Brasileiro é mesmo um povo louco por casa. Casa para curtir, casa pra morar, casa de praia, casa pra dar festa… casa para diversificar a carteira de investimentos, casa como o investimento seguro.

Para nós latinos, de uma maneira geral, casa remete a conforto, segurança, posse, status, realização financeira. Isso porque fomos por muito tempo um país-colônia, e a terra era o sinônimo de riqueza mais palpável. Mas não dá pra generalizar.

Os jovens de hoje, enquadrados nas gerações Y em diante, não têm essa referência tão clara como as gerações anteriores. Para eles, liberdade é um valor tão precioso ou ainda mais valioso que a segurança e neste caso, “imobilizar” dinheiro com uma casa para morar é incômodo. Para esse jovem, liquidez é importante. O dinheiro precisa estar disponível caso precise mudar de emprego, estudar fora, viajar, mudar de cidade ou até mesmo de país. Veja se não é o seu caso!

Não vale a pena investir em um imóvel grande pensando em uma família grande no futuro

Ainda quando pensamos no imóvel em que vamos morar, além de caber no bolso, as características que buscamos nele são mais pessoais, têm a ver com o nosso estilo de vida, a localização tem que “dar conta” da nossa rotina diária da nossa família.

Falando em família, o tamanho da sua família já está definido?

Não vale a pena investir em um imóvel grande pensando em uma família grande no futuro. Busque um imóvel menor que atenda suas necessidades hoje e vá juntado recursos para comprar um imóvel maior no futuro, com uma entrada mais polpuda, ou quem sabe à vista, com um bom desconto?

Para aqueles que cresceram ouvindo que o imóvel é o investimento mais seguro, muita calma nessa hora!

simulação do investimento

O que considerar se você estiver pensando em comprar um imóvel

Você possui outros investimentos e aplicações financeiras e o imóvel faz parte da diversificação de uma carteira com liquidez?

Em caso afirmativo, pode ser uma boa alternativa, sim. Caso contrário, juntar todas as economias para investir em um imóvel — acredite — é um risco danado.

Vamos listar alguns pontos para reflexão:

Imóvel não tem liquidez

Isso significa dizer que, em um caso de emergência, dificilmente você conseguirá com rapidez ter o dinheiro na mão, a não ser que reduza bastante o preço na hora da venda. Ainda assim, vender ou alienar um imóvel não é uma atividade que se revolva em D0, ou D+1, por exemplo, como aplicações atreladas à taxa Selic ou ao CDI.

Imóvel deprecia com o uso

Você terá gastos com a manutenção. E nem estamos falando aqui de modernização.

Prepare-se para as despesas mensais

Se o imóvel foi comprado para você alugá-lo, tenha em mente que, caso fique vazio, você terá de arcar com as suas despesas mensais e condomínio (se houver).

Considere os riscos de desvalorização

Se você busca segurança e estabilidade, pense que algumas situações podem fazer com que o preço de um imóvel mude da noite para o dia, como ações na bolsa de valores.

Um exemplo: você compra um imóvel com vista para o mar. Se construírem um prédio obstruindo a vista, seu imóvel desvaloriza. Por outro lado, se construírem um metrô ou um shopping center, ele pode valorizar bastante. Procure o plano piloto da sua cidade no site da prefeitura. Normalmente, grandes obras estão nesse documento, que pode ser um guia interessante.

Garagem e feira 🚗🍌🍅

Garagem é um assunto tenso. Tem vaga? A vaga é marcada ou é sorteio?

Outra questão importante: feira livre. Certifique-se, antes de fechar negócio, de que a rua não tem feira livre que dificulte a entrada e saída de casa. Isso pode ser um problemão.

Prédios antigos

Prédios antigos normalmente demandam mais gastos com manutenção, o que pode significar altas taxas de condomínio. Muitas vezes, excelentes apartamentos têm aluguéis relativamente baratos em função da despesa com o condomínio.

Pets 🐶

Em caso de condomínio, verifique se há alguma restrição com animais de estimação. Independentemente de você estar comprando o imóvel para alugar ou para morar, essa é uma questão é decisiva para famílias que possuem pets.

Coloque esses e todos os outros pontos que você lembrar na balança.

Imóvel é um bom investimento?

Quando compramos um imóvel com o objetivo de investimento, esperamos no mínimo que ele valorize e que seu aluguel tenha uma rentabilidade interessante.

Atualmente, um imóvel residencial bem alugado rende 0,5% ao mês (bruto). Ou seja, se você possui um imóvel de R$ 500.000,00, teria uma renda de aluguel de R$ 2.500,00.

Financeiramente falando, aplicar o dinheiro e morar de aluguel atualmente é mais vantajoso

Vivemos em um país que tem uma das maiores taxas de juros do planeta! Conseguimos investimentos financeiros com melhor liquidez, rentabilidade superior à de um aluguel médio e com menor risco de desvalorização.

Financeiramente falando, e pensando somente no aspecto da rentabilidade, aplicar o dinheiro e morar de aluguel atualmente é mais vantajoso.

Imóveis comerciais

Se a ideia é investir em um imóvel comercial para alugar, essa opção tende a ser mais interessante.

Primeiro, porque as rentabilidades dos aluguéis comerciais são um pouco melhores que as dos imóveis residenciais. Segundo, porque um imóvel comercial geralmente tem uma manutenção melhor (afinal, é um espaço para receber clientes, e o inquilino não tem interesse em mudar de ponto).

A valorização dos preços de imóveis que tivemos de 2008 a 2013 em algumas cidades brasileiras foi sem dúvida espetacular, mas não nos parece que vai acontecer novamente tão cedo.

Pense com carinho e com muita calma antes de dar um passo à frente, essa é uma importante decisão.

Buscar a ajuda de um planejador financeiro pode ser interessante: ele tem conhecimento técnico, não está envolvido emocionalmente na sua decisão e, além disso, terá a maior satisfação em ajudar!

 

banner-calculadora-objetivos

Categorias: Avançado, Intermediário, Planejamento pessoal
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+

Paula Sauer é planejadora financeira CFP® e autora convidada do blog da Vérios. Economista, cursa o Mestrado em Finanças Comportamentais na PUC-SP e participa do conselho editorial do Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros

  • William Soares

    Morar de aluguel por mais de 30 anos seria vantagem? Creio que a compra de um imóvel com baixo valor é sim uma boa segurança (E acredito fielmente que isso é necessário). Lembrando para quem é CLT, você tem seu FGTS (Que é uma boa maneira de servir como entrada) e o valor das prestações vai quase se igualar ao valor pago nos aluguéis). Deixar o FGTS rendendo “nada” por ano ou investir em um apartamento “simples” e ter um bem para seus filhos? Creio que é possivel comprar um apartamento e continuar a investir.
    Obs.: Atualmente a lei brasileira permite que seja utilizado o próprio FGTS para amortizar e em pesquisas recentes foi dito que o brasileiro demora em média 6 a 10 anos para quitar seu primeiro apartamento.

    Esse raciocínio é para quem é da classe média, agora se você tem uma boa herança ou mais de 250 mil em mãos, a historia muda completamente.

    • Paula Sauer

      Olá William, obrigada pela leitura e pelo comentário! Os comentários são extremamente importantes para quem escreve! Quando fizemos esse texto sob a abordagem das finanças comportamentais, esperávamos exatamente comentários com outras visões, acrescentando ainda mais aspectos que devem ser levados em consideração. Enriquece muito o texto original! Você abordou um aspecto super interessante, que é a utilização do FGTS, e faz bastante sentido para quem possui e deve ser considerado com bastante atenção quanto a sua utilização, pois possui regras bastante específicas! Paula Sauer

    • Guilherme Lessa

      Tenho estudado um pouco a geração Y temos que considerar que as novas gerações pensam exatamente o contrário do que comentas. Esse é o nosso modelo mental não o deles. Por exemplo, deixar apartamento para os filhos? Não faz o menor sentido para as novas gerações. Não querem comprar nem carro, nem bicicleta para terem que cuidar (e aparentemente estão certos) imagina ficar pagando um AP de 6 a 10 anos. Segurança de um Apartamento? Pesquisei pessoas que ganharam apartamentos de seus pais e em 6 meses venderam e mudaram para a Austrália. Porque ficariam com um apartamento no Brasil atrapalhando a vida? FGTS para amortizar a compra é uma boa, mas para isso a geração Y deveria ter um emprego regular que resultasse em algum FGTS. Eles não querem emprego regular e é muito provável que nunca venham a trabalhar na forma que conhecemos. Então para eles não existe qualquer lógica em falar de FGTS (é como falar em pousar na Lua, não interessa em nada). Enfim, para ajudar a atrapalhar a reflexão. Abs.

      • Oi, Guilherme. Tudo joia? Agradeço imensamente o comentário. Ótima reflexão e está totalmente alinhado com a minha iniciativa – não apenas a minha e as outras pessoas da geração Y. Vejo claramente esta distinção dentro de casa. Eu tenho um irmão de 42 anos (geração X) que tem uma outra visão de vida. El jamais venderia o carro para andar de bike, assim como acredita que a casa que ele comprou é um grande bem e não “prejuízo” rs Somos irmãos, criados dentro da mesma ética familiar, porém de gerações diferentes. Os 8 anos que nos separam mostram bem a forma distinta como vemos a vida. Abs

  • Visitante

    A autora disse verdades, mas, ao levar em conta que o rendimento dos imóveis é de apenas 0,5%, ela desconsiderou a valorização que grande parte dos imóveis tem no decorrer do tempo (nesse caso, a inflação está a favor do investidor). Tendo isso em mente, muitas vezes até o temido financiamento pode acabar sendo uma alternativa melhor, do ponto de vista financeiro e no longo prazo, do que o aluguel. Segundo dados do Banco Central (IVG-R), nos últimos 15 anos o valor dos imóveis aumentou em média 470%! “Ou seja, um imóvel de 100 mil em 2001 hoje estaria custando por volta de 570 mil.” Este artigo fala um pouco disso: http://casaldesucesso.com/comprar-ou-alugar-imovel

    Abraços

    • Paula Sauer

      Olá leitor, obrigada pela leitura do artigo e comentário! Significa que o texto te levou a reflexão, esse é o nosso maior objetivo! Quando menciono a rentabilidade, estamos ali tratando da rentabilidade bruta e média de um aluguel. No texto quando falamos em valorização dos imóveis, observamos também essa valorização dos preços, mas vamos chamar sempre a atenção, de que é preciso observar prazos e objetivos, para não levarmos sustos. No prazo da sua análise, sem dúvida foi um sucesso, mas nós como planejadores financeiros sempre precisamos chamar a atenção quanto a oscilação de preços em relação a prazos. Quanto menor o prazo, maior o risco da oscilação de preços. Vamos imaginar agora, um outro cenário, mais curto por exemplo: De 2013 a 2015, os preços tiveram queda, se um indivíduo comprou como investimento e vendeu nesse intervalo, provavelmente teve prejuízo percebe? Muito obrigada por sua observação, certamente ela também levou outros leitores a reflexão! Paula Sauer

  • Fritz

    Um dos melhores artigos que já li aqui no Blog.
    Parabéns.

    • Isabella Paschuini

      Obaaa! Em nome de toda a equipe Vérios, muito obrigada, Fritz!

      Queremos trazer cada vez mais conteúdos incríveis e úteis pra você 🙂

    • Paula Sauer

      Pensa numa pessoa boba! Toda orgulhosa! Que bom que você gostou! Escrevo com um imenso carinho e com o intuito de contribuir! Fiquei muito feliz com um elogio tão bacana! Agradeço!!