Brasileiro é mesmo um povo louco por casa. Casa para curtir, casa pra morar, casa de praia, casa pra dar festa... casa para diversificar a carteira de investimentos, casa como o investimento seguro.

Para nós latinos, de uma maneira geral, casa remete a conforto, segurança, posse, status, realização financeira. Isso porque fomos por muito tempo um país-colônia, e a terra era o sinônimo de riqueza mais palpável. Mas não dá pra generalizar.

Os jovens de hoje, enquadrados nas gerações Y em diante, não têm essa referência tão clara como as gerações anteriores. Para eles, liberdade é um valor tão precioso ou ainda mais valioso que a segurança e neste caso, “imobilizar” dinheiro com uma casa para morar é incômodo. Para esse jovem, liquidez é importante. O dinheiro precisa estar disponível caso precise mudar de emprego, estudar fora, viajar, mudar de cidade ou até mesmo de país. Veja se não é o seu caso!

Não vale a pena investir em um imóvel grande pensando em uma família grande no futuro

Ainda quando pensamos no imóvel em que vamos morar, além de caber no bolso, as características que buscamos nele são mais pessoais, têm a ver com o nosso estilo de vida, a localização tem que “dar conta” da nossa rotina diária da nossa família.

Falando em família, o tamanho da sua família já está definido?

Não vale a pena investir em um imóvel grande pensando em uma família grande no futuro. Busque um imóvel menor que atenda suas necessidades hoje e vá juntado recursos para comprar um imóvel maior no futuro, com uma entrada mais polpuda, ou quem sabe à vista, com um bom desconto?

Para aqueles que cresceram ouvindo que o imóvel é o investimento mais seguro, muita calma nessa hora!

banner-poupancaO que considerar se você estiver pensando em comprar um imóvel

Você possui outros investimentos e aplicações financeiras e o imóvel faz parte da diversificação de uma carteira com liquidez?

Em caso afirmativo, pode ser uma boa alternativa, sim. Caso contrário, juntar todas as economias para investir em um imóvel -- acredite -- é um risco danado.

Vamos listar alguns pontos para reflexão:

Imóvel não tem liquidez

Isso significa dizer que, em um caso de emergência, dificilmente você conseguirá com rapidez ter o dinheiro na mão, a não ser que reduza bastante o preço na hora da venda. Ainda assim, vender ou alienar um imóvel não é uma atividade que se revolva em D0, ou D+1, por exemplo, como aplicações atreladas à taxa Selic ou ao CDI.

Imóvel deprecia com o uso

Você terá gastos com a manutenção. E nem estamos falando aqui de modernização.

Prepare-se para as despesas mensais

Se o imóvel foi comprado para você alugá-lo, tenha em mente que, caso fique vazio, você terá de arcar com as suas despesas mensais e condomínio (se houver).

Considere os riscos de desvalorização

Se você busca segurança e estabilidade, pense que algumas situações podem fazer com que o preço de um imóvel mude da noite para o dia, como ações na bolsa de valores.

Um exemplo: você compra um imóvel com vista para o mar. Se construírem um prédio obstruindo a vista, seu imóvel desvaloriza. Por outro lado, se construírem um metrô ou um shopping center, ele pode valorizar bastante. Procure o plano piloto da sua cidade no site da prefeitura. Normalmente, grandes obras estão nesse documento, que pode ser um guia interessante.

Garagem e feira ???

Garagem é um assunto tenso. Tem vaga? A vaga é marcada ou é sorteio?

Outra questão importante: feira livre. Certifique-se, antes de fechar negócio, de que a rua não tem feira livre que dificulte a entrada e saída de casa. Isso pode ser um problemão.

Prédios antigos

Prédios antigos normalmente demandam mais gastos com manutenção, o que pode significar altas taxas de condomínio. Muitas vezes, excelentes apartamentos têm aluguéis relativamente baratos em função da despesa com o condomínio.

Pets ?

Em caso de condomínio, verifique se há alguma restrição com animais de estimação. Independentemente de você estar comprando o imóvel para alugar ou para morar, essa é uma questão é decisiva para famílias que possuem pets.

Coloque esses e todos os outros pontos que você lembrar na balança.

Imóvel é um bom investimento?

Quando compramos um imóvel com o objetivo de investimento, esperamos no mínimo que ele valorize e que seu aluguel tenha uma rentabilidade interessante.

Atualmente, um imóvel residencial bem alugado rende 0,5% ao mês (bruto). Ou seja, se você possui um imóvel de R$ 500.000,00, teria uma renda de aluguel de R$ 2.500,00.

Financeiramente falando, aplicar o dinheiro e morar de aluguel atualmente é mais vantajoso

Vivemos em um país que tem uma das maiores taxas de juros do planeta! Conseguimos investimentos financeiros com melhor liquidez, rentabilidade superior à de um aluguel médio e com menor risco de desvalorização.

Financeiramente falando, e pensando somente no aspecto da rentabilidade, aplicar o dinheiro e morar de aluguel atualmente é mais vantajoso.

Imóveis comerciais

Se a ideia é investir em um imóvel comercial para alugar, essa opção tende a ser mais interessante.

Primeiro, porque as rentabilidades dos aluguéis comerciais são um pouco melhores que as dos imóveis residenciais. Segundo, porque um imóvel comercial geralmente tem uma manutenção melhor (afinal, é um espaço para receber clientes, e o inquilino não tem interesse em mudar de ponto).

A valorização dos preços de imóveis que tivemos de 2008 a 2013 em algumas cidades brasileiras foi sem dúvida espetacular, mas não nos parece que vai acontecer novamente tão cedo.

Pense com carinho e com muita calma antes de dar um passo à frente, essa é uma importante decisão.

Buscar a ajuda de um planejador financeiro pode ser interessante: ele tem conhecimento técnico, não está envolvido emocionalmente na sua decisão e, além disso, terá a maior satisfação em ajudar!

 

banner-calculadora-objetivos


Este texto foi útil para você?

Comprar ou alugar um imóvel? Aqui está o que você deve considerar
3.4 (67.5%) 8 votes

Categorias: Avançado, Intermediário, Planejamento pessoal