Postado em: Planejamento pessoal>Plano de investimento, Tipos de investimentos>Fundos de investimento Por:
30 de Janeiro de 2014 Ultima atualização: 17 de agosto de 2018

Custos ou taxas dos fundos de investimento

30 de Janeiro de 2014

Para funcionar, um fundo de investimento depende de diversas instituições. Dentre elas estão os gestores, custodiantes, administradores, auditores, distribuidores e órgãos de fiscalização. Cada uma dessas entidades tem sua própria estrutura e equipe, com os respectivos custos.

A taxa de administração, que remunera a maior parte dessas estruturas, é o principal custo do fundo para quem investe. Fundos de gestão mais complexa costumam cobrar taxas mais altas que fundos mais simples, como os de renda fixa.

Há fundos que cobram também a taxa de performance, geralmente sob a forma de um percentual do rendimento que exceder a meta do fundo.

Custos trabalham contra sua rentabilidade

Os custos trabalham contra a rentabilidade do fundo. Um bom gestor deve ser capaz de gerar ganhos com o seu dinheiro que paguem todos os custos da estrutura e ainda agreguem valor ao seu investimento, acima dos benchmarks de mercado.

No Brasil, a rentabilidade divulgada pelos fundos de investimento já é líquida das taxas de administração e performance, mas alguns fundos possuem ainda outros tipos de taxas.

É o caso, por exemplo, de alguns fundos de previdência que possuem taxas de entrada e/ou de saída, também chamadas de taxas de carregamento. As taxas de carregamento não estão descontadas da rentabilidade divulgada pelos fundos.

Alguns parâmetros para avaliar as taxas

Fundos referenciados DI e de renda fixa e fundos de baixa volatilidade

Devem cobrar as taxas mais baixas, sempre inferiores a 1% ao ano.

Fundos de ações

A taxa mais comum é de 2% ao ano, podendo haver taxa de performance entre 15% e 20% do ganho que exceder o índice de referência, normalmente Ibovespa ou IBr-X. Alguns fundos cobram taxas de administração maiores, mas não cobram (ou não deveriam cobrar!) taxa de performance.

Fundos multimercados

Devem apresentar taxa de administração entre 0,5% e 2% ao ano, dependendo de sua complexidade, admitindo taxa de performance em relação ao CDI.

Em resumo

Em geral, quanto maior a complexidade da gestão, maior a taxa aceitável. Cuidado com a cobrança de taxas elevadas, elas podem minar a rentabilidade do seu investimento.

 ——–
Gostou deste artigo? Ele faz parte de um guia completo, que busca responder uma dúvida muito comum: Como escolher um fundo de investimento? Clique para ler.

Este artigo foi útil para você?
Custos ou taxas dos fundos de investimento
5 (100%) 5 votes

30 de Janeiro de 2014
Ultima atualização: 17 de agosto de 2018

Você pode gostar também…

200 23 6 min de leitura

A única forma garantida de aumentar a sua rentabilidade

Repare numa coisa: em geral, quanto mais pagamos por um produto ou serviço, melhor qualidade obtemos. Costuma ser assim ao comprar um carro, reservar um hotel, um restau...

Continue lendo
1158 56 10 min de leitura

Fundos de investimento: o que são?

Os fundos de investimento são um dos tipos de investimento ou aplicação financeira mais comuns no país. Um fundo reúne os recursos de diversos investidores, chamad...

Continue lendo
126 2 2 min de leitura

Como encontrar as taxas cobradas pelos fundos de investimento

As informações sobre as taxas dos fundos de investimento são públicas e podem ser encontradas na internet. Nesse artigo, explicamos como encontrar o regulamento de um...

Continue lendo
396 19 8 min de leitura

6 comportamentos financeiros que você deveria abandonar

Estudando o processo de tomada de decisões de investimento e experiências anteriores de nossos clientes, identificamos seis comportamentos financeiros que podem lhe cau...

Continue lendo

Autores

CEO da Vérios, a fintech que te ajuda a fazer investimentos inteligentes, de forma fácil, rentável e segura. Pode confiar. Felipe conta com mais de 10 anos de atuação no mercado financeiro, e em 2011 cofundou o site Comparação de Fundos, primeiro a dar transparência a mais de 15 mil fundos de investimento. É advogado pela USP e pós-graduado em Finanças Corporativas e Investment Banking pela FIA.

Comentários