Especial Gestoras: Brasil Plural

O Brasil Plural é um grupo financeiro fundado por ex-sócios do banco Pactual em 2009. Com mais de 300 funcionários distribuídos nos escritórios de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Nova York, o grupo vem crescendo a passos largos.

A história do Brasil Plural já começou robusta, com um aporte inicial do patrimônio dos sócios de R$ 400 milhões. Hoje, o grupo já supera R$ 15 bilhões sob sua gestão, tendo como carros-chefe dos negócios a gestora de recursos e o banco múltiplo, inaugurado há apenas dois anos. Seus principais sócios têm cerca de 20 anos de experiência no mercado e grandes planos de crescimento para o grupo.

Quando tudo começou, a então Plural Capital estava focada em assessoria financeira e gestão de recursos. No entanto, ao criar o grupo, Rodolfo Riechert, André Schwartz, Carlos Eduardo Rocha e Eduardo Moreira almejavam uma atuação mais abrangente. Em respeito a uma cláusula contratual decorrente da saída do Pactual, os sócios não podiam montar um banco de imediato, embora o plano já estivesse traçado.

A fundação do banco de investimento

Com a aquisição do Equity, o Brasil Plural se tornou uma instituição financeira completa e passou a focar na estruturação de operações financeiras de grandes empresas

O pontapé inicial para fundar o banco foi a aquisição da corretora Flow, de Jorge Felipe Lemann (filho de Jorge Paulo Lemann), em 2012. Rebatizada de Brasil Plural, a corretora incrementou seu portfólio de produtos e serviços, e passou a atuar na formação de mercado. Essa atividade é essencial para garantir a liquidez do mercado: o formador se compromete a manter ofertas de compra e venda de forma regular, evitando que ocorram distorções nos preços por falta de negociações. Hoje, o grupo é um dos maiores players no segmento, com 11 contratos – oito deles fazem parte do Ibovespa.

Com a aquisição do banco Equity, no mesmo ano, o Brasil Plural se tornou uma instituição financeira completa, atuando também no levantamento de recursos. Com essa conquista, o principal objetivo do grupo passou a ser a estruturação de operações financeiras, tendo as grandes empresas como alvo.

Sede do Brasil Plural em São Paulo (Crédito: Divulgação/Brasil Plural)

Entretanto, foi preciso mais algum tempo para montar uma operação de banco de investimento com o vigor que o Brasil Plural planejava. A tesouraria, por exemplo, foi estruturada apenas em 2014. A situação do mercado em 2013 – sem ofertas iniciais de ações (IPOs) e com margens baixas nos produtos de renda fixa – também não contribuiu para acelerar o desenvolvimento do banco. Diante disso, a gestão de recursos continua sendo um dos pontos fortes do grupo.

O protagonismo da gestora de recursos

Os volumes alocados em fundos da Brasil Plural Gestão de Recursos totalizam R$ 8,4 bilhões, representando mais da metade do total de recursos sob gestão do grupo. Todos os gestores são sócios, trabalham juntos há pelo menos 10 anos e investem nos mesmos veículos e nas mesmas condições dos clientes. Os princípios que norteiam a atuação da gestora são: excelência, gerenciamento de riscos e alinhamento de interesses.

O portfólio de produtos do Brasil Plural atende a diversos perfis de investidores, contemplando desde fundos referenciados DI até fundos de ações e offshore

A estrutura de análise do Brasil Plural conta com especialistas em Renda Variável, Renda Fixa, Macro e Crédito, que sempre são assessorados pelos economistas da casa. Além dos estudos detalhados que cada equipe faz, as decisões de investimento também passam pelo crivo do head da área, Carlos Eduardo Rocha, e dos demais gestores, sendo deles a palavra final.

Toda essa estrutura possibilita um portfólio de produtos do Brasil Plural atende a diversos perfis de investidores, contemplando desde fundos referenciados DI até fundos de ações e offshore. O objetivo de todos eles é obter um retorno consistente a partir de uma análise fundamentalista e de uma rigorosa política de gerenciamento de risco.

A aquisição da Geração Futuro foi anunciada ainda em 2012, mas dependia da aprovação do Banco Central para ser concluída, o que aconteceu em março deste ano. A identidade da corretora e gestora gaúcha será mantida, mas a ideia é transformá-la em uma boutique de investimentos para o varejo, com predominância de produtos criados pela Geração Futuro e pelo próprio Brasil Plural. Os planos traçados para a Geração vislumbram o alcance de um milhão de clientes nos próximos cinco anos.

Partnership

  • Rodolfo Riechert: CEO do Brasil Plural, Rodolfo é economista formado pela Universidade Cândido Mendes. Foi sócio do banco Pactual de 1998 a 2006. Entre 2006 e 2009, foi o responsável pela área de Investment Banking do UBS Pactual;

  • André Schwartz: Deputy CEO do Brasil Plural, André é economista formado pela PUC-Rio. Começou sua carreira no Pactual em 1990 e tornou-se o sócio mais jovem do banco em 1995, com apenas 25 anos. Em sua experiência profissional, André sempre se dedicou à área de Clientes;

  • Carlos Eduardo Rocha: Diretor responsável pela gestão de recursos, é engenheiro formado na PUC-Rio com pós-graduação em mercado de capitais pelo Ibmec-RJ. Passou por diversas áreas de renda variável, como vendas, trade, risco e custódia. Começou no Pactual em 1995 e se tornou sócio em 2002;

  • Eduardo Moreira: Diretor do Brasil Plural e Diretor Comercial da Geração Futuro, Eduardo é engenheiro civil pela PUC-Rio e economista pela Universidade da Califórnia. Também foi sócio do banco Pactual, onde foi responsável pela Tesouraria. Antes, atuou como Managing Director do UBS AG;

Linha do Tempo

2009: Criação da Plural Capital, com foco principal em assessoria financeira e gestão de recursos.

2012: Aquisição da corretora Flow e do banco Equity. O grupo passa a se chamar Brasil Plural. Expansão da atuação para diversos segmentos do mercado.

2014: Aquisição da gestora e corretora gaúcha Geração Futuro, que passa a ser mais um braço do Brasil Plural no varejo.

Exceto quando expressamente indicada outra fonte, todas as informações deste artigo foram obtidas em documentos oficiais, reportagens publicadas pela imprensa, no website da gestora e/ou em conversa com a equipe da gestora.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+

Economista pela Unicamp com certificação CGA e programadora, Ana Vitória integra o time de Estratégia de Investimento da Vérios

  • fernanda

    A aquisição da corretora Geração Futuro foi em 2012…