Especial Gestoras: Sparta Fundos de Investimento

Quem acompanha o mercado de fundos de investimento há um certo tempo, com certeza já ouviu falar sobre a performance espetacular do Sparta Cíclico entre 2007 e 2008. O que muita gente não sabe é a profunda relação do fundo com a história, o crescimento e a reinvenção da Sparta Fundos de Investimento.

Um gestor com formação diferente: o diferencial

Victor Nehmi fundou a Sparta em 1993. Na contramão da formação dos principais nomes do mercado financeiro, ele é engenheiro agronômo pela USP. Daí provém a expertise do Sparta Cíclico e o DNA original da gestora: as commodities agrícolas. Nehmi começou fazendo a gestão das carteiras administradas e de um Clube de Commodities, que apenas em 2005 se transformou em fundo.

A gestora começou a ganhar notoriedade a partir do segundo semestre de 2006. O fundo, até então pouco conhecido, foi tomando projeção, tanto no gosto dos investidores, como na própria mídia. Para se ter uma ideia, em 2009 o Sparta Cíclico chegou a receber o prêmio de fundo Global Macro com maior retorno do mundo em 36 meses, segundo a provedora de dados financeiros BarclayHedge.

Foto: Equipe de gestão da Sparta. Da esquerda para a direita: Victor Nehmi, Leonardo Horta, Ulisses Nehmi, Felipe Vidal e Artur Nehmi
Equipe de gestão da Sparta. Da esquerda para a direita: Victor Nehmi, Leonardo Horta, Ulisses Nehmi, Felipe Vidal e Artur Nehmi

Resiliência para se reinventar

Um dos maiores aprendizados da gestora ao longo dos anos está relacionado à compreensão do perfil do investidor brasileiro. Quando as coisas estão indo bem, todos querem fazer parte, independentemente da natureza do produto. E quando as coisas vão mal, a tolerância é pouca e a debandada é geral.

A Sparta aprendeu isso na pele. Quando o Sparta Cíclico se destacava entre os fundos mais rentáveis, o patrimônio da gestora chegou a R$ 250 milhões. Passado o boom das commodities e a perpetuação de um cenário ruim para ações, o rendimento do fundo não foi mais o mesmo, e a gestora viu seu patrimônio minguar.

Com a queda do patrimônio do Sparta Cíclico, a gestora teve que criar novas frentes de investimento para dar maior previsibilidade ao negócio

Até então, essa era a única estratégia da casa. Da mesma forma que o fundo era volátil, as receitas da gestora também o eram. Dessa forma, tornou-se necessário redistribuir a equipe e criar novas frentes de investimento para trazer uma maior previsibilidade ao negócio.

Ainda no auge do fundo, os filhos de Nehmi ingressaram no negócio, responsáveis pelo risco e renda fixa, respectivamente. Assim como o pai, eles fogem aos estereótipos do mercado financeiro. Ulisses – que hoje é o frontman da gestora – é engenheiro eletrônico e Artur, engenheiro mecânico, ambos formados pelo ITA e com especialização em Administração de Empresas pela FGV.

É importante que o investidor entenda os movimentos de cada produto. As commodities possuem dinâmica diferente das ações e não devem ser olhadas da mesma forma. Para entender melhor os movimentos desses ativos, sugerimos a leitura do artigo Por que commodities são cíclicas?, no qual o gestor do Sparta Cíclico expõe sua visão.

Fundos para todos os gostos

Foram criadas as frentes quantitativa e de crédito privado. A diversificação surtiu efeito e hoje o patrimônio aplicado no Sparta Cíclico representa apenas 20% do total gerido pela Sparta. O objetivo atual da gestora é conseguir oferecer produtos para diversas parcelas de risco da carteira do investidor.

Quando o foco estava apenas na estratégia de commodities, a Sparta capturava apenas uma pequena parte destinada a ativos com risco da carteira total dos investidores, e os demais ativos continuavam concentrados nas mãos dos bancos de varejo. Por que não trazer também essa parcela para dentro da gestora?

O objetivo da Sparta é conseguir oferecer produtos para diversas parcelas de risco da carteira do investidor

Com isso, novos fundos foram criados e a gestora se reinventou. Atualmente a Sparta tem mais de três mil cotistas, que aplicam por volta de R$ 180 milhões nos fundos da casa. Novos prêmios foram conquistados. O mais recente deles foi para o Sparta TOP Renda Fixa, que ficou em 1º lugar pelo segundo ano consecutivo no ranking da revista Exame de fundos de renda fixa.

Principais executivos

  • Ulisses Nehmi: Diretor-Executivo da Sparta e gestor de risco, é engenheiro eletrônico pelo ITA, com especialização em Administração de Empresas pela FGV. É o responsável pela área de risco, controle e planejamento estratégico da gestora. Antes de ingressar na Sparta, em 2007, passou pela área de gestão de fundos e pela tesouraria do Santander.

  • Victor Nehmi: Gestor de commodities e fundador da Sparta, é engenheiro agrônomo pela USP e possui mais de 35 anos de experiência com as commodities agrícolas. Também foi fundador da FNP, a maior consultoria de agrobusiness do Brasil (que hoje pertence ao grupo inglês Agra Informa).

  • Artur Nehmi: Gestor de renda fixa, é engenheiro mecânico pelo ITA com especialização em Administração de Empresas pela FGV. Começou sua carreira como engenheiro de exploração de petróleo na Schlumberger e está na Sparta desde 2008.

  • Leonardo Horta: Gestor das estratégias quantitativas, é engenheiro eletrônico pelo ITA. Antes de ingressar na Sparta, foi engenheiro de desenvolvimento na área de telecomunicações. Está na gestora desde 2007.

Linha do tempo

1993: A Sparta é fundada para gerir recursos próprios e de terceiros;

2005: A gestora muda seu foco e passa a dedicar-se exclusivamente à gestão de fundos. Abertura do Sparta Cíclico;

2009: O Sparta Cíclico recebe o prêmio de fundo Global Macro com maior retorno do mundo em 36 meses, segundo a provedora de dados financeiros BarclayHedge;

2010: Criação da área de renda fixa, com a abertura do Sparta Premium;

2011: Criação da área de estratégias quantitativas, com a abertura do Sparta Dinâmico;

2012: Criação da estratégia de crédito privado, com a abertura do Sparta TOP.

Exceto quando expressamente indicada outra fonte, todas as informações deste artigo foram obtidas em documentos oficiais, reportagens publicadas pela imprensa, no website da gestora e/ou em conversa com a equipe da gestora.

Categorias: Especial Gestoras, Fundos de investimento
  • Bruno Bezerra

    Ótima matéria. Seria possível fazer uma matéria sobre o ano de 2015 e as perspectivas do mercado de commodities no ano de 2016?

    • Olá, Bruno. Obrigado pelo elogio!
      Atendendo ao seu pedido, o Ulisses e a Natália da Sparta nos enviaram uma breve atualização, que copiei abaixo na íntegra:

      “A frente de commodities da Sparta está com posição vendida em soja e comprada em açúcar. A soja já nos rendeu bons resultados com a sua queda desde o segundo semestre de 2014 e o gestor acredita que há ainda mais espaço para quedas, pois tanto os EUA quanto na America do Sul (Brasil e Argentina) apresentam safras recordes. O açúcar, nossa maior posição no fundo, está sendo vendido abaixo de seu custo de produção, além disso vemos empecilhos climático em importantes países produtores (Índia,Tailândia e Brasil). Com isso nossas projeções indicam forte déficit de produção na próxima safra e nas seguintes, uma vez que a recuperação da produção de cana é lenta.

      É importante ressaltar que a Sparta é especialista em commodities agrícolas e trabalha com aquelas em que o Brasil tem produção relevante, como: soja, milho, café e açúcar.”

      Para mais informações sobre a visão do gestor sobre essas commodities, sugerimos também a leitura do relatório mensal da Sparta nesse link: http://www.sparta.com.br/uploads/Relatorio_Mensal_Sparta_Ciclico.pdf

      Abs!

      • Bruno Bezerra

        Obrigado!