Fundo BTG Pactual Hedge Plus

O segmento brasileiro de fundos de investimento é bastante jovem, por isso há poucas referências com mais de 10 anos de retornos consistentes. Nesse contexto, destaca-se o BTG Pactual Hedge Plus FIM. O BTG Pactual Hedge Plus é um veículo de investimento que já passou por diversas crises e mudanças de cenário econômico, e, ainda assim, conseguiu seguir com resiliência.

A crise de 2008, por exemplo, foi um período de aprendizado e deixou um legado concreto no BTG Pactual Hedge Plus. Após a instabilidade daquele período, a equipe de gestão do BTG Pactual desenvolveu um sólido trabalho de controle de risco e proteção do patrimônio dos cotistas. 

O fundo já passou por diversas crises e mudanças de cenário e, ainda assim, conseguiu manter um resultado consistente

Após um ano de 2013 bastante difícil, com alteração da política de juros e um resultado de 5,66% de rentabilidade no ano (equivalente 70% do CDI), o fundo sofreu resgates superiores a R$ 750 milhões, quase metade de seu patrimônio. O cotistas que permaneceram, porém, já estão colhendo os frutos dessa decisão.

No primeiro semestre de 2014, enquanto a média dos fundos multimercados calculada pelo IFMM apresentou rentabilidade de 2,95%, o BTG Pactual Hedge Plus já proporcionou 6,31% de rendimento.

Vale observar, ainda, que o fundo possui uma posição superior a 15% no BTG Pactual Global.

O fundo é adequado para quem busca uma diversificação de investimentos em diferentes estratégias, conduzida por uma equipe bastante experiente na gestão de recursos. 

Ficha técnica do fundo

Nome
BTG Pactual Hedge Plus FIM
Destina-se a
Investidores em Geral
Categoria Anbima
Multimercados Multiestratégia
Taxa de administração
2% ao ano
Taxa de performance
20% sobre o que exceder o CDI
Aplicação Mínima
R$ 25 mil
Movimentação Mínima
R$ 5 mil
Prazo de Resgate
30 dias, +1 dia útil para pagamento
Gestora
BTG Pactual Asset Management S.A. DTVM
Administrador
BTG Pactual Asset Management S.A. DTVM
Custodiante
Banco BTG Pactual S.A.
Auditor
Ernest & Young Auditores Independentes
CNPJ
01.214.092/0001-75
Documentos
Lâmina Prospecto Regulamento

Todas as informações deste artigo foram obtidas em documentos oficiais do fundo, no website da gestora e/ou em conversa com a equipe da gestora. O IFMM – Índice de Fundos Multimercado – foi obtido na sua página oficial.

Categorias: Fundos de investimento, Fundos multimercados
  • Marcelo Marçal

    Olá, li esse post na época que foi escrito e gostaria de saber o que você tem a dizer agora?
    Quem é cotista deve sacar?
    Quem não é, deve entrar?
    E o que dizer sobre o HEDGE PLUS II, que nasceu da cisão desse fundo?
    Forte abraço e parabéns pelo excelente trabalho.

    • Olá, Marcelo.

      Pelas informações que recebemos até agora, não há nenhuma recomendação. Quem se sentiu desconfortável com a situação resgatou; quem acha que não haverá impacto nos fundos manteve a posição. Não temos acesso a nenhum tipo de informação privilegiada, cada cliente toma sua própria decisão.

      Sobre o Hedge Plus II, a equipe no BTG Pactual nos informou que foram apenas duas mudanças quando houve a cisão do Hedge Plus:
      1 – Aumento de 20% para 40% no limite para investimento na modalidade de ativos financeiros (artigo 87 da atual ICVM 409); e
      2 – Aumento de 20% para 40% para investimento no exterior, válido após entrada em vigor da nova ICVM 555.

      Com os aumentos, a gestora ficou com mais liberdade para diversificar a carteira nessas duas classes de ativos, mas o novo fundo foi destinado apenas para investidores qualificados.

      Abs.

  • Olá, Marcelo.

    Pelas informações que recebemos até agora, não há nenhuma recomendação. Quem se sentiu desconfortável com a situação resgatou; quem acha que não haverá impacto nos fundos manteve a posição. Não temos acesso a nenhum tipo de informação privilegiada, cada cliente toma sua própria decisão.

    Sobre o Hedge Plus II, a equipe no BTG Pactual nos informou que foram apenas duas mudanças quando houve a cisão do Hedge Plus:
    1 – Aumento de 20% para 40% no limite para investimento na modalidade de ativos financeiros (artigo 87 da atual ICVM 409); e
    2 – Aumento de 20% para 40% para investimento no exterior, válido após entrada em vigor da nova ICVM 555.

    Com os aumentos, a gestora ficou com mais liberdade para diversificar a carteira nessas duas classes de ativos, mas o novo fundo foi destinado apenas para investidores qualificados.

    Abs!