Investir com a Vérios é automágico! Saiba tudo que fazemos para você não ter nenhum trabalho

Investir com a Vérios é automágico

Ter dinheiro sobrando é bom ou não é? É muito bom!

Mas acredite: fazer sozinho a administração dos próprios investimentos pode ter como efeito colateral uma grande dor de cabeça. E aí já não fica tão bom assim!  🙁

Neste artigo contamos tudo que nós humanos e o robô Ueslei fazemos aqui na Vérios para fazer uma gestão inteligente e automática — ou melhor, automágica! — do dinheiro que você investe. Você vai entender direitinho nosso escopo de atuação e perceber que a nossa preocupação é uma só: deixar você despreocupado! 

Mas antes vamos relembrar as tarefas que você tem ao cuidar sozinho do seu dinheiro?

A trabalheira de cuidar de tudo sozinho

Investir por conta própria significa acumular uma série de tarefas, entre elas:

  • Pesquisar, estudar e decidir onde aplicar seus recursos;
  • Montar uma carteira diversificada de investimentos;
  • Executar operações de aplicações e resgates dos recursos;
  • Acompanhar o que acontece no mercado;
  • Decidir o tempo todo se é necessário fazer alterações ou não na carteira (caso você siga uma estratégia de market-timing, o que não recomendamos) ou rebalancear direitinho (caso você siga uma estratégia de alocação de ativos, o que recomendamos fortemente!);
  • Decidir onde aplicar quando tem dinheiro sobrando;
  • Decidir de onde resgatar quando você precisa de recursos;
  • Controlar os prazos de vencimento das aplicações e decidir onde aplicar possíveis juros periódicos;
  • Controlar o quanto você está pagando para investir e manter sua conta na corretora com saldo para isso;
  • Calcular os impostos para não ficar em dívida com o Leão (no caso de aplicações em ações);
  • Fazer um monte de contas e ter uma planilha elaborada para ainda assim não conseguir responder quanto sua carteira como um todo está rendendo;
  • Decidir mais algumas coisas inesperadas que fatalmente aparecerão para ser decididas.

Ah, sim. Isso sem contar que essa provavelmente NÃO é sua ocupação principal, então é preciso encaixar tudo isso na sua rotina normal de trabalho, estudos, família, amigos, lazer, compromissos sociais, etc. E sem entrar no mérito do desgaste psicológico, ansiedade e estresse gerados quando você precisa tomar decisões nada triviais em situações de incerteza e/ou desconhecimento.

Aqui na Vérios, desenvolvemos um modelo de gestão dos investimentos que automatiza boa parte dessas tarefas, e de um jeito bem inteligente! Dá uma olhada:

O que é automático nas carteiras de investimentos gerenciadas pela Vérios

1. Definição do perfil de investidor

A carteira inteligente está disponível em cinco níveis de risco possíveis, numerados de 1 a 5, sendo a carteira 1 a mais conservadora e a carteira 5 a mais arrojada.

Esses diferentes níveis de risco expressam a volatilidade estimada das carteiras (saiba mais aqui). Se você aceita mais risco, espera ter uma rentabilidade maior no médio a longo prazo, porém está mais sujeito a solavancos do mercado no curto prazo. Já se você prefere o dinheiro rendendo sem sustos, ou se precisará dele muito em breve, uma carteira com menor risco seria mais adequada.

Para chegar ao nível de risco recomendado para o seu perfil, levamos em conta alguns fatores como idade, o valor que você tem a investir, sua renda, capacidade de poupança e ainda fazemos uma perguntinha capciosa sobre como você reagiria em um cenário de perda de parte do seu patrimônio.

É só responder algumas perguntinhas no nosso simulador de investimento, deixar os algoritmos trabalharem e… shazam! Em segundos você vê o nível de risco e alocação da carteira recomendados para você.

2. Definição do quanto alocar em cada tipo de investimento

Você gosta de matemática?

Pense em muita matemática. Muita mesmo! Cálculos com matrizes, desvios-padrão, variância, correlação, interpolação e mais um monte de nomes que arrepiam muita gente só de ler.

Para definir como dividir seu dinheiro entre as diferentes classes de ativos ou tipos de investimento possíveis, seguimos uma metodologia complexa de análise de ativos e otimização de risco e retorno. Fazemos todos os cálculos necessários para saber quanto é melhor alocar em cada ativo.

No começo, desenvolvemos tudo isso na raça mesmo! Depois fomos transformando tudo em linguagem de programação e ensinamos ao nosso robô Ueslei muita coisa sobre economia e a Teoria Moderna do Portfólio. Porque em matemática ele é craque!

Ou seja, é o Ueslei quem faz os cálculos rotineiros de forma automática (e muito mais rápido, por sinal), mas somos nós que dizemos a ele o que calcular. E assim chegamos aos percentuais a aplicar em cada tipo de investimento, em cada carteira. Aqui não tem espaço pra bola de cristal.

3. Identificação e aplicação dos aportes na carteira

O Ueslei parece um robô cool mas ele tem um lado bisbilhoteiro! Fica o dia todo observando a conta dos seus amigos para ver se tem dinheirinho novo.

Na prática é assim: quando você faz uma nova transferência bancária para sua conta na corretora, em questão de minutos após a compensação identificamos o aporte. Seu dinheiro não fica parado na conta, então o próximo passo do Ueslei é calcular em quais ativos aplicar. Para isso ele analisa muitos fatores, como o balanceamento atual da sua carteira, os custos de operação para os diferentes tipos de ativos e o valor do aporte que entrou. Quanto tempo isso leva? Alguns minutos.

4. Operações de compra e venda de ativos

A parte mais “operacional” do processo de investir é comprar e vender ativos. De nada adianta fazer todos os cálculos, avaliar as opções disponíveis e decidir com convicção em que aplicar se no final as operações financeiras não forem feitas.

Essas operações são desencadeadas pelos mais variados motivos: primeira montagem de uma carteira, novos aportes, recebimento de juros periódicos (cupom) de títulos públicos, pagamento de custos, rebalanceamento, solicitações de resgate, etc.

Desenvolvemos os algoritmos necessários (e com todos os requisitos de segurança) para que o Ueslei seja capaz de realizar muitas operações ao mesmo tempo.

Por exemplo, no dia 1º de julho ocorre a cobrança semestral da taxa de custódia do Tesouro Direto. Pense só na quantidade de operações que ele teria que realizar antes desse dia para providenciar que cada um dos seus milhares de amigos tenha dinheiro em conta para o pagamento dessa taxa!

Ainda bem que ele consegue fazer isso com eficiência. Humanos, por levarem mais tempo calculando, cobrariam mais caro por esse serviço — além de terem maior probabilidade de cometer erros operacionais.

 

5. Monitoramento diário e rebalanceamento

Bem que o Ueslei poderia pegar emprestado o slogan da Globo News: nunca desliga! Ele fica de olho em tudo que acontece na sua carteira de investimentos em um esquema 24/7.

Com a movimentação natural dos mercados, as carteiras de investimento vão se movimentando também. Alguns investimentos se valorizam mais, outros perdem valor.

Nosso robô é responsável por controlar a alocação ótima de todas as carteiras em seus diferentes níveis de risco. Para disparar um aviso de que está na hora de rebalancear (ou seja, fazer algumas operações para retomar o equilíbrio da carteira), ele monitora diariamente não apenas o percentual de alocação ideal x real de cada classe de ativos, mas também o duration (clique no link para entender melhor, mas resumindo seria algo como o prazo médio de vencimento dos títulos).

Configuramos o Ueslei para que ele entenda os limites de tolerância em que cada classe de ativos pode oscilar sem que isso dispare um rebalanceamento, e também fizemos com que ele leve em conta custos e tributos para ver se vale a pena fazer as operações.

***

Percebeu que o job description do Ueslei contempla toda aquela lista de coisas que falamos no começo, coisas que você teria que fazer sozinho? Com a Vérios é bem mais fácil!

Mas nem sempre foi tudo automágico!

O desenvolvimento da carteira inteligente foi por etapas e em um processo de melhoria contínua. Para você ter uma ideia, as operações da primeira pessoa a investir com a Vérios, o Pedro, foram feitas por ele próprio, e por telefone! Ninguém merece, né? De automágico não tinha nada.

Se quiser saber mais sobre o desenvolvimento do Ueslei, leia também: Olá, sou o Ueslei, o robô que cuida dos seus investimentos

Automatizar processos não é algo que se faz de uma hora para outra. Leva tempo e vai evoluindo de pouquinho em pouquinho. Hoje já temos bastante coisa automatizada por aqui, menos o nosso relacionamento com você, que é tudo — caloroso, divertido, paciente, espontâneo — menos robótico!

Investir com a Vérios é automágico! Saiba tudo que fazemos para você não ter nenhum trabalho
5 (100%) 14 votos

Categorias: Iniciante, Intermediário, Avançado, Carteira inteligente, Por dentro da Vérios
  • hashtague

    quando ocorre flutuação drástica, o robô rearruma a carteira? eu queria saber também como que a carteira é arrumada se há pagamento de imposto de renda na venda dos títulos (tesouro direto e etfs). os impostos não entram no cálculo do pagamento dos 0,95% à vérios né?

    • Isabella Paschuini

      Oi, Hashtague!

      A “rearrumação” da carteira (rebalanceamento) ocorre sempre que os percentuais alocados em cada classe de ativos fogem às nossas faixas de tolerância, que já levam em consideração os custos e eventuais impostos para vender partes de alguns ativos e aplicar em outros.

      Uma flutuação drástica pode ou não levar ao rebalanceamento, vai depender de como está sua carteira no momento do evento extremo.

      Se ela estiver bem balanceada, pode ser que a flutuação, mesmo que intensa, ainda deixe a alocação das classes dentro das bandas de tolerância. Se a carteira estiver mais desbalanceada, pode ser que a flutuação provoque um desbalanceamento ainda maior, gerando a necessidade de rearrumar a carteira. Mas também pode ser que a flutuação do mercado seja ela própria uma forma de rebalancear a carteira, e ocorra assim uma rearrumação “natural”! Aconteceu isso em maio, após o impacto da delação da JBS, pois a classe bolsa americana estava perdendo valor, o qual foi rapidamente recuperado com a grande alta do dólar nesses dias.

      Ah, vale lembrar uma coisa: fazer aportes adicionais (que na Vérios podem ser a partir de R$ 100) é uma excelente maneira de manter a carteira sempre balanceada, sem precisar pagar imposto com a venda de alguns ativos para comprar outros.

      Saiba mais sobre o rebalanceamento nestes artigos esclarecedores:
      https://verios.com.br/blog/video-rebalanceamento-automatico-o-que-e-e-como-funciona/
      https://verios.com.br/blog/rebalanceamento-da-carteira-de-investimentos-o-que-voce-precisa-saber/

      Consegui deixar claro?

      Abraços,
      Isa