“Minha carteira inteligente está rendendo menos. O que aconteceu?”

Explicação das flutuações da rentabilidade mensal na carteira inteligente

Quem investe com a Vérios só precisa apertar um botão para saber quanto seus investimentos estão rendendo. A transparência é um valor essencial para nós. E ser transparente tem seus efeitos.

Sempre que algum mês registra rentabilidade um pouco pior — e principalmente quando há um contraste por o mês anterior ter sido um pouco melhor — recebemos muitas perguntas. “O que aconteceu? Por que a rentabilidade caiu?”

Nas primeiras semanas de março foi assim. A carteira inteligente “andou meio de lado”, como se diz no jargão do mercado financeiro. Teve muito sobe-e-desce. No final do mês, após tantas chacoalhadas, o resultado ficou praticamente estável: houve rendimento positivo, mas nada muito impressionante.

Nas últimas vezes em que o mercado se comportou dessa maneira, algumas notícias pareciam cair como uma luva para explicar o fenômeno. Foi assim com a eleição de Donald Trump em novembro, com o quiprocó do impeachment da Dilma Rousseff… Mas o mês de março não trouxe nenhum mega acontecimento no cenário político-econômico. Como explicar, então, o comportamento “mal-humorado” da carteira inteligente?

A resposta mais honesta (mas que talvez pareça não responder muito) é: Alguns meses serão piores, outros serão melhores.

As oscilações dos mercados levam em conta tudo que acontece na economia como um todo. Até tivemos alguns eventos significativos em março, como o aumento da taxa de  juros nos Estados Unidos (de 0,75% para 1% ao ano) e a operação Carne Fraca, mas os movimentos não tiveram direção clara. Por exemplo, dois dias após o anúncio do escândalo dos frigoríficos, as ações da JBS, dona da marca Friboi, fecharam em alta na bolsa.

As oscilações dos mercados levam em conta tudo que acontece na economia como um todo

Por tudo isso, por mais que exista uma vontade natural de estabelecermos relações de causa e efeito, precisamos compreender que os diversos fatores que impactam a rentabilidade da carteira inteligente nem sempre podem ser simplificados na forma de uma notícia nos jornais diários. Isso seria um reducionismo perigoso e errôneo.

Podemos traçar um paralelo com a vida cotidiana, onde essa dinâmica de eventos desfavoráveis também ocorre naturalmente. Existem dias em que o elevador demora a chegar. Em outros, todos os semáforos ficam vermelhos sempre na sua vez. Em alguns dias mais raros talvez você esqueça o celular em casa. Nada disso é muito significativo isoladamente. Mas se tudo acontece no mesmo dia, você percebe e fica furioso. Você pensa se não está no “inferno astral”, afinal, o que mais explicaria tamanha falta de sorte? É só imaginar um dia em que elevador demora, você pega todos os sinais fechados, esquece o celular e, para completar, não encontra uma vaga na garagem. Com carteiras de investimento diversificadas não é muito diferente.

Agora vamos aos números?

Flutuação mensal da rentabilidade da carteira inteligente

O mês de março não foi de todo ruim, como vocês podem ver na tabela abaixo, que traz a média de rentabilidade de todas as carteiras administradas pela Vérios. Também não foi um mês considerado bom, ainda mais se compararmos com os resultados obtidos em janeiro e fevereiro.

Rentabilidade média mensal da carteira inteligente em 2017

Nível de risco

 

 

 

 

 

Janeiro

         

Fevereiro

         

Março

 
1
 
     
 
1,15%
         
1,14%
         
0,93%
 
2
 
     
 
1,27%
         
1,37%
         
0,91%
 
3
 
     
 
1,43%
         
1,62%
         
0,88%
 
4
         
1,58%
         
1,87%
         
0,84%
 
5
         
1,76%
         
2,06%
         
0,81%
 


No gráfico abaixo temos a média de rentabilidade das carteiras de nível de risco 3 até o final da terceira semana de março, que foi o período de maior sobe-e-desce. No dia 21, a rentabilidade média estava em 0,68% no mês:

Rentabilidade média da carteira 3 entre 1º/03 e 21/03

Rentabilidade até o dia 21/03

Para continuar nossa análise, vamos adicionar ao gráfico mais alguns meses, começando pelo mês de fevereiro, que é a bolinha mais à direita, entre 1% e 2%. Veja que a rentabilidade foi superior ao que março vinha registrando até o dia 21/03:

Rentabilidade média da carteira 3: fevereiro e março

Rentabilidade mensal: últimos 2 meses

Podemos continuar fazendo isso com todos os demais meses de existência da nossa carteira de nível de risco 3. Janeiro também foi melhor do que março, bem semelhante a fevereiro:

Rentabilidade média da carteira 3: janeiro, fevereiro e março

Rentabilidade mensal: últimos 3 meses

Rentabilidade média da carteira 3: últimos seis meses

Rentabilidade mensal: últimos 6 meses

Após voltarmos 12 meses analisando a rentabilidade mensal, chegamos a meses parecidos com março de 2017, e alguns até piores. Note que agora temos um mês bem em cima da linha de 0,5%.

Rentabilidade média da carteira 3: últimos 12 meses

Rentabilidade mensal: últimos 12 meses

Quando colocamos no gráfico todos os meses registrados da carteira 3, vemos que existiram inclusive meses com rentabilidade negativa. Isso aconteceu duas vezes em um histórico de 22 meses da carteira inteligente.

Rentabilidade média da carteira 3: últimos 22 meses

Rentabilidade mensal em 22 meses

Faz tempo que não ocorrem meses com rentabilidade negativa, mas eles não apenas são possíveis como também são esperados: eles fazem parte da dinâmica de uma carteira diversificada.

Note como as extremidades do gráfico concentram menos bolinhas (ou meses) que o centro da distribuição. A maior parte dos meses tem rentabilidade média entre 0,5% e 1,5%, mas há dispersões tanto do lado positivo quanto do negativo.

Observe a seguir como as carteiras 1 e 2  tendem a ser mais estáveis. Elas têm menos meses de rentabilidades altas e, da mesma forma, menos meses de rentabilidades baixas. Em outras palavras, há menos solavancos pois elas têm uma parcela maior da classe de ativos controladora do risco, que são os juros pós-fixados.

Média de rentabilidade mensal das carteiras 1 a 51

Rentabilidade mensal das carteiras 1 a 5

Reparou como a carteira 5 oscila ainda mais se comparada às demais?

Se os meses com rentabilidade negativa incomodam e você está na carteira 3, 4 ou 5, talvez seja um sinal para revisar seu perfil de tolerância a riscos e assumir uma estratégia mais conservadora.

Investir bem é tão chato quanto ver a grama crescer

Gostamos de repetir as palavras do consultor financeiro Carl Richards2: investir, no sentido de construir um patrimônio, é tão chato quanto ver a grama crescer. É um trabalho lento, onde os resultados vão se acumulando de pouquinho em pouquinho, sobretudo no curto a médio prazo.

Mesmo conscientes de que a eficácia da nossa estratégia de diversificação se prova no longo prazo, criamos um sistema que permite que você acompanhe diariamente sua rentabilidade, com toda a comodidade.

Em nome da transparência, talvez estejamos sem querer fazendo algo que não deveríamos, que é incentivar as pessoas que investem com a Vérios a acompanhar diariamente oscilações de curto prazo que, em um período de muitos anos, serão irrelevantes. Esse comportamento pode gerar certa ansiedade, e isso é a última coisa que queremos, pois cuidamos de tudo justamente para que você tenha mais tranquilidade e paz de espírito em relação aos seus investimentos.

Então, para finalizar, deixamos uma sugestão. Se você fica ansioso com as oscilações dos seus investimentos no curto prazo, lembre que nossa estratégia é matematicamente otimizada para o médio a longo prazo. Avalie também se você não superestimou sua tolerância a riscos e, se for esse o caso, converse conosco para redefinirmos o risco (ou seja, o grau de volatilidade esperada) da sua carteira. Uma pessoa com perfil arrojado se caracteriza por ter esse perfil não apenas quando o mercado vai bem, mas também quando ele vai mal.

Por fim, conte com a equipe Vérios sempre que precisar. Estamos aqui para tirar suas dúvidas e fazer com que você se sinta confortável e tranquilo a qualquer tempo: chova ou faça sol, com Carne Fraca ou Carne Forte, com Obama ou com Trump, com Dilma ou Temer ou quem vier em 2018.

Você deve ter percebido que a carteira 1 está representada com menos meses no gráfico em comparação aos outros níveis de risco. Isso porque até abril de 2016 não tínhamos nenhuma carteira-teste enquadrada no nível 1.

2 O blog da Vérios tem dois artigos de Carl Richards, ambos originalmente publicados em sua coluna no New York Times e traduzidos com sua autorização. São excelentes (e divertidas) leituras: “Esqueça a diversificação. Aplique apenas no melhor investimento” e “Não faça nada com sua carteira de investimentos”.

“Minha carteira inteligente está rendendo menos. O que aconteceu?”
5 (100%) 31 votos

Categorias: Iniciante, Intermediário, Avançado, Carteira inteligente, Por dentro da Vérios
  • Ronaldo Minholi Dias

    Ah bola pra frente…

    • Ana Vitória Baraldi

      Oi Ronaldo!

      Exatamente! Faz parte termos meses melhores e meses piores. No longo prazo, os meses melhores serão maioria! 😉

  • Renan Mazzarolo

    Confesso que este mês estrou bem preocupado, mas o jeito é seguir em frente para lá na frente colher os frutos.

    • Ana Vitória Baraldi

      Oi Renan,

      É verdade, o mês de abril está bem parecido com o de março.
      É entender os riscos e que teremos meses melhores e piores. Se você estiver muito desconfortável com as oscilações podemos rever o ser perfil de risco, o que acha?

      Bjs,
      Aninha

      • Renan Mazzarolo

        Olá Aninha,
        Como estou na carteira nível 2, acho que não tem muito o que fazer…se está ruim pra mim, está para todos também =/

  • Felipe Nogueira

    Os backtests mostram que nos dois primeiros anos as carteiras podem evoluir mais lentamente e até ficam abaixo do CDI então nada fora do esperado aqui. Rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura mas nos dá uma noção do que esperar. Carteira desvalorizada é oportunidade para aportar melhor, se vc acredita na estratégia. Fé na frontreira eficiente e na carteira 5. Segue o passeio.

    • Ana Vitória Baraldi

      Oi Felipe, tudo bem?

      É verdade! Quando a rentabilidade está mais baixa é uma boa hora de comprar mesmo! Mas esse é um comportamento de quem fica muito tranquilo com as oscilações, certo?
      Acho que você está no perfil de risco correto. rs

      Bjs,
      Aninha

      • Felipe Nogueira

        Acho que estou no perfil certo sim, rs. As minhas espiadas na rentabilidade da carteira e das classes de ativos são só por curiosidade em relação ao comportamento do mercado.
        Bjs!

  • Para mim o mais importante é render mais do que a poupança!

    • Ana Vitória Baraldi

      Oi Vitor, tudo bem?

      Concordamos com você, por isso os nossos cálculos são para que todos os perfis de risco, no cenário pessimista, em um ano de investimento fiquem acima da poupança. 😉
      De qualquer forma, mesmo com essa projeção, as rentabilidades mensais podem ficar abaixo da rentabilidade da poupança, ainda mais nos perfis de risco mais arriscados. Veja no gráfico com todas as carteiras as bolinhas negativas.

      O importante é que no acumulado ela supere a poupança!

      Qualquer coisa, nos avise.

      Abraços,
      Aninha

  • Ronaldo Reimberg

    Ola ! ja venho um bom tempo olhando na verios e acompanhando sempre ,em breve vou investir com voces 🙂

    • Ana Vitória Baraldi

      Oi Ronaldo!

      Oba! Estamos esperando!
      Será super bem-vindo.

      Abraços,
      Aninha

  • Mario

    Faz parte. Rendendo acima da inflação é o que importa.
    Gostaria de saber se é uma estratágia inteligente investir uma quantia grande e viver de renda, sacando todo o mês a diferença entre o renquimento nominal e o IPCA do mês ?

    • Ana Vitória Baraldi

      Oi Mario, tudo bem?

      É uma estratégia boa sim, porque você garante que o seu patrimônio como um todo não está perdendo poder de compra ao longo do tempo.

      Ainda não temos esse resgate de forma automática, mas já temos alguns pedidos nessa linha.
      Quem sabe isso não entra nos próximos desenvolvimentos?

      Abraços,
      Aninha

      • Mario

        Show..seria tudo o que eu precisava para investir com a Vérios…uma carteira FI/RE (Independencia financeira) com cupons de juros reais mensais resgatados automaticamente e jogados na minha conta corrente! Pensem nisso

  • André Nunes

    Eu me assustei mais com os meses de dez/Jan/fev onde minhas aplicações chegaram a ter ganhos acima de 1.50% do que esses 2 últimos meses. Duas regras do mercado financeiro que eu uso para a vida são: você sempre vai perde, o importante é ganhar mais que perde ou ganhar mais do que perder. A respeito dos gráficos, eles são apenas de tesouro ou são carteiras completas?

    • Ana Vitória Baraldi

      Oi André, tudo bem?

      Adorei o seu comentário! rs
      Porque concordo com você, os meses com a rentabilidade muito alta também deveriam assustar, mas como estamos ganhando não causa o mesmo efeito. rs

      Nos gráficos estamos usando apenas as carteiras completas, com a parcela de renda variável.

      Abraços,
      Aninha