Postado em: Tipos de investimentos>Títulos públicos Por:
11 de Março de 2015 Ultima atualização: 17 de agosto de 2018

Novos nomes dos títulos no Tesouro Direto

11 de Março de 2015

Pensando em facilitar a vida de quem deseja investir, o Tesouro Nacional realizou diversas mudanças no Tesouro Direto. Os papéis ganham nomes mais intuitivos e passaram a contar com liquidez diária garantida pelo próprio Tesouro Nacional.

O Tesouro Direto, criado em janeiro de 2002, é o programa que permite aos investidores pessoa física investir em títulos da dívida pública federal pela internet. A compra (investimento) e a venda (resgate) podem ser feitos diretamente pelo site do Tesouro Direto, mas é necessário ter uma conta em uma corretora.

Mesmo com toda a facilidade de acesso, sempre houve uma certa dificuldade em entender e decorar as características de cada título, pois os nomes não dizem muita coisa e os títulos ficaram popularizados apenas pelas siglas, que se transformaram em uma sopa de letrinhas.

Novos nomes

As novas nomenclaturas para os títulos públicos ficaram mais simples e autoexplicativas, pois as principais características dos títulos já são identificadas em seus próprios nomes: tipo de rentabilidade, fluxo de remuneração e prazo de vencimento. No entanto, as siglas anteriores foram mantidas vinculadas aos novos nomes para não confundir os investidores atuais.

Os novos nomes são autoexplicativos, mas as siglas anteriores foram mantidas para não confundir os investidores atuais

A LTN e a NTN-F, ambas prefixadas, passam a se chamar respectivamente Tesouro Prefixado e Tesouro Prefixado com Juros Semestrais. Agora ficou fácil entender a diferença entre elas, não?

A NTN-B Principal e a NTN-B, que protegem o investidor contra a inflação medida pelo IPCA e ainda pagam uma remuneração em juros, passam a se chamar Tesouro IPCA+ e Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais. O sinal de “+” no nome ajuda o investidor a lembrar que esses títulos pagam inflação + juros.

Já a LFT, que remunera o investidor conforme a taxa básica de juros brasileira, passou a ser conhecida como Tesouro Selic.

Além disso, o nome de cada título vem acompanhado do ano de vencimento do papel em questão e sigla da nomenclatura antiga. Veja como ficou:

Novos nomes dos títulos públicos no Tesouro Direto
Tabela publicada pelo Tesouro Nacional no comunicado sobre as mudanças

 

Liquidez diária

Por fim, uma mudança bastante importante está relacionada à liquidez dos títulos, ou seja, à possibilidade do investidor desfazer o investimento a qualquer tempo. Antes, você só poderia investir nesses títulos ou revendê-los ao Tesouro Nacional às quartas-feiras, o que tornava essa opção menos atrativa para algumas pessoas.

Agora, o Tesouro Direto passará a contar com a recompra diária dos títulos públicos. Isso significa que você poderá vender os seus papéis sempre que quiser, com a garantia e tranquilidade de poder contar com o Tesouro Nacional como comprador.

As mudanças ajudam a tornar o Tesouro Direto mais fácil de entender, e facilitam a decisão dos investidores que antes ficavam inseguros com a liquidez semanal. De maneira geral, esses títulos tornaram-se uma opção ainda mais interessante para quem quer investir em renda fixa, ou proteger-se contra a inflação, sem abrir mão de segurança.

Em breve publicaremos uma visão geral sobre os títulos públicos. Para ser avisado sobre esse novo conteúdo, inscreva-se na nossa newsletter. Não vamos encher sua caixa de mensagens: o envio é apenas quinzenal.

***

Atualização: já publicamos o artigo Títulos públicos: o que são e como funcionam. Vela a leitura.

Já investe em títulos públicos, mas gostaria de trocar a corretora? Saiba também como fazer a transferência de custódia do Tesouro Direto.

Este artigo foi útil para você?
Novos nomes dos títulos no Tesouro Direto
4.4 (88.57%) 7 votes

Compartilhe:
11 de Março de 2015
Ultima atualização: 17 de agosto de 2018

Você pode gostar também…

1205 30 13 min de leitura

Títulos públicos: o que são e como funcionam

Os títulos públicos são ativos de renda fixa emitidos pelo Tesouro Nacional para financiar a dívida pública nacional. Eles possuem diversas características que o in...

Continue lendo
1047 45 8 min de leitura

Diversificação de investimentos: o que você precisa saber

“Tenha uma carteira de investimentos diversificada.” Esse é um mantra muito utilizado por profissionais sérios do mercado financeiro. Afinal, a diversificação de ...

Continue lendo
404 2 3 min de leitura

Por que você ainda não investe no Tesouro Direto?

As alterações nos nomes dos títulos públicos e o estabelecimento da liquidez diária parecem ter dado uma força para derrubar os obstáculos que desestimulam os bra...

Continue lendo

Autores

CEO da Vérios, a fintech que te ajuda a fazer investimentos inteligentes, de forma fácil, rentável e segura. Pode confiar. Felipe conta com mais de 10 anos de atuação no mercado financeiro, e em 2011 cofundou o site Comparação de Fundos, primeiro a dar transparência a mais de 15 mil fundos de investimento. É advogado pela USP e pós-graduado em Finanças Corporativas e Investment Banking pela FIA.

Comentários