O que são fundos long/short ou equity hedge

Existe uma divisão acadêmica entre long/short e equity hedge. Porém, na prática, essa diferenciação não é seguida à risca e, por enquanto, usaremos ambos como sinônimos.

Long/short é uma estratégia de investimento realizada por meio de operações com ações e/ou derivativos de ações em bolsas de valores. Essa estratégia costuma apresentar risco inferior ao das operações simples de compra de ações. Os fundos long/short são fundos que ficam comprados (long, em inglês) e vendidos (short) ao mesmo tempo. O objetivo do gestor é gerar retornos pela diferença entre as rentabilidades das ações compradas e vendidas.

Essa estratégia tende a anular ou diminuir o impacto das altas e baixas do mercado sobre a carteira de investimentos, permitindo que a maior parte do resultado dependa da capacidade do gestor de encontrar ações com melhor desempenho que o mercado ou que as posições vendidas.

Para ilustrar, imagine o seguinte exemplo: um gestor acredita que as ações do Bradesco terão um desempenho superior ao das ações do Itaú e monta uma estratégia long/short com essas duas ações. Ele compra ações do Bradesco e fica vendido em ações do Itaú. Agora, imagine alguns diferentes cenários de rentabilidade para as duas ações. Em alguns cenários o gestor acertou, em outros, não.

  Rentabilidade Ações do Itaú
-5% 0 5%
Rentabilidade
Ações do
Bradesco
+5% +10% +5% 0
0 +5% 0 -5%
-5% 0 -5% -10%

Os números vermelhos e laranjas representam a rentabilidade de cada ação individualmente. Os números pretos no meio da tabela representam o resultado da estratégia long/short do nosso exemplo em cada cenário. Veja, por exemplo, que se Bradesco rendesse +5% e Itaú caísse 5%, o retorno da operação seria +10%.

Imagine, ainda o que aconteceria se o Bradesco caísse 5% e o Itaú, 10%. O resutaldo seria positivo (+5%), mesmo com as duas ações em queda. Ou seja, o gestor teria conseguido desvincular-se da oscilação geral do mercado.

Problema da liquidez

Ficar comprado em ações é relativamente simples e trivial. Ficar vendido, porém, é um tanto mais trabalhoso. É preciso encontrar quem alugue as ações, negociar taxas e prazos, depositar garantias.

Por conta dessas barreiras é muito difícil ficar vendido em ações de baixa liquidez. Na prática, o grosso das posições short são feitas com vendas de ações de alta liquidez, como Petrobras, Vale, Itaú, Bradesco, Banco do Brasil e outras.

A falta de opções para a posição vendida faz com que esses fundos de investimento sejam um pouco sazonais. Se essas ações mais líquidas do mercado tiverem rendimentos acima da média, os fundos long/short sofrerão.

Por que os fundos long/short ou equity hedge fecham?

Em nossos recentes estudos, nos deparamos com um gráfico que facilita a compreensão dessa lógica. Veja abaixo.

 Cada quadradinho azul representa o retorno de 3 anos de um fundo (eixo Y) e seu respectivo patrimônio líquido (eixo X). A linha laranja representa o retorno médio dos fundos, de acordo com seu volume patrimonial.

A conclusão é de que, em geral, quanto maior o patrimônio dos fundos que adotam a estratégia long/short ou equity hedge, menor tende a ser sua rentabilidade.

Um grande volume dificulta que o gestor execute suas operações. Ainda que ele encontre uma boa oportunidade, a quantidade de ações disponíveis para aluguel pode não ser suficiente para a rentabilidade da operação ser significativa para o fundo. Isso faz com que os maiores fundos deixem de fazer algumas operações altamente lucrativas.

Por isso, deveríamos ficar contentes com os fundos que recentemente fecharam para captação ou ampliaram seus prazos de resgate, como o Apex Equity Hedge, Plural Capital Equity Hedge, Nest Arb, BNY Mellon Arx Long Short, Advis Total Return. É um sinal de preocupação do gestor com a continuidade da qualidade do fundo.

O que são fundos long/short ou equity hedge
5 (100%) 4 votos

Categorias: Fundos de ações, Fundos de investimento, Outros fundos
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+

Cofundador da Vérios e diretor de Estratégia de Investimento. Resende é gestor de recursos credenciado pela CVM e especialista em Data Science, mas pode chamá-lo de "Father of Algorithms" :)