Por que investir na poupança não é mais vantagem?

Caderneta de poupança: amá-la ou odiá-la?

Enquanto alguns sabem que trata-se de um péssimo negócio porque seus rendimentos são uma mixaria, outros relutam em se “aventurar” em modalidades alternativas de aplicações, apoiando-se especialmente na segurança da poupança.

Gurus de finanças apregoam que quem investe na poupança perde dinheiro. Essa é uma colocação imprecisa, pois a poupança promove um crescimento do seu patrimônio, ainda que pequeno se comparado a outras modalidades disponíveis no mercado financeiro.

Após essa afirmação, certamente alguém dentre os leitores já está discordando de mim, colocando o argumento do fator inflação. Mas se é para fazer relações, afirmo-lhe que os 0,5% em média do rendimento da poupança é 20 vezes maior que o custo negativo do cheque especial, uma das modalidades mais apreciadas pelos brasileiros. Portanto, dependendo da comparação, a investir na caderneta de poupança é altamente lucrativo.

Profissionais que demonizam a caderneta de poupança acabam prestando um desserviço à sociedade, criando na mente das pessoas uma aversão ao investimento que pode ser a porta de entrada para a conquista da independência financeira.

Essa modalidade de investimento tem outras boas vantagens, dentre elas:

  1. Fácil acesso

Qualquer cidadão, em qualquer localidade no Brasil, seja nas grandes metrópoles ou nos vilarejos mais distantes, pode abrir uma caderneta de poupança para ingressar no mundo dos investimentos.

Além disso, abrir uma caderneta de poupança não requer sequer um depósito inicial — coisa que não acontece com os outros investimentos que normalmente estão atrelados a valores e prazos específicos para que ofereçam melhores rendimentos.

  1. Simplicidade

Sabemos que, dependendo do investimento é preciso dominar alguns conceitos complexos, acesso diário a informações etc.

Na poupança é tudo mais simples, basta depositar o seu valor mensal — sempre na mesma data — e você sabe que a cada mês será creditado o valor correspondente ao rendimento.

  1. Segurança

Nos últimos anos, profissionais e organizações do mundo financeiro têm procurado criar a cultura do investimento, divulgando informações sobre diversas modalidades de investimento, indo desde os mais conhecidos, como títulos públicos, CDB, fundos de investimento e ações, até os mais complexos, como bitcoin, Forex etc.

A caderneta de poupança, não oferece promessas milagrosas mas apresenta uma vantagem: é protegida pelo FGC, o Fundo Garantidor de Crédito, que assegura ao investidor o retorno do seu investimento até o limite de R$ 250 mil (por instituição financeira e por CPF) em caso de falência da instituição financeira.

  1. Liquidez

Principalmente para os iniciantes, a possibilidade de fazer retiradas sem perdas é importante, pois assim ele fica mais seguro em colocar o seu dinheiro e ir aprendendo no seu ritmo, tendo a liberdade de usar o seu recurso quando houver uma necessidade ou emergência.

A poupança, por excelência, tem na liquidez diária uma característica valiosa.

  1. Isenção de Imposto de Renda

Uma outra vantagem da poupança é a isenção de Imposto de Renda (IR), benefício que não acontece em outras modalidades como títulos públicos, fundos de investimentos, previdência privada, ações etc.

Bom, se até agora eu só apresentei fatores positivos em relação à poupança, porque o título do nosso artigo é:

Por que investir na poupança não é mais vantagem?

Exatamente porque, mesmo considerando os benefícios acima, há opções muito melhores no mundo das finanças.

A caderneta de poupança é bastante útil para aqueles que estão começando a sua vida de investimentos, mas passados apenas alguns meses nessa modalidade, o agora poupador começa a perceber que:

  1. É possível poupar com regularidade sem perder qualidade de vida;
  2. É possível e recomendável ampliar a rentabilidade dos investimentos.

Diante disso torna-se recomendável migrar para outras modalidades de investimento, mais rentáveis e também tão seguras e simples como a poupança.

Por exemplo, se a questão é a  segurança atrelada a Fundo Garantidor de Crédito, os CDBs, as LCIs (Letras de Crédito Imobiliário) e LCAs (Letras de Crédito Agrícola) também são assegurados por ele e normalmente rendem mais que a poupança. Isso é válido, é claro, se você ficar atento aos custos de administração e/ou taxas, que, dependendo do percentual, pode corroer drasticamente o seu rendimento final.

Aliás, é na falta de atenção (ou despreparo) dos clientes que os bancos, literalmente, fazem a festa.

Os títulos públicos do Tesouro Direto são ainda mais seguros que a poupança, oferecendo rentabilidade maior e com liquidez diária. Esta modalidade tem se popularizado muito nos últimos anos, seja nos bancos tradicionais ou nas corretoras de investimentos. É bastante simples o acesso a esse tipo de investimento.

Como equilibrar simplicidade, segurança e rentabilidade

Todas as alternativas à poupança que apresentamos acima requerem um tempo maior de dedicação do investidor para assegurar os seus resultados. Mas a  maioria das pessoas não quer (nem tem dom) para ser especialista em investimentos. Muito menos tem tempo para acompanhar dioturnamente as informações sobre seu portfólio de ativos.

Uma ótima alternativa é  investir com apoio da tecnologia, aliando-se aos robôs gerenciadores de investimentos, um recurso moderno que avalia informações diversas: prazo, rentabilidade liquidez, risco, e aloca, automaticamente,  o recurso do investidor de forma a assegurar boas rentabilidades, com menor risco e menos complicação.

Um exemplo de instituição que oferece esse tipo de serviço é a Vérios que, unindo a experiência de seus fundadores, profissionais da área financeira com a tecnologia, criou uma ferramenta que faz uma composição de investimentos de renda fixa e variável — essencialmente títulos do governo e ações — proporcionando ao investidor ótimos rendimentos com a mesma segurança que a caderneta de poupança.

Pense nisso. Se você já se acostumou a reservar uma parte de seus rendimentos para poupar com foco na sua independência financeira, conheça um gerenciador robô e delegue a ele a administração do seu patrimônio. Isso dará a você mais tempo para se dedicar ao que é mais relevante para a sua vida pessoal e profissional.

Por que investir na poupança não é mais vantagem?
4.7 (94%) 10 votos

Categorias: Iniciante, Planejamento pessoal, Tipos de investimentos, Poupança
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+

Educador financeiro, autor dos livros "Educação Financeira para Pais e Filhos, Harmonia Financeira - As melhores práticas dos casais que conquistam a independência financeira", "Os 7 hábitos para o sucesso financeiro" e "Princípios Bíblicos da Educação Financeira". Atua desde 2008 em palestras, cursos e consultorias financeiras com foco em planejamento financeiro, produtividade e qualidade de vida, já atendeu mais de 100.000 pessoas em diversos estados brasileiros.

  • Buffet

    Mas se considerar que o rendimento da poupança no Brasil é praticamente 8 vezes o rendimento do tesouro direto americano, não fica tão ruim né….ainda mais agora com a inflação controlada.

    • Oi, Mr. Buffet.
      Na verdade, se você considerar que a inflação no Brasil é 8 vezes a inflação americana, a poupança continua sendo muito ruim, sim. A poupança muitas vezes perde para a inflação. Eu costumo sempre dizer que a poupança é um investimento que não faz nenhum sentido, não existe nenhum motivo pra investir na poupança, sob nenhum ponto de vista racional. Já houve, no passado. Hoje o dinheiro está lá por medo, falta de informação e preguiça. Mas pelo menos as pessoas estão percebendo e estão batendo recordes de saques da poupança.