Por que os bancos lucram tanto e alguns estão quebrando

A queda acelerada das taxas de juros está causando alvoroço entre os investidores, mas eles não são os únicos afetados. Os bancos também estão sentindo as consequências, principalmente aqueles com estruturas de alto custo.

Bancos captam recursos oferecendo rentabilidade aos investidores para que depositem seu dinheiro na instituição. Essa rentabilidade pode ser na forma de juros em CDBs, em operações compromissadas, letras financeiras ou entre vários outros mecanismos. Depois, o dinheiro captado é emprestado pelo banco, sob a forma de empréstimos e financiamentos de todos os tipos, seja para aquisição de veículos, imóveis, consumo, etc.

Vivemos num país com um dos maiores spreads bancários do mundo

De maneira simplificada, podemos dizer que os bancos vivem da diferença entre o que eles recebem de juros e o que eles pagam de juros. Essa diferença é chamada de spread bancário.

O spread bancário é o valor que o banco tem para pagar os salários dos funcionários, os custos administrativos, impostos, inadimplência, entre outros. O que sobrar ao final é o lucro do banco.

Em 2010, o spread bancário no Brasil era o terceiro maior do mundo, perdendo apenas para Congo e Madagascar. Ficamos à frente de todos os outros países pesquisados pelo Banco Mundial, como por exemplo, Quirguistão, Haiti, Zâmbia e Uganda.

É por isso que os grandes bancos brasileiros, ou os que atuam no Brasil, vivem anunciando recordes de lucros, ano após ano. Vivemos num país com uma das maiores margens de ganho para essas instituições no mundo.

Em 2012, o governo brasileiro aumentou muito a pressão sobre o setor bancário para reduzir os spreads e chegou a utilizar os bancos públicos para isso. A redução dos spreads significa um aperto sobre o faturamento dos bancos, reduzindo a quantidade de recursos disponíveis para que essas instituições paguem seus funcionários, estrutura, impostos, e, quem sabe, os lucros.

Veja a evolução do spread bancário no Brasil e no mundo: 

Evolução do spread bancário no Brasil e no mundo

Fonte: Banco Mundial e Banco Central do Brasil. Veja a tabela completa.

A intervenção do governo acelerou a redução dos spreads bancários no Brasil. Alguns bancos, principalmente bancos médios e pequenos, não conseguiram se adaptar a essa nova realidade de juros baixos. Muitos possuíam uma estrutura física imponente, salários e bônus altos para os funcionários, e outros custos difíceis de reduzir. A queda da taxa de juros fez com que as receitas diminuíssem drasticamente, mas seus custos fixos permaneceram.

Com a necessidade de atrair recursos rapidamente para poder emprestar e manter as receitas altas, os bancos em dificuldades aumentaram os juros nos seus CDBs, o que reduziu ainda mais o spread nessas instituições. Muitos investidores foram atraídos pela rentabilidade desses títulos, que pagavam uma rentabilidade um pouco melhor, numa época em que os rendimentos dos outros investimentos encolhia. Estavam investindo em títulos de renda fixa, mas que escondiam um risco diferente: risco de inadimplência e quebra.

Recentemente, mais um banco médio quebrou, o Banco BVA. Ao contrário do que aconteceu com o Panamericano, Cruzeiro do Sul e outros, os títulos do BVA já foram precificados no mercado e os investidores que detinham esses títulos sofreram prejuízos.

Veja o impacto que a quebra do Banco BVA teve sobre a rentabilidade de alguns fundos que possuíam títulos emitidos por esse banco. 

Clique na imagem para ver a comparação desses fundos.

 A grande questão é: como o investidor pode se proteger deste tipo de perda? O primeiro cuidado é suspeitar de rentabilidades muito altas. O investimento em crédito privado às vezes aparece como uma renda fixa que rende mais que a renda fixa convencional, mas o investidor precisa entender que existe um risco diferente. O risco de inadimplência não aparece no histórico, pois não causa volatilidade, mas pode resultar em perdas significativas e súbitas.

A mensagem mais importante é novamente a mesma: entenda onde você está investindo e quais os riscos envolvidos. Só assim é possível investir com tranquilidade e principalmente com mais segurança.

Categorias: Economia, Fundos de investimento, Outros fundos
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+

Cofundador da Vérios e diretor de Estratégia de Investimento. Resende é gestor de recursos credenciado pela CVM e especialista em Data Science, mas pode chamá-lo de "Father of Algorithms" :)

Escolhemos a dedo estes artigos para você ler também: