Postado em: Iniciante, Planejamento pessoal>Plano de investimento, Tipos de investimentos>Títulos públicosPor:
27 de Maio de 2015 Ultima atualização: 17 de agosto de 2018

Por que você ainda não investe no Tesouro Direto?

27 de Maio de 2015

As alterações nos nomes dos títulos públicos e o estabelecimento da liquidez diária parecem ter dado uma força para derrubar os obstáculos que desestimulam os brasileiros a investir no Tesouro Direto. É o que indica a matéria publicada pelo Valor Econômico em 27/5/2015, assinada pela repórter Beatriz Cutait.

A reportagem Tesouro mais direto, do Valor Econômico, contou com a colaboração da Vérios. Em julho de 2016, ela foi reconhecida em com o Prêmio Imprensa de Educação ao Investidor da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Pelo terceiro ano consecutivo, a matéria que ganhou o prêmio na categoria jornal/cobertura nacional contou com a colaboração da Vérios. A educação financeira está no nosso DNA 🙂

De acordo com o jornal, o estoque de títulos em abril de 2015 chegou a R$ 17,6 bilhões, um aumento de 38% em um ano. Em março do mesmo ano, os novos investimentos alcançaram R$ 1 bilhão, e 12.570 novos investidores foram cadastrados – dois recordes na história do Tesouro Direto. A onda de crescimento continuou e o Tesouro Direto chegou a maio de 2016 com estoque de títulos de R$ 31,7 bilhões, praticamente o dobro do estoque da época em que a reportagem foi escrita.

Apesar desse crescimento recente, ainda é pequeno o número de investidores que atualmente investem em títulos públicos por meio do Tesouro Direto: apenas 294.396 (de acordo com o balanço de maio de 2016). Por quê?

Seu gerente ou assessor não vai apresentar essa opção

Mesmo com as mudanças na nomenclatura dos títulos, ainda é difícil para muitos investidores compreender as diferenças entre eles e tomar a decisão de investimento. Qual é a diferença entre investir no Tesouro Prefixado, Tesouro Selic ou Tesouro IPCA+? A resposta a essa pergunta cabe ao consultor, assessor ou gerente que cuida dos seus investimentos.

O problema, como pontuamos na entrevista ao Valor Econômico, é que eles provavelmente não vão apresentar a você os benefícios do Tesouro. O investimento direto em títulos públicos é um dos muitos pontos onde o conflito de interesses no mercado financeiro prejudica o cliente. Isso porque os títulos são pouco rentáveis para as instituições financeiras.

[cta id=”5102″]

Se você deixar nas mãos do seu gerente do banco as decisões sobre sua carteira de investimentos, ela poderá até ter títulos públicos, mas dentro de fundos de investimento de renda fixa do próprio banco – às vezes, cobrando um custo injustificável de tão alto.

Em entrevista ao Valor, um gerente de banco informou que a aplicação em títulos públicos prejudica a meta dos gerentes, que ganham mais se conseguirem vender produtos mais lucrativos para o banco, como LCI, LCA e CDB. Confira a matéria completa.

Além de não indicarem títulos públicos a seus clientes, os bancos costumam cobrar taxas altas para intermediar o seu investimento. De acordo com informações do Valor Econômico, Itaú e Bradesco cobram taxas de administração de 0,5% a.a., enquanto há grandes corretoras cobrando até 0,10%. É possível conferir essas taxas no site do Tesouro Direto

Tesouro Direto: títulos públicos em evidência
Infográfico publicado pelo Valor Econômico, com informações do Tesouro Nacional e Vérios Investimentos (clique na imagem para ampliar)

 

Saiba mais sobre o investimento no Tesouro Direto

Entenda as características do Tesouro Direto (como a grande previsibilidade de retorno, liquidez diária, baixo custo e baixíssimo risco de crédito), suas vantagens e desvantagens e conheça cada um dos títulos oferecidos no artigo Títulos públicos: o que são e como funcionam.

Invista em Tesouro Direto com a Vérios

Ao contrário dos bancos e assessorias que não informam seus clientes sobre as vantagens de investir nos títulos públicos, aqui na Vérios fazemos diferente.

Devido aos seus comportamentos distintos uns dos outros, os títulos podem ser usados para representar pelo menos três classes de ativos, com baixo custo e o menor risco. Por isso, estamos convictos do papel central que eles devem desempenhar em uma carteira diversificada. Descubra a carteira que recomendamos para o seu perfil.

Artigo atualizado em 4 de julho de 2016

Referências

Valor Econômico: “Tesouro mais direto”, 27/05/2015 (acessar no site do jornal ou fazer download em PDF

Balanço do Tesouro Direto – Maio de 2016

Este artigo foi útil para você?
Por que você ainda não investe no Tesouro Direto?
5 (100%) 2 votes

Compartilhe:
27 de Maio de 2015
Ultima atualização: 17 de agosto de 2018

Você pode gostar também…

1585478 min de leitura

Diversificação de investimentos: o que você precisa saber

“Tenha uma carteira de investimentos diversificada.” Esse é um mantra muito utilizado por profissionais sérios do mercado financeiro. Afinal, a diversificação de ...

Continue lendo
35918 min de leitura

Como reconhecer o conflito de interesses

Você paga por um serviço e espera que ele seja prestado de maneira a atender os seus interesses. Do outro lado do balcão, porém, também existe alguém com interesses...

Continue lendo
18723113 min de leitura

Títulos públicos: o que são e como funcionam

Os títulos públicos são ativos de renda fixa emitidos pelo Tesouro Nacional para financiar a dívida pública nacional. Eles possuem diversas características que o in...

Continue lendo

Autores

CEO da Vérios, a fintech que te ajuda a fazer investimentos inteligentes, de forma fácil, rentável e segura. Pode confiar. Felipe conta com mais de 10 anos de atuação no mercado financeiro, e em 2011 cofundou o site Comparação de Fundos, primeiro a dar transparência a mais de 15 mil fundos de investimento. É advogado pela USP e pós-graduado em Finanças Corporativas e Investment Banking pela FIA.

Comentários