Preços-alvo de corretoras: um exército de zumbis

investidor zumbi

Com o advento do home broker, comprar e vender ações tornou-se muito fácil e barato. Qualquer pessoa pode fazê-lo. Porém, investir em ações vai muito além de comprar e vender: é preciso saber o quê comprar e o quê vender. Quando, quanto, a que preço? A solução que o mercado encontrou para esse problema esconde uma armadilha que ilude muitos investidores incautos.

Exército de investidores

A expansão dos home brokers mudou a realidade do mercado. Onde antes havia apenas profissionais, especialistas e investidores dedicados, hoje há centenas de milhares de pessoas com pouca ou nenhuma experiência em investimento. Um verdadeiro exército de investidores zumbis, comprando e vendendo ações de acordo com as recomendações das corretoras.

Investir em ações não é um passatempo para as horas vagas. Se o objetivo é ganhar dinheiro, esse é um trabalho que exige muita dedicação e esforço. Como nem todos podem se dedicar da maneira adequada, algumas artimanhas foram criadas para facilitar o processo de tomada de decisão.

As corretoras difundiram bastante a análise gráfica. Retas de suporte, resistência, bandas de bollinger e outras terminologias que parecem científicas. Ela consiste na análise isolada dos movimentos do preço de determinado papel, para identificar tendências, supostamente determinando os melhores momentos para entrada e saída.

Com a simplificação da análise técnica e as diversas ferramentas disponíveis para desenhar linhas em gráficos, os investidores conseguem começar a operar instantaneamente, mesmo que não tenham idéia do que estão fazendo.

Para evitar a sensação dos clientes de que suas decisões de compra ou venda de dezenas de milhares de reais estão sendo tomadas de maneira simplória ou ingênua, as corretoras criaram um sistema de recomendação, que tira dos ombros do investidor o peso de realizar uma análise mais aprofundada.

Recomendações de preço-alvo: “comprar, vender, manter”

As corretoras ganham dinheiro quando seus clientes compram ou vendem ações. Para o negócio funcionar, elas precisam que as pessoas se sintam seguras para investir mais e mais.

Para criar essa sensação de segurança, corretoras contam com equipes que avaliam as empresas, realizando a análises fundamentalistas para que os clientes não precisem fazê-las. Teoricamente, são considerados todos os aspectos relevantes para determinação de um preço-alvo. O resultado é publicado abertamente ou para os clientes.

Munidas com as análises da corretora e os sistemas de análise gráfica, apoiadas na facilidade de comprar e vender pela internet, surgem legiões de médicos, advogados, estudantes de economia e muitos outros, que instantaneamente se transformam em operadores de ações. Lançam-se à bolsa de valores cheios de coragem, seguindo cegamente conceitos que acabaram de aprender e que pouco dominam.

Ancoragem

A primeira coisa estranha que notamos é como as recomendações de preço-alvo publicadas por corretoras são sempre fortemente influenciadas pela cotação.

Apesar das análises, as corretoras costumam revisar seu preço-alvo de acordo com o preço atual da ação. Esse fenômeno é chamado de ancoragem e é descrito de maneira excelente na Carta Dynamo. Vale a pena ler a Carta 45 por inteiro.

Quando se trata de valores mobiliários, é bastante comum ficar-se ancorado aos preços de mercado. No caso de ações, onde a quantidade de informações a serem processadas é muito extensa e dispersa, os preços no mercado costumam ser uma referência importante nas estimativas individuais. […] Mesmo os profissionais, gestores de fundos, estão sujeitos a esta armadilha, principalmente quando não confiam o bastante em seus próprios processos de análise. É muito frequente encontrar este tipo de comportamento também entre os analistas de mercado.

Modelo de negócio da corretora

O melhor cliente para as corretoras é o investidor que realiza muitas compras e vendas. E as instáveis publicações de preço-alvo ajudam nesse processo.

Para dar concretude a esse ponto, coletamos diversas recomendações das principais corretoras do mercado1 sobre a OGX ao longo de quase 5 anos. Admitimos que a escolha da OGX é um pouco enviesada para enfatizar o nosso argumento: é uma ação com forte volatilidade.

A linha azul do gráfico mostra a cotação da OGX, entre junho de 2008 e abril de 2013. Cada ponto vermelho mostra o preço-alvo indicado por uma das corretoras naquela data.

OGX: Cotação x Recomendações

Gráfico do preço das ações da OGX versus recomendações de preços-alvo de corretoras, entre junho de 2008 e dezembro de 2012
Fonte: BM&FBovespa e Relatórios de Corretoras

Repare que, enquanto a cotação sobe, as corretoras fazem revisões para cima e, enquanto a cotação cai, elas fazem revisões para baixo. Normalmente as revisões estão sempre atrasadas, portanto sem muita utilidade prática. Isso acontece por que o incentivo das corretoras é dar tranquilidade para o investidor negociar.

As corretoras são necessárias para quem quer investir em ações e muitas corretoras prestam um excelente serviço. Porém elas não possuem alinhamento de interesse com os clientes. Corretoras não ganham dinheiro quando você ganha dinheiro. Elas ganham quando você gasta com corretagem. Elas são fornecedoras de um serviço e cobram por ele.

1 O gráfico inclui recomendações das corretoras Ágora, BTG Pactual, Citi, Credit Suisse Hedging-Griffo, Deutsche Bank, Itaú BBA, Merrill Lynch, UBS e Santander.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+

Felipe é cofundador e CEO da Vérios. Atuou por 7 anos como agente de investimento credenciado pela CVM e Ancord e cofundou o site Comparação de Fundos, primeiro a dar transparência a mais de 15 mil de fundos de investimento. Felipe é advogado pela USP e especialista pós-graduado em Finanças Corporativas e Investment Banking pela FIA.

Cofundador da Vérios e diretor de Estratégia de Investimento. Resende é gestor de recursos credenciado pela CVM e especialista em Data Science, mas pode chamá-lo de "Father of Algorithms" :)