Quanto custa cada tipo de investimento? Descubra as taxas escondidas

Investir é transferir o seu dinheiro do presente para o futuro, e existem diversas maneiras de fazer isso. Todas elas, porém, têm um ponto em comum: custos. Afinal, não existe almoço grátis. Todos os produtos e serviços financeiros têm custos para você. Você tem uma ideia clara de quais custos está pagando para investir? Talvez você se surpreenda.

Ao contrário de outros itens de consumo, você não vê o dinheiro saindo quando “compra” um investimento: o preço que você paga para investir pode ser descontado em vários momentos e de várias formas diferentes. Por isso, os custos dos investimentos têm, digamos, uma tendência à invisibilidade. Some-se a isso a falta de transparência típica do mercado financeiro, e a realidade é que poucos investidores conseguem dizer, na lata, quais os custos que pagam para investir.

O que tem na sua carteira de investimentos hoje? Fundos, Tesouro Direto, CDB, talvez algumas LCIs? Neste artigo, vamos ajudar você a destrinchar os custos – muitas vezes ocultos e difíceis de compreender – que incidem sobre os principais tipos de investimento disponíveis no Brasil.

Tabela-resumo

Compare os custos que incidem em cada tipo de investimento.

tabela comparativa dos custos de investir

E então, com esse “mapa” em mãos, conseguiu enxergar melhor os custos que existem nos seus investimentos? Lembre-se: reduzi-los é a única forma garantida de aumentar a sua rentabilidade.

Quanto custa cada tipo de investimento? Descubra as taxas escondidas
4.79 (95.79%) 19 votos

Categorias: Ações, Compare e entenda, CDB, ETFs, Fundos de investimento, LCI e LCA, Poupança, Títulos públicos
  • Super Suporte

    Artigo show! Apenas senti falta de dados e informações mais claros como foi feito na parte da poupança. Por exemplo algumas previdências privada tem taxa de adm de 5%. Qual o impacto no patrimonio no longo prazo?

    Eu sei que é ABSURDO, mas tem muitas pessoas que acham que não, pois “estão deixando seu dinheiro com profissionais, pessoas que sabem o que estão fazendo…” e bem ou mal é um dos produtos que mais dão lucro… pros bancos rs.

    • Obrigado! Essas informações consolidadas não são divulgadas, de forma que a gente fica sem um “valor geral” ou médio para informar. Cada caso é um caso, a gente só vê esses custos na prática, avaliando as letrinhas miúdas dos regulamentos e monitorando diariamente as demonstrações da situação financeira dos fundos a cada dia. Aí a gente vê passar uma cobrança, depois outra, depois outra… E vai questionando e descobrindo muita coisa nova…

  • Alan

    Felipe,
    Parabéns pelo excelente texto. Bastante didático e esclarecedor. Há tempos que gostaria de te fazer uma pergunta, que com sua permissão, faço agora mesmo não tendo nada a ver com o tema deste seu post.
    Se achar melhor, pode me responder em meu email particular (alancost54@gmail.com)
    Se você já leu, qual a sua avaliação pessoal do livro Os Axiomas de Zurique, do Max Gunther?
    Obrigado desde já, e muito sucesso!
    Alan
    São José do Rio Preto – SP

    • Alan, obrigado pelo elogio! Por que demorou tanto para perguntar? Eu tento responder tudo que recebo, pode mandar!

      Eu li há muito tempo. O Resende também leu. Uma coisa que as pessoas nem sempre entendem é que ‘Os Axiomas de Zurique’ é destinado aos ESPECULADORES. O sexto parágrafo do livro já diz que o assunto dos axiomas é “apostar para ganhar”. Esse é um comportamento MUITO diferente dos INVESTIDORES, cuja tarefa é poupar para um futuro mais tranquilo.

      Especuladores querem arriscar para tentar multiplicar os ganhos, podendo sofrer grandes perdas. Investidores em geral querem segurança, ou uma dose controlada de risco. Ao ler esse livro, é importante saber se você é o público-alvo das recomendações, pois elas não servem ao grupo dos investidores. Por exemplo: diversificação não faz sentido para especuladores, mas é uma grande aliada dos investidores.

      Nosso trabalho na Vérios é destinado aos investidores. O que a gente escreve não faz muito sentido para os especuladores e “traders”. Espero ter esclarecido! Abs!

      • Alan

        Felipe,
        Obrigado pelo retorno e pela sua atenção. Ficou esclarecido sim. Era essa mais ou menos a idéia que eu fazia do livro.
        Abraços,
        Alan

  • Bruno Temp

    Faltou o custo do imposto de renda. Tirando a poupança (ou nem ela?) todo o resto é cobrado aquelas taxas do imposto de renda sobre o rendimento ?

    • Oi, Bruno.

      Se investimentos fossem um balde acumulando água, custos e impostos são os dois tipos de “furos” que causam vazamento e atrapalham nosso plano de acumular patrimônio. Porém, são suas coisas diferentes. Imposto não é um tipo de custo.

      Nos investimentos, existem alguns tipos de tratamento tributários diferentes. A gente não tem aqui num blog um artigo dedicado exclusivamente aos impostos, mas temos uma série de artigos que explicam como funciona cada tipo de investimento, e em cada um deles a gente explica como é a tributação. Dá uma olhada: https://verios.com.br/blog/category/como-funcionam/

      Abraço!

  • Nani Jacobsen

    Prezados,

    Senti falta dos custos com IR e IOF – questiono no Tesouro Direto não há emoluentes???

    Grata,

    • Olá, Nani.

      Tesouro Direto não tem emolumentos. Você paga a taxa de custódia de 0,30% ao ano para a B3 (Bovespa), a taxa de administração da sua corretora, e tem um spread bem pequeno pela diferença dos preços de compra e venda. Só isso.

      Sobre IR e IOF, o Bruno Temp fez a mesma pergunta aqui em outro comentário, então vou copiar a resposta que dei a ele.

      Se investimentos fossem um balde acumulando água, custos e impostos são os dois tipos de “furos” que causam vazamento e atrapalham nosso plano de acumular patrimônio. Porém, são suas coisas diferentes. Imposto não é um tipo de custo.

      Nos investimentos, existem alguns tipos de tratamento tributários diferentes. A gente não tem aqui num blog um artigo dedicado exclusivamente aos impostos, mas temos uma série de artigos que explicam como funciona cada tipo de investimento, e em cada um deles a gente explica como é a tributação. Dá uma olhada: https://verios.com.br/blog/category/como-funcionam/

      Abraço!

      • Nani Jacobsen

        Obrigada, Felipe!

        Mais uma pergunta, na tabela do tesouro mostra custo de custódia mas essa já estaria dentro da taxa de adm (0,95%), seria isso?

        Obrigada,

  • Agnaldo

    Olá, sou totalmente leigo sobre investimentos, uso poupança…Situação atual: entrou 210.000,00 e eu vou ter que me virar por talvez sei meses quando sai a aposentadoria (1600,00/mes)…porém dentro de dois meses perderei minha renda de 2500,00…e pago uma casa no valor de 628,00 (decrescente pra 20)… penso em pegar 50.000,00 deste montante e aplicar em tesouro selic para uso mensal….e o restante CDB 2 anos…Pergunta : Invisto no grande banco onde tenho uma conta uniclass, ou ainda compensa e terei um rendimento garantido pela Vérios?
    Obrigado, paz e sucesso pra todos.

    • Isabella Paschuini

      Oi, Agnaldo! Tudo bem?

      A sua estratégia de escolher o Tesouro Selic ou CDB é adequada, afinal você precisa dos recursos aplicados com a máxima segurança.

      Para investir no Tesouro Selic, é melhor fazer por meio de uma corretora como a Rico ou a Easynvest. Se você tentar aplicar no Tesouro Selic pelo seu banco, pagará uma taxa de 0,5% ao ano para o banco (se não me engano o Itaú cobra isso), enquanto as corretoras não cobram essa taxa, apenas a custódia do Tesouro Direto (0,3% ao ao). Quanto ao CDB, a vantagem no banco é que para fazer resgates e ter acesso rápido ao dinheiro é bem prático, o dinheiro cai direto na sua conta. Mas é preciso ver qual rendimento o banco está oferecendo para CDB DI de liquidez diária! Da última vez que olhei minha conta no Itaú, eles ofereciam rendimento de 78% do CDI, mas é possível obter um rendimento bem melhor.

      Quanto a investir com a Vérios, é uma ótima ideia, mas o ideal seria ir na carteira 1 (a mais conservadora, com maior percentual de Tesouro Selic). O que você acha de fazer o seguinte:

      – Aplicar a maior parte dos recursos direto no Tesouro Selic
      – Aplicar uma parte menor (equivalente a 6x as suas despesas mensais) no CDB do banco
      – Aplicar R$ 12 mil com a Vérios (nosso valor mínimo inicial) pra você ver como é e depois decidir sozinho se quer mudar tudo pra Vérios

      Se puder ajudar em algo mais, é só falar!

      Abraços,
      Isa

  • Pingback: Consórcio ou poupança: quais são 4 diferenças?()