Postado em: Tipos de investimentos>Poupança Por:
25 de Abril de 2016 Ultima atualização: 9 de outubro de 2018

Quanto você perde deixando seu dinheiro no rendimento da poupança

Investir na poupança é tão fácil. Só que ela tem um problema: O rendimento da poupança não é apenas baixo, como, atualmente, é menor do que a inflação. Seu dinheiro parece estar rendendo, mas você tem cada vez menos poder de compra.

25 de Abril de 2016

Estamos aqui só eu e você, podemos admitir sem ser julgados: nós amamos a poupança. É tão simples e prática, tão familiar. É como nossos pais investiam suas economias! E também nossos avós antes deles. Ah, investir na poupança é tão fácil…

Só que a poupança tem um problema, e você sabe disso. Ela não apenas rende pouco, como atualmente rende abaixo da inflação, corroendo uma parte do nosso poder de compra. Seu dinheiro parece estar rendendo, mas na verdade você tem cada vez menos. E, dependendo do quanto você já conseguiu acumular, o prejuízo pode ser considerável.

Neste artigo, vamos mostrar quanto você perde deixando seu dinheiro aplicado na caderneta de poupança e dar dicas úteis para quem busca melhores opções de investimento.

Você sabia? A caderneta de poupança é a forma mais antiga de aplicação financeira no Brasil. Ela foi criada em 1861 pelo Imperador Dom Pedro II, junto com a Caixa Econômica Federal.

Quanto é o rendimento da poupança?

Desde 2012, a regra que define a rentabilidade da poupança depende do patamar em que se encontra a taxa Selic, e funciona da seguinte forma:

Selic até 8,5% ao ano

Poupança rende 70% da Selic + TR

Selic acima de 8,5% ao ano

Poupança rende 0,5% ao mês + TR

A TR, ou Taxa Referencial, foi criada no Plano Collor II para ser o principal índice brasileiro de juros, mas na prática não conseguiu substituir a Selic. O valor mensal da TR é bastante baixo, raramente passa de 0,2%. No ano de 2013, por exemplo, houve 7 meses em que a TR foi igual a 0%.1

Você sabia? A forma de cálculo da rentabilidade da poupança foi alterada em 2012 para manter a sua rentabilidade sempre abaixo da taxa Selic. Com a queda da Selic em 2012, a poupança ficaria mais rentável que outros investimentos de renda fixa, e “puxaria” uma parcela ainda maior das economias dos brasileiros. Para evitar essa concentração de dinheiro na poupança, as regras foram alteradas, deixado a poupança menos atraente para o investidor.

Agora, vamos colocar mais algumas informações na mesa, para ver como estão essas rentabilidades hoje.

Cenário em abril de 2016

  • Taxa Selic: 14,25% ao ano
  • Inflação medida pelo IPCA nos últimos 12 meses: 9,43% ao ano
  • Rendimento da poupança2 nos últimos 12 meses: 7,53% ao ano


Já deu para perceber a discrepância entre os números. O rendimento da poupança fica abaixo da inflação e muito abaixo da taxa básica de juros da economia. Mas vamos a um exemplo prático.

Como a poupança te faz perder dinheiro

Pegamos emprestado uma comparação feita pelo site Bons Investimentos:

Suponhamos que há 1 ano você tivesse a oportunidade de comprar uma TV de última geração por R$ 5.000,00. Entretanto, por algum motivo você não efetuou a compra e deixou a quantia de R$ 5.000,00 na poupança.

Com o rendimento no último ano de 7,53% ao ano, você hoje tem R$ 5.376,50 e resolve finalmente comprar a TV. Ao chegar à loja, o vendedor informa que a TV aumentou de preço com base na inflação e custa atualmente R$ 5.471,50.

Ou seja, no início de 2015 você poderia comprar a TV de R$ 5.000,00, mas depois de 1 ano com o dinheiro do rendimento da poupança você ainda precisaria completar com mais R$ 95 para comprar o mesmo produto.

Parece pouco?

Imagine, então, que no lugar da TV você estivesse comprando uma casa de praia no valor de R$ 400.000,00.

Nesse caso, não só o seu dinheiro não teria rendido na poupança, como você precisaria completar com quase R$ 8.000.


Impacto maior no longo prazo

Atualmente, quem simplesmente deixa seu dinheiro na poupança por comodidade está perdendo em torno de 1,9% ao ano, considerando a diferença entre o rendimento da poupança e a inflação dos últimos 12 meses.

E se em apenas 1 ano já perdemos dinheiro, como seria uma perda dessa ordem de grandeza ao longo do tempo?

O gráfico a seguir ilustra como seria a evolução de um patrimônio inicial de R$ 50.000 considerando um rendimento da poupança de 7,53% a.a. contra um investimento que rende o equivalente à inflação de 9,43% a.a. (vale ressaltar que esse investimento não proporciona ganhos, apenas repõe o poder de compra do investidor).

inflação vs rendimento poupança

A diferença é enorme, e se acentua com o passar dos anos, devido ao efeito dos juros compostos. Em seguida, incluímos também na comparação um investimento fictício que renda exatamente 100% da Selic em 14,25%, já descontando os 15% do Imposto de Renda.

inflação selice e rendimento poupança


E então, vale ou não vale a pena sair da zona de conforto da poupança?

Saindo da poupança: por onde começar?

Se você está começando a guardar dinheiro agora e tem menos de R$ 12 mil, o caminho mais certeiro é começar a investir no Tesouro Direto, o programa de acesso aos títulos públicos do Tesouro Nacional.

Você terá que abrir conta em uma corretora e entender um pouco dos jargões usados para realizar as transações por conta própria. Mas, investindo no Tesouro Selic, você já começa com um rendimento atrelado à taxa Selic. Mesmo depois de descontados os custos, o rendimento é quase o dobro do que a poupança rende hoje e você pode resgatar a qualquer momento, o dinheiro cai na sua conta em 1 dia útil.

Uma opção tão fácil quanto a poupança, mas muito melhor

Se você já poupou R$ 12 mil ou mais, pode contar com um serviço de investimento melhor, a carteira inteligente da Vérios. Uma das vantagens é que ele é tão simples quanto a poupança: é só transferir o dinheiro. Nós cuidamos da parte complicada por você.

A Vérios faz a gestão dos seus investimentos de forma inteligente, alocando de forma diversificada em títulos do Tesouro Direto e um pouquinho de ações da bolsa brasileira e das bolsas norte-americanas, e você acompanha por um sistema bonito e fácil de entender, bem diferente da complicação que predomina no mercado financeiro.

Sempre que quiser investir um valor adicional, é só mandar o dinheiro para a sua conta. Não precisa se preocupar em ficar fazendo cálculos e dividindo o dinheiro entre diferentes produtos, a gente faz isso por você.

Quer dar uma espiada? Comece respondendo algumas perguntas para descobrir a carteira recomendada para o seu perfil.

***

Se ficou alguma dúvida ou você gostaria de saber nossa opinião sobre outras alternativas de investimento para o dinheiro que você está tirando da poupança, é só deixar seu comentário logo abaixo.

Esse artigo foi inspirado no levantamento originalmente publicado pelo site Bons Investimentos.

 

1Fonte: Portal Brasil

2Você pode simular o rendimento da poupança nesta calculadora disponível no site do Banco Central do Brasil.

Este artigo foi útil para você?
Quanto você perde deixando seu dinheiro no rendimento da poupança
5 (100%) 10 votes

Compartilhe:
25 de Abril de 2016
Ultima atualização: 9 de outubro de 2018

Você pode gostar também…

245 4 6 min de leitura

Como investir de forma inteligente, sem ser um especialista

Se você está aqui lendo este artigo, é porque tem um problema: você quer investir bem o seu dinheiro. Certo? Você não está procurando soluções financeiras porque...

Continue lendo
89 1 2 min de leitura

O melhor lugar para o seu dinheiro… pode não ser o banco

Você faz investimentos no banco onde tem conta corrente? Talvez já tenha se incomodado com algumas coisas. De um lado, a dificuldade de decidir onde investir: são prod...

Continue lendo
1227 30 13 min de leitura

Títulos públicos: o que são e como funcionam

Os títulos públicos são ativos de renda fixa emitidos pelo Tesouro Nacional para financiar a dívida pública nacional. Eles possuem diversas características que o in...

Continue lendo

Autores

CEO da Vérios, a fintech que te ajuda a fazer investimentos inteligentes, de forma fácil, rentável e segura. Pode confiar. Felipe conta com mais de 10 anos de atuação no mercado financeiro, e em 2011 cofundou o site Comparação de Fundos, primeiro a dar transparência a mais de 15 mil fundos de investimento. É advogado pela USP e pós-graduado em Finanças Corporativas e Investment Banking pela FIA.

Comentários