Quer se aposentar cedo? Comece seguindo estes 3 conselhos

Dicas para se aposentar cedo investindo melhor

É uma segunda-feira daquelas bem quentes e você está indo almoçar. Como o dia está corrido no escritório, você resolveu ir em um restaurante a quilo bem próximo do seu trabalho.

Após montar seu prato, você repara que o lugar está lotado, como de costume, mas acha uma cadeira ao lado de um senhor bem idoso.

O simpático velhinho, mais conhecido como seu Antônio, começa a puxar papo e conta grandes histórias sobre o Mundial de 50, que o Brasil perdeu no Maracanã! Sim, ele estava lá e você deduz que ele tem em torno de 80 anos.

Apesar da alegria, você percebe que ele parece cansado, afinal são muitos anos de batalha e a saúde já não é mais a de um garoto de 20 anos.

Papo vai, papo vem, você fica curioso e pergunta o motivo de aquele senhor estar no centro em um dia tão quente. Por que não está aproveitando um belo almoço em casa com sua esposa?

A resposta te deixa de queixo caído: ele está em seu horário de almoço. Ele ainda trabalha, mas não porque quer, e sim porque precisa: remédios e plano de saúde são muito caros.

Você sente um embrulho no estômago e nem consegue terminar o almoço.

Seu Antônio cuidou da vida como manda o figurino: foi um excelente aluno, arrumou um bom emprego, comprou seu carro, financiou sua casa por 30 anos e cuidou dos filhos de forma exemplar.

Viajava nas férias com a família, trocava de carro periodicamente, mas quase nunca sobrava dinheiro para poupar. Sempre ficava para o próximo ano: “Ano que vem eu começo a juntar”.

Esse “próximo ano” demorou algumas décadas. Aos 50, ele contratou um plano de previdência privada no seu banco, convencido pelo gerente.

Acreditava que iria se aposentar tranquilamente pelo INSS, afinal de contas a contribuição é obrigatória e todos merecem uma aposentadoria digna.

Mas, ao longo dos anos, a quantidade de dinheiro que ele recebe do INSS vem sendo corroída pela inflação. Antes, o dinheiro pagava as contas do mês e os remédios. Hoje, mal paga os custos do dia a dia.

Depois ele pensou: “Pelo menos eu tenho aquela previdência privada”. Mas percebeu que seu dinheiro não rendeu conforme as projeções do gerente.

A renda que ele recebe de aposentadoria (INSS e previdência privada do banco) não é suficiente e ele não quer ser um fardo para sua família, nem receber mesada do filho.

Seu Antônio conta, agora com tristeza nos olhos, que seus amigos estão em um cruzeiro e ele e sua esposa não puderam ir…

Mas ele ainda sonha com a aposentadoria dos sonhos:  viver em uma praia, tomando água de coco e dando um mergulho no mar todos os dias.

Se você tivesse um conselho que poderia ajudar o seu Antônio quando ele ainda era jovem, qual seria? Tenho certeza que você faria de tudo para ajudar o seu Antônio.

É justamente isso que eu quero fazer por você hoje: impedir que você se torne o seu Antônio.

Quero ajudar você a alcançar sua independência financeira o quanto antes, e que possa viajar, ter mais tempo para aproveitar sua família e nunca mais precisar de um despertador! Que suas maiores preocupações sejam escolher o tipo de vinho do jantar ou quais roupas colocar na mala. Que você durma tranquilo toda noite, sabendo que pode pagar um plano de saúde (que custa mais de R$ 2 mil por mês) e a educação dos seus filhos (a faculdade pode chegar a custar incríveis R$ 5 mil por mês).

Existem três erros que a maioria dos brasileiros cometem. Eles acabarão te obrigando a trabalhar até os 80 anos. Vou te mostrar como evitar esses erros e o mais importante: o que fazer em relação a cada um deles.

Dessa maneira, você não precisará trabalhar até os 80 anos ou depender de mesada dos seus filhos. Melhor: poderá antecipar sua independência financeira em muitos anos.

Os três erros são:

  • Contar com o INSS para a aposentadoria
  • Achar que a aposentadoria está longe e deixar para amanhã!
  • Ouvir os conselhos do gerente do banco

Conselho 1: Não conte com o INSS para sua aposentadoria

Ao analisar os números previdenciários, fica claro que o nosso sistema de previdência social, mais conhecido como INSS, está falido. Aliás, pra mim, essa sigla não significa Instituto Nacional do Seguro Social, mas sim Isso Não Serve para Sobreviver.

Para tentar remediar a situação, o Congresso deverá aprovar a reforma do sistema previdenciário proposta pelo governo. As regras da aposentadoria vão mudar. Mesmo que tenha trabalhado desde os 18 anos, você não poderá pendurar as chuteiras antes dos 65 anos.

Por que a reforma é necessária?

Porque nosso sistema previdenciário foi criado na forma de pirâmide, ou seja, os trabalhadores de hoje sustentam os aposentados. A contribuição de quem está se aposentando hoje já foi gasta de outras formas pelo governo!

A população está envelhecendo

No entanto, com o envelhecimento da população, a proporção entre trabalhadores e aposentados vai diminuir consideravelmente nos próximos anos.

Hoje existem nove trabalhadores na ativa para cada aposentado. A estimativa é que, até 2050, esse número seja de três trabalhadores para cada aposentado.

Abaixo reproduzo a pirâmide etária brasileira em 2000 e a projeção para 2040. Fica nítido, ao observar as colunas mais claras com a projeção, o envelhecimento da população brasileira.

piramide-etaria

Fonte: PNAD/IBGE

A taxa de natalidade está diminuindo (as pessoas estão tendo menos filhos) e, com o avanço da medicina e do acesso aos serviços de saúde, as pessoas vivem mais.

E o rombo previdenciário está crescendo

O que deveria ser motivo de alegria para todos torna a situação do INSS insustentável, uma bomba-relógio! Palavras do presidente do Tribunal de Contas da União em 2014 (leia aqui).

Sem falar na crise atual: com maior número de desempregados e o surgimento de mais empregos informais, cada vez menos pessoas contribuem para o INSS.

Essa questão fica evidente com a diferença entre a arrecadação e gastos do sistema — também conhecida como rombo do orçamento — que estamos observando nos últimos cinco anos (2016 e 2017 são previsões):

Rombo previdenciário: gráfico

As colunas azuis são os rombos anuais, e a linha laranja representa o valor acumulado.

O rombo acumulado em 2017 será da ordem de R$ 523 bilhões. Isso mesmo, bilhões! Você já sabe quem vai pagar essa conta, né?

Somos nós, claro!

As principais medidas da reforma da previdência são:

  • Aumento da idade mínima para se aposentar (65 anos)
  • Maior tempo de contribuição (no mínimo, 25 anos)
  • Renda menor aos aposentados

Ou seja, você terá que trabalhar mais tempo para se aposentar, contribuir mais e, no final terá uma renda menor. Parece um bom negócio?

Veja a evolução de quantos salários mínimos um pensionista do INSS recebia, de acordo com o valor máximo pago pelo INSS:

Teto do INSS e salários mínimos ao longo do tempo

Em 2004, uma pessoa que se aposentou pelo teto do INSS recebia o equivalente a 9,6 salários mínimos. Hoje, essa mesma pessoa recebe 5,9 salários mínimos.

Você acha que ela consegue manter o mesmo padrão de vida que em 2004?

O mais alarmante é que a curva é decrescente. Já imaginou se aposentar recebendo apenas 1 salário mínimo? Como seria sua vida recebendo apenas um salário mínimo para sustentar sua família? Dá para pagar plano de saúde? Comprar remédios?

Fica claro que o INSS é uma bomba-relógio e, se você depender apenas da renda da previdência social, suas chances de trabalhar até os 80 anos são imensas.

Infelizmente, a contribuição para o INSS é obrigatória. Mesmo assim, eu nem considero que o INSS existe. E você também não deveria contar com ele na sua conta de aposentadoria.

Se receber algo, ótimo, uma graninha extra. Mas contar com esse sistema não dá!

Conselho 2: Comece cedo

Na escola e na faculdade aprendemos muitas coisas que não utilizamos em nossas vida, concorda? Eu nunca fui fã de química e sempre me atrapalhei com aqueles fenóis da vida.

Aposto que tem um monte de coisa que você nem lembra mais, né? Sabe a fórmula de Bhaskara? Usou ela essa semana? (Se estiver ensinando aos seus filhos não conta, tá?!).

Agora imagine se tudo que fosse ensinado nas escolas e faculdades tivesse aplicação no mundo real! No meu site, o Investidor Rico, eu me proponho a ensinar coisas que tenham uma aplicação prática na sua vida. E se eu tivesse que te ensinar apenas uma coisa, eu precisaria de apenas três palavras:

Se pague primeiro!

É incrível como as coisas mais importantes da vida são tão simples.

Se você tiver o poderoso hábito de separar uma parcela de TUDO que você ganha, desde o seu primeiro salário, para a sua independência financeira, as suas chances de sucesso beiram os 100%.

Existem dois motivos que demonstram que começar a poupar antes é a chave do sucesso:

  • A criação do hábito de poupar (um dos hábitos mais importantes dos milionários); e
  • O efeito exponencial dos juros compostos.

Por que criar o hábito de poupar?

Os ricos sabem que riqueza é feita através da construção de patrimônio, compra de ativos e sua consequente renda passiva. Ou seja, ao invés de consumir 100% da sua renda, eles investem uma boa parte e fazem o dinheiro trabalhar para eles, não o contrário.

Quando você gasta tudo que ganha, você vira um escravo do dinheiro, depende do seu emprego e se torna um pagador crônico de contas. Em suma, você vira um gastador pobre.

Não importa qual é a sua renda, SEMPRE se pague primeiro. Você pode achar que pequenos valores não fazem a diferença, mas eu te garanto que é o contrário!

Nosso cérebro não foi feito para enriquecer. Ele favorece os pequenos prazeres de curto prazo. Só que a habilidade de adiar a gratificação (trocar prazer hoje por um benefício maior na frente) é fundamental para uma vida de sucesso. Isso é comprovado cientificamente, através do estudo do renomado psicólogo Walter Mischel, autor do famoso Teste do Marshmallow (ao final do artigo, você vai ver um vídeo engraçadinho sobre isso).

A mágica dos juros compostos

Ainda não está convencido que começar a poupar desde cedo é extremamente importante? Vou te mostrar isso com números.

Para facilitar a visualização, vou projetar a diferença entre juros simples e juros compostos.

Muita gente reclama: “Ah a diferença em um ano é mínima.” Verdade. Porém, ao longo dos anos, isso se torna uma mentira, e das grandes!

Duvida? Veja o gráfico abaixo:

Gráfico de comparação de juros simples e compostos

No exemplo acima, temos R$ 1.000 aplicados a uma taxa de 12% ao ano. Observe como a partir do décimo quinto ano a diferença começa a ser brutal! No final do período de 30 anos, você teria um patrimônio seis vezes maior!

O tempo é um dos seus maiores aliados e, juntamente com o efeito dos juros compostos, você multiplica pequenas quantias.

R$ 1.000 aplicados durante 50 anos a uma taxa de 12% ao ano se transformam em incríveis R$ 289 mil. E nesse caso eu nem considerei aportes adicionais!

Até o gênio Albert Einstein concorda que os juros compostos são uma força que você não deveria desprezar, como demonstrado pela sua célebre frase:

Juros compostos são a força mais poderosa do Universo.

Albert Einstein

O tempo é seu aliado

Você quer se tornar milionário e conquistar o seu primeiro milhão? Saiba que o tempo também é seu aliado nessa jornada.

Além disso, quanto antes você começar, menos dinheiro precisará aportar mensalmente para conseguir seus objetivos.

Com apenas R$ 328 por mês, ao considerar uma taxa de juros de 12% ao ano, você pode ficar milionário. Quer ver como?

Imagine que você e um amigo resolvam ficar milionários! Você leu e entendeu a importância de começar cedo e começará a poupar hoje. Já o seu amigo disse que prefere começar daqui 10 anos.

Trinta anos depois, quem tem mais chances de alcançar o objetivo? Você, que precisa aportar R$ 328 por mês, ou seu amigo, que irá começar os aportes em R$ 1.097?

Gráfico de projeção do investimento mensal para ficar milionário

É bem provável que, com o desenvolvimento do seu hábito de poupar, você ainda consiga aportar mais e antecipar o seu objetivo!

Seu amigo provavelmente estará gastando toda sua renda, pois, ao não criar o hábito de poupar, ficamos muito suscetíveis ao consumismo. Afinal, somos bombardeados o dia inteiro com propagandas!

Mesmo que seu amigo consiga poupar, ele terá que colocar mais que o dobro do dinheiro que você vai colocar. Ao longo de 30 anos você irá investir R$ 118 mil, e o seu amigo, R$ 263 mil!

Está esperando o que para começar a investir bem agora?

Conselho 3: Não aceite as “dicas” do gerente do banco

Bem, agora você já sabe que o INSS está falido e sua independência financeira não pode depender do governo. Afinal, ser obrigado a escolher entre trabalhar até os 80 anos ou viver com um salário mínimo não é a aposentadoria desejada por ninguém!

Você também aprendeu que a lição mais importante de todas é: se pague primeiro. Não importa quanto você ganha, você precisa SEMPRE separar uma parcela para o você do futuro. Ao se pagar primeiro sempre, suas chances de alcançar a independência financeira são enormes, pois você terá o hábito de poupar e o tempo ao seu lado!

Que tal acelerar esse processo? Alcançar a independência financeira mais cedo? Isso tem a ver com meu terceiro conselho:

Seguir as “dicas quentes” do gerente é caminho mais rápido para enriquecer… o banco!

Muitas pessoas cometem o erro de seguir as dicas do gerente do banco e atrasam a independência financeira em vários anos por causa de investimentos ruins.

Para facilitar a sua vida, vou te mostrar onde não investir. Se você ficar fora desses investimentos, tem boas chances de acelerar sua independência financeira em pelo menos 15 anos!

Onde não investir

Poupança

  • Ao contrário do que muitos pensam, NÃO é o investimento mais seguro
  • Títulos públicos são mais seguros: a garantia do governo é maior que a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC)
  • Mesmo com a isenção de custos e Imposto de Renda, a rentabilidade é muito baixa
  • Os rendimentos só ocorrem na data de aniversário

Títulos de capitalização

  • Não são investimento
  • São uma forma de loteria, com sorteios periódicos
  • A rentabilidade é ridícula
  • Há uma multa para sair ou resgatar antes do prazo

Fundos de investimento em renda fixa com taxa de administração acima de 0,50%

  • Compram basicamente títulos públicos atrelados à taxa Selic
  • Cobram caro por isso!
  • Baixa rentabilidade, pois o custo é elevado
  • Ainda tem o efeito come-cotas: o Imposto de Renda cobrado semestralmente diminui o efeito dos juros compostos

Fundos de previdência privada

  • Têm taxas altas de administração e carregamento
  • O benefício fiscal não é uma isenção fiscal, mas sim uma postergação!
  • Baixa rentabilidade e multas, caso queira sacar antes
  • É o produto mais lucrativo… para os bancos e gerentes!

Pequenas diferenças na rentabilidade fazem uma enorme diferença no resultado final.

No gráfico abaixo eu fiz uma simulação de aportes mensais de R$ 500 durante 25 anos. E coloquei a taxa variando, pra você ver a diferença no resultado final.

Comparação dos rendimentos com diferentes taxas de juros

Veja como pequenas diferenças na rentabilidade dos seus investimentos mudarão drasticamente o seu resultado final.

Obter um ganho de 2% em relação às aplicações bancárias oferecidas pelo seu gerente é muito simples: as taxas cobradas pelos bancos são tão abusivas que você consegue esses 2% apenas economizando nos custos!

Não precisa ser nenhum gênio dos investimentos, basta investir em um lugar mais barato, geralmente em corretoras.

Se você deixa o dinheiro no banco porque não quer se preocupar com isso, procure uma fintech, de preferência a própria Vérios. Você vai ver que, apesar de ser uma empresa digital e não ter agências com centenas de gerentes espalhados pela cidade, é um serviço seguro e o atendimento é muito superior.

Para a Vérios fazer pra você a gestão de uma carteira com aplicações diversificadas, você vai pagar em média R$ 12 por mês, caso invista R$ 50 mil. Quanto você paga para o seu banco por mês?

Além disso, é feito um controle para que os custos totais da sua carteira, incluindo corretagem, taxa de custódia etc, nunca ultrapassem 0,95% ao ano sobre o valor aplicado.

A transparência é total e você pode acompanhar seus investimentos em uma interface bem melhor que o site do banco ou mesmo o da corretora, que não é dos mais amigáveis.

Se você quer se aprofundar mais nesses três conselhos, neste link falo não apenas de previdência, mas de outros erros bem comuns…

Torço para que meu texto tenha te ajudado. Seguindo os três conselhos, você estará no caminho certo para se aposentar cedo. Essas eram as dicas que eu gostaria de ter dado ao seu Antônio no passado.

Para terminar, aqui está o vídeo que prometi, é muito bom:

Quer se aposentar cedo? Comece seguindo estes 3 conselhos
4.93 (98.57%) 14 votos

Categorias: Iniciante, Intermediário, Aposentadoria, Planejamento pessoal
  • Fritz

    Texto fantástico, Tiago.
    Passamos essas mesmas mensagens aos nossos participantes: (i) de que o INSS não será suficiente, (ii) de que o quanto antes você começar, melhor, pois será menor o esforço e maior será a recompensa; e (iii) fugir de dicas “quentes” de investimento, principalmente daqueles profissionais com conflitos de interesse.
    O grande problema que percebemos é que o brasileiro é imediatista pra tudo. No caso dos mais antigos, talvez por influência da inflação alta que corroía rapidamente o salário e então o forçava a comprar tudo o que podia antes que perdesse seu poder de compra. E essa nova geração quer ter em poucos anos o que seus pais levaram décadas para conseguir. Aí acabam casando com dívidas que vão fadá-los a uma vida medíocre e frustrante. Está aí na nossa economia estagnada o efeito desse tipo de pensamento.
    A abordagem que percebemos que tem gerado mais impacto é perguntar a pessoa se ela realmente se ama. Quer ato maior de amor do que se preocupar com o seu futuro, em outras palavras, deixar de usufruir algo hoje por você amanhã?

    • Legal essa abordagem, Fritz!
      Eu tenho um pensamento parecido, e minha tia sempre achou que é engraçado, mas que é uma boa forma de pensar: quando eu mando dinheiro pra minha carteira na Vérios, eu digo que tô mandando pro Felipe Velhinho, que ele vai precisar mais desse dinheiro do que eu.
      Abs!

      • Fritz

        Está perfeita a tua linha de raciocínio, Felipe. Estamos bem alinhados.
        Se tu fosse uma mulher, te pediria em casamento! rs
        Abraço.

    • Obrigado, Fritz! Esse é pra mim o princípio básico do sucesso financeiro: se pagar primeiro! Mas quem se paga primeiro hoje em dia? Tudo está na frente! E muito legal a forma de pensar Felipe!

  • Amauri Barros

    Muito bom o texto, passei o link para diversos amigos que não poupam NADA aprenderem alguma coisa. Uma pergunta, entendo de forma muito clara os motivos de um PGBL não ser um bom negócio, mas, existem algumas empresas que depositam 50% da contribuição do funcionario. Exemplo: O funcionário contribui com 4% e a empresa com 2%, totalizando 6% do salário. Nem nesse formato vale a pena? É melhor dispensar os 2% da empresa e utilizar o dinheiro em outras aplicações?

    • Olá, Amauri.
      Sim, existem até empresas que depositam 100% do valor da contribuição do funcionário, já trabalhei numa empresa que tinha um plano desses.
      Nesse caso, como você tem uma “rentabilidade de 100% à vista”, costuma valer a pena, mesmo com todos os problemas do plano de previdência. Precisa ficar atento ao prazo, pois geralmente você só recebe esse valor se trabalhar mais de 5 anos na empresa. No meu caso, fiz os depósitos durante 2 anos e saí de lá sem levar nem um centavo do valor depositado pela empresa, eles pegaram tudo de volta. Aí não valeu a pena. =(
      De qualquer forma, os detalhes podem variar muito de um plano pra outro. Não é possível ter uma conclusão geral, é necessário avaliar caso a caso.
      Abs!

    • Obrigado, Amauri. O que o Felipe falou está perfeito: tem que ver as condições do plano. Se você não pretende ficar muitos anos na empresa, geralmente não compensa.

  • Matheus

    Passei pelo mesmo problema do Felipe.. contribuía com o teto da Previdência privada na forma que a empresa contribuísse com o mesmo valor. Fiquei 2 anos e saí. Ganhei “o que a Maria ganhou atrás da horta”, como diz minha avó.

    Impressionante o fato que, após começar a poupar, isto meio que vicia. Comecei a estabelecer alguns controles, fechei um budget para o próximo ano. Vou casar e, mesmo assim, o que sobra eu invisto. E sobra! Basta ter controle.

    Eu quero me aposentar com 60 anos. Faltam trinta. 😉

    • Isso aí Matheus: o Poder do Hábito (o livro do mesmo nome é sensacional) é muito poderoso. E para alcançar a independência financeira poupar é requisito número #1!

  • Felipe Leite

    O gráfico em barra do Teto do INSS não tem começa em 0, distorcendo a informação. A situação do INSS é ruim mas nem tanto, no gráfico a impressão é de que a queda foi de quase 80% quando na verdade foi próxima de 40%. No mais, excelente artigo!

    • Olá Felipe, tudo bem? Obrigado pelo comentário! Eu mesmo não tinha percebido que começa do 5! Mas a ideia não era distorcer os números não! Vamos alterar lá no texto. Mais uma vez, obrigado pela observação!