Rankings

Atualização: A ferramenta de rankings não está mais disponível.

Desenvolvemos uma ferramenta de ranking em nosso site, mas tenha cuidado. Os rankings possuem algumas armadilhas e devem ser usados com cautela. Utilizamos outros filtros e avaliações para nossa seleção de investimentos e gestores e não apenas a rentabilidade.

Desempenhos anormais, não necessariamente bons

Os rankings podem ser úteis, mas geralmente eles enganam mais do que ajudam. O grande problema é que no topo das listas ficam os fundos com desempenho fora do esperado. Normalmente estes resultados são obtidos porque os gestores assumiram riscos elevados e não necessariamente porque fizeram uma boa gestão dos recursos. Estratégias de alto risco, quando bem sucedidas, geram grandes euforias que costumam terminar em decepções ou frustrações por parte daqueles que procuram um bom rendimento.

O grande problema dos rankings é que eles destacam fundos com resultado fora do esperado, muitas vezes obtido com riscos elevados

Para cada fundo que se destaca no topo do ranking de rentabilidade, você deve ter a consciência de que existem outros tantos no fundo do poço. Infelizmente, o hábito nos leva a olhar somente os vencedores.

Um bom exemplo para ilustrar nossa posição é o fundo GWI Leverage. Em 2007 ele foi um dos líderes no ranking. Porém, este fundo assumia um risco extremamente elevado e, no ano de 2008, ele perdeu quase todo o patrimônio dos cotistas, inclusive os ganhos dos anos anteriores. Veja o histórico na tabela abaixo.

GWI Leverage
Ano Retorno no ano Retorno acumulado
2004 51,4% 51,4%
2005 35,4% 105,0%
2006 78,9% 266,9%
2007 90,3% 598,2%
2008 -98,2% -87,2%
2009 244,0% -55,8%
2010 -34,0% -70,8%
2011 -86,8% -96,2%
2012 2,1% -96,1%

Problema do fracionamento do tempo

Outro problema dos rankings está relacionado ao péssimo hábito do mundo das finanças de fracionar o tempo em meses e anos. Rankings podem nos levar a decisões de alocações equivocadas, baseadas em ciclos que encerram-se com o calendário. Na verdade, os mercados e as operações continuam gerando ou destruindo valor para os investidores.

Além disso, o mercado divulga excessivamente o resultado acumulado no ano, o que acaba por dar um peso maior aos primeiros meses. Janeiro está sempre presente, enquanto dezembro só aparece no final. Na prática, a rentabilidade de janeiro e dezembro possuem o mesmo impacto no resultado dos seus investimentos e deveriam ser igualmente considerados em suas decisões sobre em quais fundos investir.

Desenvolvemos a ferramenta de rankings pois ela atende a curiosidade de muitos clientes e usuários. Ela também nos permite visualizar discrepâncias e movimentos do mercado de fundos, assim como identificar estratégias Kamikazes. Mas a experiência nos mostra que as verdadeiras fortunas são construídas pela constância, disciplina e capacidade de bons gestores agregarem valor continuamente aos recursos de nossos clientes.

Rankings
5 (100%) 1 voto

Categorias: Por dentro da Vérios