Rendimento da poupança não vale a pena; confira alternativas

Entenda qual é o rendimento da poupança e conheça alternativas de investimento

 Sabe aquele dinheiro que você manda direto para a caderneta de poupança? Você faz ideia de quanto essa grana rende? Se a sua resposta foi “não”, pode ficar tranquilo porque boa parte dos brasileiros desconhece a rentabilidade dos recursos aplicados na poupança, assim como as regras de cálculo do rendimento da tradicional caderneta.

Compreender isso é fundamental para que você possa tomar melhores decisões de investimento, inclusive observando aplicações financeiras mais rentáveis que a poupança. Mas esse é um assunto para mais à frente. Primeiro vamos entender como funciona o rendimento da poupança.

Como funciona o rendimento da poupança

Desde 4 de maio de 2012, a regra que define o rendimento da caderneta de poupança depende do nível da taxa básica de juros da economia (a chamada Selic). A partir daquela data, portanto, os rendimentos dos depósitos realizados na poupança passaram a ser calculados assim:

  • Caso a Selic esteja num patamar menor ou igual a 8,5% ao ano, a poupança rende 70% da Selic mais a TR (Taxa Referencial);
  • Se a taxa básica de juros for superior a 8,5% ao ano, a poupança possui rentabilidade fixa: 0,5% ao mês mais a TR.

Taxa Referencial (TR): o que é isso?

Mas, afinal, o que é e como funciona essa tal de TR que influencia no rendimento da poupança?

Além de influenciar na rentabilidade da poupança, a TR também serve como correção monetária dos depósitos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e das parcelas de financiamentos imobiliários.

Criada no Plano Collor II, no início dos anos 1990, com o objetivo de ser o principal índice de juros no Brasil, essa taxa não teve êxito em substituir a Selic. O fato é que o valor mensal da Taxa Referencial é bem baixo e dificilmente ultrapassa 0,2% — em 2016, por exemplo, a taxa ficou estacionada em 0,15% de março a dezembro, sendo que em fevereiro havia marcado 0,03%.

Rendimento só no “aniversário” da poupança

Um detalhe importante sobre o rendimento da poupança é que a remuneração dos depósitos só ocorre mensalmente, no chamado “aniversário”. Ou seja, uma aplicação feita no dia 30 de abril só terá acréscimo de juros no dia 30 de maio e por aí vai – todo dia 30, a remuneração incidirá sobre o valor investido.

Por isso, é preciso tomar cuidado: ao resgatar os recursos antes da data de aniversário, você não ganhará nada com a aplicação. Além disso, se os aportes forem realizados em diferentes dias, a remuneração de cada depósito seguirá uma data de aniversário específica.

Rendimento baixo

A partir de julho de 2013, a taxa Selic começou a subir mês a mês, saindo de 8,5% ao ano até atingir 14,25%, em uma escalada que só foi terminar em outubro de 2016, quando o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) decidiu reduzir a taxa para 14%. A expectativa é que o juro básico caia ainda mais neste ano, podendo chegar a 8,5% ao fim de 2017 (nesse patamar, a poupança passaria a render os 70% da Selic mais TR). Atualmente, a Selic está em 11,25%.

O movimento de alta dos juros nos últimos anos teve como objetivo conter a disparada da inflação (IPCA) no país, que bateu 10,67% em 2015, ano em que a crise econômica explodiu mais fortemente no Brasil. Como reflexo disso, a poupança teve uma rentabilidade real (descontada a inflação) negativa. Ou seja, quem deixou dinheiro aplicado na caderneta perdeu feio para o “monstro” da inflação, já que o rendimento da poupança naquele ano foi de 8,15%. Isso significa que o dinheiro na poupança vale menos. Na prática, perde-se dinheiro.

No ano passado, a poupança mostrou recuperação, com retorno de 8,30%, superando a inflação de 6,29%. Ainda assim, o rendimento da poupança continua perdendo para outros tipos de investimento. Para se ter uma ideia, o CDI (Certificado de Depósito Interfinanceiro) – taxa referencial das aplicações de renda fixa conservadores – ficou 7,25% acima da inflação, enquanto a poupança bateu o IPCA em apenas 1,90%.

Impacto da inflação: você pode perder dinheiro na poupança

Veja, abaixo, quanto rendeu a poupança nos últimos cinco anos e a evolução da inflação no período:

Poupança minguada: compare o rendimento da poupança com a inflação

Ano

 

 

Poupança

   

IPCA

   

Rentabilidade real

2012
 
 
6,47%
   
5,84%
   
0,63%
2013
 
 
6,37%
   
5,91%
   
0,46%
2014
 
 
7,16%
   
6,41%
   
0,75%
2015
   
8,15%
   
10,67%
   
-2,52%
2016
   
8,30%
   
6,29%
   
2,01%

Fontes: Economática e IBGE

Opções de investimento mais rentáveis que a poupança

Mesmo com todas essas evidências de que a poupança não vale a pena, não dá para ter dúvida de uma coisa: ela é a aplicação financeira queridinha do brasileiro.

Diversas pesquisas mostram como os atributos da tradicional caderneta conquistam o investidor há décadas. Isso não é à toa, afinal quem não gosta de investir em uma aplicação que tenha boa liquidez, praticidade e segurança?

Agora imagine ter tudo isso com um ingrediente adicional: uma rentabilidade maior que a da poupança. Aplicações como CDB (Certificado de Depósito Bancário), Tesouro Selic (um dos títulos públicos oferecidos no Tesouro Direto) e as carteiras oferecidas por fintechs, como a Vérios, têm oferecido opções de investimento que batem a poupança.

A única vantagem que é exclusiva da poupança em comparação com as as opções acima é a isenção de Imposto de Renda (IR), mas o rendimento da caderneta é tão minguado que esse benefício nem faz diferença. Outras opções acabam rendendo mais que a poupança mesmo tendo a incidência do IR.

Tesouro Selic

Na “família” de papéis oferecidos na prateleira do Tesouro Direto, plataforma de compra e venda de títulos públicos pela internet (conheça mais detalhes sobre o Tesouro Direto neste texto), o Tesouro Selic tem uma característica que chama atenção: ele apresenta menos volatilidade em relação aos seus “irmãos”. Por não sofrer com as variações nos juros, esse papel é indicado para quem precisa de liquidez. Após solicitar o resgate, o dinheiro estará em conta em apenas um dia útil.   

Na prática, se surgir um imprevisto ou acontecer uma emergência, você pode resgatar o dinheiro aplicado antes do vencimento do título, e não terá nenhum susto com a rentabilidade no período. O rendimento do Tesouro Selic é diário, diferentemente da poupança, que possui remuneração mensal, conforme já falamos acima. Ele vai render um pouquinho todo dia.

Mas e a segurança? Além de render mais que a poupança, os títulos públicos são ainda mais seguros que a tradicional caderneta. Enquanto a poupança embute o risco de o banco falir e você ter apenas a proteção do chamado Fundo Garantidor de Créditos (FGC) no limite de R$ 250 mil, no caso dos títulos públicos o risco de crédito é baixíssimo. Esses papéis da dívida pública são o investimento mais seguro do mercado, já que possuem a garantia do Tesouro Nacional, considerado o melhor credor da economia.

CDB (Certificado de Depósito Bancário)

Emitido por bancos, o CDB é um título de renda fixa usado pelas instituições financeiras para captar recursos para realização de empréstimos. Em bancos, corretoras, distribuidoras e plataformas de investimento, é possível encontrar CDBs com liquidez diária e retorno maior que o da poupança.

A vantagem é que esses papéis também contam com cobertura do FGC, mas atenção: o montante garantido pelo Fundo leva em consideração a soma do valor investido e o rendimento obtido. Leia mais neste artigo.

Fintechs

As chamadas fintechs de investimento também têm sido uma alternativa para o investidor que busca um rendimento superior ao da poupança, sem deixar de ter segurança e facilidade em resgatar o dinheiro quando tiver necessidade. Um exemplo dessas novas empresas é a Vérios, que gerencia uma carteira de investimentos individual, automatizada e diversificada usando títulos públicos do Tesouro Direto e ETFs.

Detalhe: a segurança é a mesma que aplicar por um grande banco ou uma corretora. Assim como na poupança, tudo o que você precisa fazer é uma transferência bancária. O dinheiro vai direto para a conta da corretora que, por sua vez, alocará os recursos conforme a estratégia de investimento estruturada pela Vérios. Lembrando que o serviço é indicado para objetivos de médio e longo prazo e que o prazo para ter os recursos em conta após solicitar um resgate é de cinco dias úteis.

***

Você sabia?

Com a Vérios você tem uma carteira de investimentos inteligente, diversificada, segura e adequada ao seu perfil de risco. A experiência de investir é tão fácil quanto mandar dinheiro para a poupança: tudo que você precisa fazer é uma transferência da sua conta bancária para a sua conta na corretora que é gerenciada pela Vérios. A diferença está na rentabilidade. Compare os resultados em 2016:

Faça uma simulação gratuitamente e confira quanto pode render o valor que está parado na sua poupança.

Rendimento da poupança não vale a pena; confira alternativas
5 (100%) 11 votos

Categorias: Planejamento pessoal, Poupança
  • Lineu

    Existe alguma boa alternativa para quem mora fora do país e não pode abrir conta em corretora e precisa investir via banco público?

    • Isabella Paschuini

      Oi, Lineu. Você tem conta em um banco público, certo? Chegou a pesquisar as opções de aplicações que eles oferecem para você?

      Nós sempre recomendamos o Tesouro Direto, mas em geral bancos cobram uma taxa alta porque preferem vender seus próprios produtos, o que acaba tornando os títulos do Tesouro menos atrativos.

      Se quiser nos contar mais detalhes, mande uma mensagem para falacomigo@verios.com.br.

      Abraços

  • Renan Mazzarolo

    Se a SELIC ficar abaixo dos 8,5%, quer dizer que quem tem investimentos atrelados a SELIC irá perder dinheiro para a poupança?

    • Isabella Paschuini

      Oi, Renan!

      Então, de acordo com a nova regra da poupança, quando a Selic estiver num patamar menor ou igual a 8,5% ao ano, a poupança passa a render 70% da Selic (mais a TR). Assim, ela estará sempre rendendo um pouco abaixo da taxa básica de juros.

      Agora tem o caso de pessoas com investimentos atrelados a Selic (por exemplo alguns fundos de renda fixa de bancos) com taxas de 3%, 4% ao ano. Num caso assim, é bem provável que a poupança renda mais… Por isso é tão importante estar atento aos custos dos investimentos.

      Respondi sua dúvida?

      • Renan Mazzarolo

        Oi Isa,

        Acredito que sim, hehe.

        Olhando o histórico da taxa Selic, a minima dela foi 7,12 em 2013, desta forma é difícil a poupança render menos a não ser que alguém tenha um fundo com uma taxa conforme você mencionou.

        Até.

  • Luiz Arthur

    Considerando poupança com valores depositados até 03/05/12, em que permanece a regra antiga, em caso de Selic < 8,5% a poupança sai ganhando em relação aos demais investimentos de renda fixa?

    • Danylo Martins

      Oi, Luiz. Obrigado pelo seu comentário. Nesse caso, vale a regra antiga, cujo parâmetro é igual ao praticado hoje. Ou seja, o rendimento é de 0,5% ao mês mais a TR. Para saber se a poupança vai bater, em rentabilidade, outros investimentos de renda fixa, o ideal é compará-la com as opções existentes no mercado, lembrando de descontar os custos e impostos de cada investimento. Por exemplo, CDB tem cobrança de Imposto de Renda pela tabela regressiva, enquanto a poupança é isenta de IR. O mais importante é comparar o rendimento líquido (descontados custos e impostos) e real (descontada a inflação). Espero ter ajudado na sua dúvida. Abraços.

  • Olá pessoal da Verius! Parabéns pelas dicas do artigo, sempre interessante informar para os iniciantes o real rendimento da poupança e como ela funciona. Eu tenho um site que mostra todos os dias a taxa de rendimento da poupança. Gostaria de indicar o link para que complemente ainda mais o conteúdo do artigo acima. Obrigado pelo espaço.
    http://poupancarendimento.com.br – Abraços!

  • Pingback: Como organizar suas finanças()