Rentabilidade da Vérios em 2016

Rentabilidade das carteiras de investimento da Vérios em 2016

É super comum, no começo do ano, gestoras de investimentos divulgarem a rentabilidade que seus fundos ou carteiras obtiveram no ano anterior. Essas informações costumam ser usadas como argumento de venda para estimular mais pessoas a aplicar naqueles produtos que mais renderam no ano passado.

Na Vérios não concordamos com isso pelo simples motivo de que rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura. Essa frase sempre estará escrita em letrinhas miúdas, porque fazer esse alerta é uma obrigação imposta às instituições financeiras. Nós fazemos questão de informar isso no começo, em letras grandes e negrito!

Por outro lado, entendemos que divulgar a rentabilidade passada é uma forma de agregar transparência à gestão. Nesse caso, sim, acreditamos que é importante compartilhar com você o retorno que nossos clientes obtiveram. Por isso, neste artigo mostramos a rentabilidade da carteira inteligente da Vérios em 2016.

Rentabilidade em 2016: Vérios x Poupança e Inflação (IPCA)

Rentabilidade comparada com inflação e poupança

 

Rentabilidade em 2016: Vérios x CDI

Rentabilidade comparada ao CDI

Os gráficos acima comparam as rentabilidades das carteiras administradas pela Vérios (linhas azuis), já líquidas de custos, com três indicadores: a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o rendimento da caderneta de poupança e o CDI, no período de 1º de janeiro a 31 de dezembro de 2016.

Veja na tabela abaixo o retorno percentual no ano de cada uma das carteiras comparado aos indicadores.

Tabela de comparação de rentabilidades

Duas observações1) Apesar do nosso lançamento oficial ter acontecido apenas em julho de 2016, tivemos uma fase beta de testes com alguns clientes; são deles as carteiras que estamos considerando na análise, já que as outras ainda não completaram um ano. 2) Você deve ter percebido que está faltando a carteira de nível de risco 1, que não foi incluída porque não tínhamos nenhum carteira com esse perfil no início do ano de 2016.

Para consolidar os dados apresentados no gráfico e na tabela consideramos a média da rentabilidade diária de todas as carteiras. Mas por que a média diária de todas as pessoas?

Como trabalhamos com carteiras administradas, e não com fundos, carteiras com um mesmo nível de risco podem, sim, ter rentabilidades ligeiramente diferentes umas das outras. Cada cliente tem uma carteira personalizada com os ativos em seu nome e CPF.

A proporção das classes de ativos em cada uma das carteiras sempre respeita nossos níveis de tolerância de rebalanceamento, gerenciados de maneira a evitar custos e tributos. Por isso, pode acontecer de uma carteira ter 19,3% em uma classe enquanto em outra carteira de igual nível de risco a mesma classe representa 19,9%. Foi por isso que calculamos a média de todos os retornos para gerar um comportamento representativo de cada nível de risco.

Fatores como o momento do mercado no dia em que a carteira foi montada e frequência de aportes adicionais contribuem para distorções na rentabilidade individual dos clientes no curto prazo, mas na média anual todos acabam ficando bem próximos do que divulgamos aqui.

Agora você já tem acesso à rentabilidade das carteiras da Vérios em 2016, mas não interrompa a leitura aqui. Convidamos você para refletir mais um pouco conosco.

Projeção x realidade

Sempre publicamos a rentabilidade esperada das carteiras da Vérios em nosso site, na página de Estratégia de Investimento, que é atualizada mensalmente.

Em dezembro de 2015, a projeção de rentabilidade era a seguinte1:

Note que, sim, as rentabilidades reais ficaram um pouquinho abaixo do esperado. O ano de 2016 foi bem conturbado. Só para citar dois casos extremos, no Brasil tivemos o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Nos Estados Unidos, uma surpresa: a eleição de um presidente inusitado. A economia mundial definitivamente não contava com Donald Trump no poder.

Apesar da diferença em relação à projeção, estamos satisfeitos com o desempenho. Quando construímos as bases da nossa estratégia de gestão, cuidamos para que ela fosse resiliente à imprevisibilidade característica da economia e dos mercados. Logo em seu primeiro ano, essa resiliência já foi posta à prova.

É claro que também modelamos na estratégia muito mais do que a rentabilidade projetada. Não é fácil acertar nas casas decimais o desempenho das carteiras, por isso divulgamos os intervalos de confiança da rentabilidade.

Pense em uma analogia com o clima. Sabemos que em um dia de dezembro a temperatura provavelmente ficará entre 30 e 35 graus, e em um dia de julho, ela ficará entre 15 e 20 graus. Mas existem dias mais frios em dezembro e dias mais quentes em julho. Ficamos surpresos com o calor ou o frio fora de época, mas apesar disso o verão não troca de lugar com o inverno.

Da mesma forma, conseguimos prever que as carteiras de perfil mais arrojado (maior nível de risco) renderão mais no longo prazo, bem como estarão sujeitas a movimentos mais bruscos no curto prazo.

Se você investe com a Vérios, é importante entender que em alguns períodos sua carteira pode ficar temporariamente abaixo do retorno esperado. Os mercados são dinâmicos e cíclicos. Isso é normal e não deve ser motivo de pânico. Principalmente se o seu objetivo for levar dinheiro do presente para o futuro e esse futuro está a alguns anos de distância.

Nossos cálculos em dezembro de 2015 indicavam 95% de probabilidade de que as carteiras ficassem dentro dos seguintes intervalos de rentabilidade, e foi isso mesmo que aconteceu:

A rentabilidade projetada para 2017 será menor, já que estamos em um momento econômico de queda dos juros. Isso não é ruim. Saiba mais neste artigo: Como a queda dos juros afeta seus investimentos.

Alterando a rentabilidade com a escolha da data

Temos uma preocupação com a arbitrariedade na escolha das datas de início e fim em análises de rentabilidade. É possível manipulá-las facilmente de forma a obter retornos espetaculares. Essa é uma das armadilhas comum nos investimentos. Esteja sempre atento a ela.

Vamos dar um exemplo prático de como isso pode acontecer. Para isso, vem com a gente manipular nossos próprios dados!

Pegamos o mesmo gráfico de rentabilidade que mostramos no começo do artigo e alteramos apenas a data de início. A linha pontilhada representa o CDI.

Exemplo 1: Começando no dia 03/12/2016

 

Exemplo 2: Começando no dia 03/05/2016

Uma análise superficial daria a entender que no primeiro exemplo trata-se de um ótimo investimento. Já no segundo caso, a rentabilidade aparece abaixo do CDI… Hum, essa aplicação não é boa, você poderia pensar.

Para superar essa questão da manipulação das datas, (spoiler!) estamos desenvolvendo uma ferramenta de consulta de rentabilidade onde você poderá escolher as datas inicial e final do investimento, eliminando assim esse viés, como já acontece no Comparação de Fundos.

O que esperar da Vérios

Antes de concluirmos, vale lembrar duas coisas:

  1. A carteira inteligente da Vérios é mais adequada para os seus objetivos de médio a longo prazo. Nossa alocação foi pensada para otimizar a relação risco-retorno, e essa otimização precisa de períodos maiores para funcionar bem.

  2. Você não deve decidir investir conosco apenas pela rentabilidade, e sim pela nossa sólida estratégia de diversificação, redução de custos, controle de riscos e liquidez. E claro, pela comodidade que você ganha.

Costumamos dizer para os clientes que, todos os anos, olhando no retrovisor, haverá opções que apresentaram rentabilidade melhor do que a nossa. Em alguns anos serão as carteiras mais agressivas, em outros serão as posições em renda fixa pura. No resultado acumulado no longo prazo, porém, a consistência e a eficiência da carteira inteligente fazem com que nossa solução esteja sempre entre as melhores.

Procuramos equilibrar rentabilidade com o controle do risco e a segurança. Não incluímos nas carteiras da Vérios ativos cujo risco não possa ser quantificado, mesmo que eles prometam uma rentabilidade um pouquinho maior (lembre-se sempre de que rentabilidade maior está associada a riscos maiores). Estudos preliminares que temos realizado indicam que a carteira da Vérios é a mais segura dentre outros portfólios diversificados criados por diversas empresas do nosso ramo de investimentos.

A diversificação é uma forma de segurança. Se alguém fosse capaz de saber de antemão qual será o próximo melhor investimento, não faria sentido diversificar, mas não é isso que acontece na prática.

O que aprendemos em todo esse tempo é que seguir estratégias que tentam adivinhar o que vai acontecer no mercado é um caminho de custos altos — seja pela mudança de posições pagando taxas e impostos, seja pelo tempo que você precisa se dedicar e também pelo custo emocional –, e que não é possível acertar todas as vezes. Contamos um pouco dessa trajetória de aprendizado no Projeto Draft.

Aqui mesmo no blog temos vários artigos explicando os principais benefícios da diversificação, fique à vontade para dar uma lida em alguns deles. Sugerimos começar com estes dois:

Diversificação de investimentos: o que você precisa saber (o essencial está aqui!)

Esqueça a diversificação: aplique apenas no melhor investimento (com uma dose saudável de ironia)

A liquidez também é importante. Não incluímos ativos que “bloqueiam” seu dinheiro pelo simples motivo de que o dinheiro é seu, e queremos que ele esteja disponível quando você precisar. Imprevistos acontecem. Oportunidades aparecem.

Estamos à disposição para conversar mais sobre rentabilidade, diversificação e o que mais você quiser. Deixe seu comentário!

1A tabela considera as projeções de rentabilidade para carteiras com diversificação completa em cinco classes de ativos. Já a rentabilidade média divulgada considera todas as carteiras, incluindo as que são diversificadas apenas com as três classes de títulos públicos, sem ETFs. Se tivéssemos considerado apenas a expectativa de rentabilidade dessas últimas, o projetado em dezembro de 2015 teria sido alcançado com folga.

Rentabilidade da Vérios em 2016
4.95 (99.06%) 64 votos

Categorias: Iniciante, Intermediário, Avançado, Carteira inteligente, Por dentro da Vérios
  • Uorrenbuf

    Se num ano em que a bolsa subiu 40% o retorno foi um pouco abaixo do esperado, será que a expectativa de retorno não está um pouco otimista demais?

    • Adriano Meirinho

      A Vérios não investe em Bolsa. Investe em Tesouro Direto.
      Se você procurava surfar os 40% da Bovespa, e ainda procura surfar em 2017, procure um fundo Multimercado: Galileo, Adam, Gávea…
      ()s

      • Uorrenbuf

        ETFs é tesouro direto então?

        • Adriano Meirinho

          Amigo, a VERIOS, pelo que você pode ver em seu posicionamento investe dinheiro dos clientes de maneira conservadora. ETFs deve ser um pequeno percentual nas carteiras dos clientes com perfil mais arrojado. Novamente, se você quer riscos assumir riscos maiores, procure um Multimercado.

          • Observação para quem estiver acompanhando a conversa: a (boa) dúvida do Uorrenbuf foi respondida no thread da terceira pergunta desse post. abraços!

        • Adriano Meirinho

          Você comparar +40% de Bovespa, com +15% de Carteira CONSERVADORA VÉRIOS, você tá comparando banana com maçã…

          • Uorrenbuf

            Calma! Sem stress… Não estou fazendo esta comparação. Estou questionando o retorno esperado e o retorno real das carteiras mais agressivas. Se o cenário foi ótimo e a bolsa subiu bem, o retorno real deveria ter sido acima do esperado, certo?

          • Adriano Meirinho

            Hehe to sem stress e calmo 🙂 Só acho que a comparação é equivocada 🙂

          • Uorrenbuf

            Eu não estou comparando bolsa com a verios! Estou comparando o retorno esperado que a verios botou no artigo com o retorno real, só isso.

          • Adriano Meirinho

            Pra você ter ganho os 40% da Bovespa em 2016, era só você ter comprado todos os papéis que compõem o Índice, com peso financeiro igual em todos…
            Agora, quem é o guru ou o vidente que conseguiria prever tal coisa?

    • Exatamente o que o Meirinho disse. Na Vérios há diversificação em uma carteira e nõa colocar os ovos em uma única cesta ou em apenas uma única classe de ativo (no caso que você mencionou: bolsa). Haverá sempre algo mais rentável, a questão é: as pessoas acertam sempre!?

      • Uorrenbuf

        Concordo com vc, mas não estou cobrando um acerto. Só estou questionando o fato de que, num ano em que a bolsa subiu bastante, ou seja, um cenário bom e acertado pela verios, os resultados foram abaixo do esperado. Como seria em um cenário ruim, com a bolsa caindo? Ou até um cenário médio, com a bolsa de lado?

        • Adriano Meirinho

          Abaixo do esperado pra quem?
          Com um cenário RUIM, com a BOLSA CAINDO, com certeza a Vérios alocaria as carteiras em PréFIxados, mantendo a rentabilidade pelo menos da SELIC. Você comparar +40% de Bolsa com +15% da Vérios é fora de lógica….

          • Uorrenbuf

            Retorno esperado da verios! Leia o artigo de novo! #paz

          • Adriano Meirinho

            Achei que estivesse comparando os 40% da Bovespa com o Retorno da Vérios, porque você focou bem nisso.
            Agora RETORNO ESPERADO vs RETORNO REALIZADO, veja a tabela de Risco (volatilidade) Vs 95% de intervalo de confiança da rentabilidade. Talvez isso explique a sua dúvida rapaz 😉

          • Uorrenbuf

            Vc ainda não entendeu oq eu estou falando. Mas tudo bem! Não estou questionando o retorno real ser diferente do esperado. Estou falando de um ano em que o cenário foi ideal, a bolsa (ativo de risco da carteira da verios) subiu bem. Nesse ano, o retorno real deveria ter sido acima do esperado, pois tenho certeza que num ano em que a bolsa cair, o retorno real será abaixo.
            Não estou criticando a carteira ou o resultado, estou questionando o retorno esperado talvez estar mto otimista

          • Adriano Meirinho

            Ativo de risco da carteira? Desculpe, mas o montante de ETFs na carteira, deve ser mínimo. Na carteira mais agressiva, deve ter um pouquinho a mais. Mas pelo que vejo a Vérios, se posiciona com um produto conservador. Conservador que está melhor que o CDI. Qual banco por aí paga 101% do CDI em algo conservador? Veja a carteira mais agressiva, com 123% do CDI no ano! Pode procurar no mercado e dificilmente você encontrará um CDB pagando isso… e se encontrar, será de um banco prestes a falir, totalmente ruim das pernas. Melhor e mais seguro a carteira Vérios, não?
            Sobre o Esperado Vs Realizado, veja que a carteira mais agressiva ficou 0,5p.p. abaixo do esperado. Totalmente dentro do nível de confiança dos 95% … não tem nada de anormal, muito pelo contrário, está performando dentro do ESPERADO…. veja a carteira 3, performando 0.02 pp abaixo do ESPERADO… powwww… -0,1%! Isso em estatística significa acertar em cheio… se eles tivessem colocado um intervalo de confiança de 99%, acertariam na mosca 😉

          • Uorrenbuf

            Vc ainda não entendeu meu ponto, mas ok! Abs

          • Observação para quem estiver acompanhando a conversa: a (boa) dúvida do Uorrenbuf foi respondida no thread da terceira pergunta acima nesse post. abraços!

    • Daniel Resende

      Olá Uorrenbuf,

      A Carteira Inteligente da Vérios é montada para evitar perdas patrimoniais em primeiro lugar. Estamos lidando com poupança das pessoas e dinheiro que elas vão confiar durante a vida. Porém balanceamos o risco de forma eficiente para ter boas rentabilidades, por isso temos uma pequena alocação em bolsa brasileira e em bolsa americana.

      Expor as carteiras às altas fortes da bolsa é só uma das faces da moeda, a outra face é desastrosa, é expor o patrimônio às baixas fortes. Por isso temos uma alocação reduzida aí.

      Em 2016 o bom desempenho da bolsa brasileira foi ofuscada pela queda do dólar que prejudicou o desempenho da bolsa americana em reais. Nada fora dos cenários esperados. 2016 é apenas um ano na vida de investimentos de uma pessoa, investimentos são para décadas e não para um ano.

      De qualquer maneira, resultados de 10% acima da inflação não são resultados que acontecem todos os anos e deveriam ser comemorados.

      • Uorrenbug

        Daniel, obrigado pela resposta! Concordo com todos os seus pontos! Mas vc não respondeu minha pergunta, aliás sua resposta corrobora com meu ponto: o do longo prazo. Em 2016 tivemos um ótimo ano em termos de retornos reais e que seria um ano de vacas gordas, em linguagem simples… Meu questionamento é: na média de décadas, será que o retorno esperado por vcs não está mto otimista, dado que num ano bom como 2016 não foi criada uma “gordura” pros anos ruins? Abs!

        • Oi Uorrenbug, você tem razão, 2016 foi um ano espetacular para a bolsa brasileira — mas não necessariamente para os outros ativos de uma boa carteira diversificada

          O componente S&P das carteiras da Vérios, por exemplo, sofreu bastante com a queda de cerca de 20% do dólar no ano passado. E a maior parte das carteiras da Vérios está alocada em títulos do Tesouro Direto, para os quais o ano não foi necessariamente tão bom. A queda dos juros futuros valorizou os títulos da classe Tesouro Prefixado, mas a queda da SELIC desacelerou a valorização dos títulos da classe Tesouro Selic, e idem para a queda da inflação em relação os títulos da classe Tesouro IPCA

          Em suma, 2016 não foi um ano tão bom assim para uma carteira devidamente diversificada entre renda fixa (títulos) e renda variável (ações), como boas carteiras voltadas para o médio e longo prazo devem ser. Um ano realmente bom para uma carteira desse perfil envolveria um mix um pouco diferente, como por exemplo subidas nas bolsas sem quedas grandes no dólar, combinadas com quedas grandes nos juros futuros mas sem quedas grandes na Selic.

          Nossos cálculos de rentabilidade esperada levam em conta tudo isso. Praticamente cravamos as nossas projeções para 2016 e estamos sempre atualizando as projeções para a frente (que para 2017 certamente ficam um pouco mais baixas do que as de 2016, dada a queda na Selic)

          abraço!

          • Uorrenbuf

            Flavio, até que enfim alguem entendeu o que eu perguntei! Muito obrigado pelo esclarecimento! Realmente voces cravaram no retorno esperado em 2016, e se voces vao atualizar o retorno esperado todo ano, agora faz todo o sentido!
            Abs!

  • Adriano Meirinho

    Excelente resultado!

  • Fabiano Ferronato

    Qual a rentabilidade líquida (descontando impostos, taxa vérios, taxa bovespa etc?

    • Daniel Resende

      Olá Fabiano, as rentabilidades já estão sendo descontadas de todos os custos (taxas de corretagem, custódia, custo do tesouro direto e taxa da Vérios), a alíquote de imposto é regressiva para 15%.

  • Pingback: Investir na bolsa de valores: um leigo consegue ganhar dinheiro? - Terraço Econômico()