Risco e volatilidade dos fundos de investimento

Risco é a probabilidade de se obter retornos negativos ou abaixo do esperado. 

Apesar de não ser uma medida perfeita, a volatilidade é a forma mais comum de se estimar o risco de investimentos. Ela é afetada pela intensidade e frequência das oscilações que o fundo apresentou historicamente. Maior volatilidade significa maior imprevisibilidade do rendimento, que é um dos riscos de investir.

Analisando o risco no gráfico de underwater

Outra forma interessante de ver o risco é o gráfico de underwater. Esse gráfico desconsidera todos os ganhos do investimento e mostra apenas as perdas.

Assim, é possível observar visualmente as maiores perdas que o investimento apresentou no passado, do pico até o o pior momento, e quanto tempo demorou para os investidores recuperarem aquele prejuízo.

Veja este exemplo:

Exemplo de pico de perda e recuperação de um fundo no gráfico underwater

Você ficaria confortável nesse fundo durante a crise de 2008?

Se você conseguiu responder (sim ou não), o gráfico cumpriu sua função: evidenciar um tipo de risco.

A tolerância a risco não é uma questão de coragem. Dependendo do prazo do seu investimento, você tem mais ou menos capacidade para assumir riscos. E mesmo que se tenha prazo de sobra, talvez você seja uma pessoa avessa a risco. Se você nunca perdeu dinheiro com um investimento, é mais difícil saber qual o seu grau de tolerância. Uma forma de começar a descobrir é com os testes de perfil do investidor ou de perfil de risco.

Em resumo

Todo investimento envolve algum tipo de risco. O importante é saber se os seus investimentos são adequados para o seu perfil de tolerância a risco.

Volatilidade

Quanto menor, menos risco. Mas há exceções. Há vários tipos de risco que não são medidos pela volatilidade, como o risco de crédito e risco de liquidez, por exemplo. De qualquer forma, pessoas conservadoras devem evitar investimentos com alta volatilidade.

Underwater

É uma boa forma de observar os piores momentos da história de um fundo. Avalie as perdas. Quais foram as maiores? Com que frequência ocorrem? Quanto tempo duram? Antes de investir, responda: você ficaria confortável com essas perdas?

——–
Gostou deste artigo? Ele faz parte de um guia completo, que busca responder uma dúvida muito comum: Como escolher um fundo de investimento? Clique para ler.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+

Felipe é cofundador e CEO da Vérios. Atuou por 7 anos como agente de investimento credenciado pela CVM e Ancord e cofundou o site Comparação de Fundos, primeiro a dar transparência a mais de 15 mil de fundos de investimento. Felipe é advogado pela USP e especialista pós-graduado em Finanças Corporativas e Investment Banking pela FIA.