Risco, retorno e índice de Sharpe

Um dos princípios basilares do mercado financeiro é a relação risco-retorno. Ela diz que, para se obter mais retorno, tem que se correr mais riscos. Essa definição não é linear, ou seja, não basta correr mais risco para se obter retorno, mas de um modo geral ela funciona razoavelmente bem.

Ao buscar retornos maiores, corre-se o risco de obter retornos inferiores, ainda que momentaneamente. Isso torna o julgamento da qualidade de investimento mais complexa. Afinal de contas, ainda que um tipo de investimento mais arriscado dê excelentes retornos na média, para quem investiu em um momento ruim, ele não foi um bom investimento.

No caso de fundos de investimento, há algumas formas de se avaliar a qualidade daqueles de mais alto risco:

  • Observar em longos espaços de tempo. Onde o fundo provavelmente teria passado por momentos bons e momentos ruins e o produto do longo prazo seria o retorno médio.
  •  Observar o fundo em diversos períodos. Dessa forma você poderá saber seus melhores e piores momentos de um fundo e o quão confortável se sentiria nesses extremos. 

Veja o gráfico abaixo. Na escala vertical colocamos a rentabilidade dos fundos, e na escala horizontal colocamos o risco do fundo. Cada ponto é um fundo de investimento. Ao distribuir os fundos no gráfico, percebemos que há uma relação que mostra quanto maior o risco, maior o retorno.

Como falamos, a relação risco-retorno não é linear. Não adianta apenas dar mais risco ao fundo para se obter maiores retornos.

O objetivo ao avaliar fundos é encontrar aqueles que estão acima da reta média, onde o gestor é capaz de aumentar a rentabilidade sem aumentar o risco na mesma proporção.

Índice de Sharpe

O índice de Sharpe, criado pelo ganhador do Prêmio Nobel de Economia William Sharpe, em 1990, é um dos mais utilizados na avaliação de fundos de investimento. Ele expressa a relação retorno/risco e informa se o fundo oferece rentabilidade compatível com o risco a que expõe o investidor. Nos rankings de carteiras com base no índice de Sharpe, aquelas que têm maiores retornos para menores riscos serão as primeiras colocadas.

O índice de Sharpe é o resultado de uma divisão. O numerador é a média aritmética dos retornos excedentes oferecidos pelo fundo em uma certa periodicidade, durante um determinado tempo. O denominador, o desvio padrão desses retornos. Retorno excedente é a parcela do rendimento oferecido pelo fundo que ficou acima ou abaixo da rentabilidade de um indexador adotado livremente, normalmente o CDI.

Desvio padrão é o padrão de oscilação desses retornos. Como foi dito no início, o Índice Sharpe indica a relação retorno/risco. Assim você pode comparar o Sharpe de quantos fundos desejar para tomar sua decisão de investimento.

Pode-se dizer que mais importante que ver o Sharpe de um fundo é conhecer os números que resultaram nele.

O numerador é uma informação de rentabilidade real média, porque diz em quanto na média o rendimento do fundo superou ou ficou abaixo da variação do indexador. O denominador é um indicativo da da volatilidade do fundo. Portanto, do seu risco. Quanto maior o desvio padrão, maior foi a oscilação do fundo. E quanto maior a oscilação, maior o risco.

Risco, retorno e índice de Sharpe
4.5 (90%) 8 votos

Categorias: Fundos de investimento