[Vídeo] Rebalanceamento automático: o que é e como funciona

Imagine que você vai cruzar o Atlântico em uma embarcação. Você pode ir de transatlântico ou de iate. Em ambos os casos, você tem uma rota a seguir.

Se você for estiver fazendo um cruzeiro em um transatlântico, você tem mais estabilidade, mas o percurso é mais lento. Ventos e marés vão te afetar, mas não muito. Já se você for em um iate, terá mais agilidade, porém as marés e os ventos vão te desviar para fora da rota com mais facilidade. O que você precisa fazer são manobras que vão te manter sempre dentro da rota.

Com sua carteira de investimentos ocorre um fenômeno parecido. Você tem uma rota a seguir, que é acumular patrimônio dentro da melhor relação de risco e retorno. Para isso, você segue uma alocação ideal.

Com o tempo, alguns investimentos valorizam mais, outros valorizam menos ou mesmo desvalorizam… Quando você vê, as alocações da sua carteira já estão bem diferentes do inicialmente planejado. Sua carteira pode até estar com risco bem maior, ou menor, de qualquer forma desalinhado do seu perfil e da alocação ideal.

O rebalanceamento é como uma manutenção ou revisão da sua carteira de investimentos.

Mas como rebalancear? E quando se preocupar com isso?

Preparei um vídeo explicando como fazemos o rebalanceamento automático da carteira inteligente da Vérios:

Já falamos por aqui sobre a importância do rebalanceamento da sua carteira de investimentos. Uma vez que você tenha um plano de investimento diversificado e com custos reduzidos, a melhor forma de mantê-lo sempre “dentro da rota” é rebalanceando.

Você nunca deu a devida atenção ao rebalanceamento? Calma, não é culpa sua.

O banco ou a corretora onde você investe em geral não estão muito preocupados com o equilíbrio da sua carteira de investimentos. Eles estão pensando a curto prazo, pois o interesse deles é vender investimentos para você. Rebalancear é muito vantajoso para você, não para eles. Há um conflito de interesses.

Até pouco tempo, você só poderia contar com um serviço de rebalanceamento se contratasse um consultor financeiro independente ou fosse cliente de casas de investimento sofisticadas, esta última opção disponível apenas a clientes com patrimônio superior a alguns milhões de reais.

Mesmo assim, o rebalanceamento seria discutível, pois são muitos cálculos repetidos todos os dias e uma execução minuciosa e cara, se feitas por humanos.

Porque a verdade é que rebalancear dá trabalho, e por isso cobram caro. É claro, você também poderia ter o trabalho de estudar e aprender a fazer por conta própria… Não recomendaria essa opção. Um rebalanceamento feito da maneira correta envolve questões bastante técnicas, como o uso de faixas de tolerância e a gestão do vencimento médio dos títulos da carteira.

banner-blog-lancamento

Imagine se você decidisse estudar medicina para poder se diagnosticar sozinho? Complexo, não?

Mas não precisa ficar desolado: construímos um final feliz pra essa história criando o rebalanceamento automático.

Usamos tecnologia de ponta para automatizar um  trabalho tradicionalmente feito de forma manual. Conseguimos acompanhar sua carteira de investimentos full time, e disparar avisos que indicam o momento de rebalancear. Todos os cálculos também são automáticos, bem como a operação de comprar e/ou vender ativos da sua carteira.

E o mais importante: o rebalanceamento é feito de uma forma a evitar o desperdício com taxas (custos) e impostos.

É um método muito mais preciso, ágil e confiável do que o processo manual, e você não precisa espremer sua rentabilidade em taxas e mais taxas para ter acesso a esse serviço sofisticado.

Você está um passo antes e ainda precisa construir seu plano de investimento diversificado? Conheça o plano que nosso modelo matemático de otimização recomenda para o seu perfil. É só responder algumas perguntas e seguir em frente para ter uma carteira bem montada, preparada para te levar longe.

[Vídeo] Rebalanceamento automático: o que é e como funciona
5 (100%) 3 votos

Categorias: Intermediário, Carteira inteligente
  • Cleber Dantas

    Olá Daniel!

    Vocês tentam manter o vencimento médio dos títulos em quanto tempo e por que? (Se é que podem divulgar isso)

    Abs

    • Oi, Cleber. Bom dia!

      Nós fizemos vários testes. Primeiro, criamos diversas “séries ideais” dos títulos, combinando para manter o vencimento médio constante ao longo de mais de dez anos, desconsiderando os custos de transação, para testar o comportamento. Criamos séries com duration constante de 100, 200, 300, 400 dias… e assim sucessivamente. Com isso, fizemos combinações dos diferentes durations entre si e dentro da carteira, com as outras classes de ativos. Nesse tipo de tarefa, o Ueslei ajudou muito, pois ele consegue computar muitas coisas, muito rápido.

      Por uma questão de eficiência de retorno versus volatilidade adicionada na carteira, estamos com duration alvo da posição prefixada em 1.200 dias e o duration alvo da posição de inflação em 2.000 dias. Isso pode mudar com o tempo, com input de novos dados. Na hora em que o cliente monta uma carteira inteligente, o Ueslei vai pegar um título mais curto e um mais longo, e calcular a proporção de cada um para, na média, ficar com o duration alvo. Por isso uma carteira nova sempre tem 2 títulos do Tesouro Prefixado e 2 títulos do Tesouro IPCA.

      Depois, ele não fica rebalanceando todo dia, por conta dos custos. Então o duration vai caindo com o passar dos dias. A cada novo aporte que você faz, ele compra uma pequena quantidade de um título mais longo, para compensar a redução gradual do duration ao longo dos meses, sempre voltando o cliente para o alvo. Respondi sua dúvida?

      Abs,
      Felipe

      • Cleber Dantas

        Sensacional Felipe!!

        Respondeu sim! Muito obrigado pela resposta e pelo tempo investido em formulá-la.

        Abs,
        Cleber Dantas